Número de homicídios no ES passa de 120 em uma semana de protesto

Com paralisação da Polícia Militar local, patrulhamento está sendo feito pelas Forças Armadas. Acordo entre grevistas e governo segue travado, mesmo após dez horas de negociação e aumento nos números de criminalidade

 

A grave crise de segurança pública no Espírito Santo completa uma semana nesta quinta-feira (10) e segue sem previsão de término. Segundo o Sindicato dos Policiais Civis do Espírito Santo, foram registrados 121 homicídios no estado desde sábado (4) até a manhã de hoje, a maior parte na região metropolitana de Vitória.

O governo não conseguiu firmar um acordo com a Polícia Militar e o patrulhamento na região segue sendo feito apenas pelas Forças Armadas. Segundo o secretário de segurança do estado, André Garcia, 703 PMs foram indiciados pelo crime militar de revolta, que prevê de 8 a 20 anos de prisão.

Nas manifestações os militares reivindicam reajuste salarial e o pagamento de auxílio-alimentação, periculosidade, insalubridade e adicional noturno para os policiais militares. As manifestações se estenderam para outros batalhões durante o fim de semana e, de acordo com a ACS, já atingem todos os batalhões do estado.

Com medo, a população se recolhe em suas casas e sai delas apenas para necessidades básicas, como comprar alimento e ir a hospitais. Em uma das principais avenidas de Vitória, chamada Dante Michelini, a cena é chocante. Mesmo à beira-mar e considerada local nobre da capital capixaba, a avenida está às moscas.

Outra consequência da falta de patrulhamento dos policiais nas ruas é a suspensão da vacinação da febre amarela nas unidades de saúde na Grande Vitória. O estado é um dos que têm registrado casos da doença. Com 114 notificações de suspeitas da doença, o Espírito Santo tem 20 casos confirmados de febre amarela e continua investigando 89. Seis pessoas morreram pela doença nos municípios de Ibatiba, Irupi, Itarana e Pancas.

Os ônibus não voltaram a circular hoje na Grande Vitória. Eles chegaram a circular na manhã de ontem, mas pararam após a morte do presidente do Sindicato dos Rodoviários de Guarapari, Wallace Barão. Ele foi encontrado morto a tiros dentro de um carro na manhã dessa quinta-feira, em Vila Velha.

Escolas, unidades de saúde, agências bancárias, repartições públicas e a maior parte das lojas estão fechadas desde segunda-feira na grande Vitória.

Com informações da Agência Brasil

Mais sobre o Espírito Santo

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!