Oito estados e o DF devem punir policiais que participarem de atos no Sete de Setembro

Próximo ao feriado da independência no dia 7 de setembro, os governadores se articulam para evitar a participação de policiais militares nos atos a favor do presidente Jair Bolsonaro. Um levantamento realizado pelo jornal O Globo mostrou que oito estados e o Distrito Federal deverão punir os PMs e oficiais que participarem; dez afirmaram não ter um plano definitivo; dois irão seguir o regimento interno, que autoriza aos policiais participarem de manifestações,desde que não usem a vestimenta oficial da instituição; outros sete não se pronunciaram. 

A preocupação com a ida de policiais aos protestos veio à tona nos últimos dias quando o governador de São Paulo, João Dória (PSDB), decidiu exonerar o comandante da Polícia Militar, coronel Aleksander Lacerda. Nas redes sociais, o coronel fez uma convocação para o ato bolsonarista em Brasília, além de ter criticado o tucano, outros políticos e o Supremo Tribunal Federal.

Em nota, Dória afirmou que "a Corregedoria da instituição, que é legalista e tem o dever e a missão de defender a Constituição e os valores democráticos do país nela expressos, analisa as manifestações recentes do oficial, que foi convocado ao Comando Geral para prestar esclarecimentos".

No DF, o governador Ibaneis Rocha (MDB-DF), afirmou que policiais militares da ativa que participarem das manifestações do 7 de setembro serão punidos.

“Cada um faz o que quer dentro dos limites da lei”, explicou o chefe do executivo do Distrito Federal em conversa com o Congresso em Foco sobre a participação da Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF) nos atos antidemocráticos convocados para o feriado. “Claro que sim [que punirá policiais].”

Além do Distrito Federal e São Paulo, os estados da Bahia, Paraíba, Espírito Santo, Maranhão, Piauí, Amazonas e Roraima também preveem punição aos PM's que participarem de atos antidemocráticos. 

> CPI deve denunciar Bolsonaro por crime de lesa-humanidade, diz Randolfe 

> Da cadeia, Jefferson chama o STF de “organização criminosa”

Se você chegou até aqui, uma pergunta: qual o único veículo brasileiro voltado exclusivamente para cobertura do Parlamento? Isso mesmo, é o Congresso em Foco. Estamos há 17 anos em Brasília de olho no centro do poder. Nosso jornalismo é único, comprometido e independente. Porque o Congresso em Foco é sempre o primeiro a saber. Precisamos muito do seu apoio para continuarmos firmes nessa missão, entregando a você e a todos um jornalismo de qualidade, comprometido com a sociedade e gratuito.
Mantenha o Congresso em Foco na frente.
JUNTE-SE A NÓS

Continuar lendo