Obstrução adia votação de proteção a blogueira cubana

Discussão entre integrantes da base, contrários ao requerimento, e a oposição durou mais de duas horas. Intenção era colocar a Polícia Federal para acompanhar Yoani Sánchez em sua visita no país

Integrantes da base e da oposição discutiram por mais de duas horas a possibilidade de a blogueira cubana Yoani Sánchez receber proteção da Polícia Federal. Um requerimento apresentado pelo deputado Mendonça Filho (DEM-PE) chegou a ser colocado em votação e aprovado em análise simbólica. No entanto, com um pedido de verificação de quorum e a entrada em obstrução de partidos governistas, a sessão terminou sem resultado.

Tumulto marca visita de Yoani Sanchez ao Congresso
Cuba precisa de marco legal democrático, diz Yoani Sánchez

Durante as mais de duas horas de discussão do requerimento, integrantes da base e da oposição se revezaram na tribuna para defender ou atacar a blogueira cubana. Para petistas, já irritados com a presença de Yoani Sánchez na Câmara, a medida é desnecessária. E colocar a Polícia Federal para acompanhar a viagem da cubana ao país um desperdício de dinheiro público.

Curta o Congresso em Foco no facebook
Siga o Congresso em Foco no twitter

Para o deputado Sílvio Costa, a Câmara não é a "Câmara de Vereadores da menor cidade da Venezuela". Na visão do petebista, não existe embasamento jurídico para a votação do requerimento. Já Sibá Machado (PT-AC) lembrou que na reunião de líderes ficou decidido que o presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), levaria o pedido de proteção ao ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo. "Esta moça não tem nenhum tipo de insegurança nacional", disparou o petista.

"A recepção foi de tal forma virulenta e de tal forma violenta que na Bahia ela foi impedida de falar. Ela, que se dizia em Cuba, alguém que estava tolhida do seu direito de expressão, que foi presa e espancada, chega ao Brasil, e qual é a razão que se dá através de participantes do Governo Federal? A recepção é com a mesma violência e com a mesma virulência", disse o líder do PSDB na Câmara, Carlos Sampaio (SP).

Eram necessários pelo menos 257 deputados em plenário para a votação começar, já que houve o pedido de verificação de quorum. Porém, como PT e PCdoB entraram em ibstrução, apenas 237 deputados registraram seu voto, o que resultou na sessão sendo derrubada e a votação transferida.

O deputado Miro Teixeira (PDT-RJ), no início da discussão, ponderou que, primeiro, era preciso saber se Yoani quer ter o acompanhamento da Polícia Federal e se ela se sente ameaçada. "E, finalmente, se isso não poderá ser interpretado como um controle do Estado brasileiro sobre as atividades dela. Para onde ela for, haverá polícia atrás. Como é que se dá sem que ela manifeste ou o desejo ou o consentimento", comentou.

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!