O segredo do sucesso profissional

Não basta pensar positivamente, diz presidente do CIEE. Estudante deve buscar as habilidades que o mundo de hoje exige, como domínio de inglês, conhecimento tecnológico e espírito empreendedor

Luiz Gonzaga Bertelli *

Ao contrário do que defende o popular livro (e filme) que dá nome a esse artigo, pensar positivamente não garante a conquista, pelos estudantes, da tão concorrida vaga de estágio. Essa postura mental é até um bom começo, mas não o suficiente.

Arrisco, então, indicar três segredos para o sucesso na competição profissional: capacitação, capacitação e capacitação. Um levantamento da consultoria IDC mostra que o mercado de tecnologia da informação (TI) arca com um déficit de 17 mil técnicos especializados, número que pode subir para 100 mil até 2010, na contagem da Associação Brasileira de Empresas de Softwares e Serviços para Exportação (Brasscom).

Assim, não é exagero supor que, nesse campo, há uma fartura de vagas abertas, à espera de talentos que possam preenchê-las, atendendo às necessidades das empresas.

O cenário leva os gestores de recursos humanos a adotar soluções um tanto inusitadas. A IBM, por exemplo, mudou a estratégia de recrutamento e começou a procurar seus futuros colaboradores nas escolas técnicas de Belo Horizonte, depois de convencê-las a incluir em seus currículos disciplinas que habilitam o aluno a ingressar na empresa.

Dos 500 jovens que serão preparados, a IBM já se comprometeu a contratar 320. O programa poderá ser ampliado para São Paulo, Campinas, Rio de Janeiro e Salvador. A etapa seguinte será a ampliação do campo de procura para abranger as escolas de nível médio tradicionais. Os estudantes dessas e de outras cidades que se anteciparem na preparação, portanto, sairão na frente.

Como se vê, só é preciso um pouco de atenção para não deixar passar as oportunidades, pois muitos dos conhecimentos exigidos podem ser obtidos gratuitamente. O próprio CIEE mantém uma série de cursos e oficinas presenciais, em 18 cidades, e a distância, disponível qualquer computador com acesso à internet – todas inteiramente gratuitas.

Tudo o que o estudante precisa está lá: idiomas estrangeiros, conhecimentos sobre o funcionamento das redes de computadores, correção gramatical e dicas sobre como desenvolver posturas e habilidades valorizadas no ambiente profissional – tais como atenção concentrada, empreendedorismo etc.

Vale ainda ressaltar que, de acordo com especialistas, os brasileiros têm potencial para sobrepujar a concorrência internacional em mercados já tradicionais do setor de TI, como a Índia, tendo em vista que, quando se tornam fluentes, por exemplo, no inglês, têm o sotaque menos acentuado, o que facilita a comunicação com o cliente. Além disso, modéstia às favas, o Brasil é reconhecidamente uma fonte de profissionais empenhados e extremamente criativos.

A agenda das oficinas presenciais e a grade dos cursos de educação a distância do CIEE estão site www.ciee.org.br <www.ciee.org.br/” target=_blank>http://www.ciee.org.br/> ,
pelo qual também o estudante pode se inscrever para participar. Pensar positivo é fácil, o segredo é ser proativo.


* Luiz Gonzaga Bertelli é presidente-executivo do Centro de Integração Empresa-Escola (CIEE), da Academia Paulista de História (APH) e diretor da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp).


Veja ainda:


Outros textos de Luiz Gonzaga Bertelli


Outros artigos da seção Fórum


Curta o Congresso em Foco no Facebook

Siga o Congresso em Foco no Twitter


BrasscomcampinasCIEEciência e tecnologiaestágioFiespIBMIDCLuiz Gonzaga BertelliRio de JaneiroSalvadorSão Paulotecnologia da informação