Nos jornais: TSE investiga contas de 17 partidos políticos

Corte eleitoral, após fraude verificada no PP, analisa as prestações de outros 16 partidos para apurar se houve desvios do fundo partidário. Jornais destacam STF julgando cúpula do PT por formação de quadrilha

Folha de S. Paulo

TSE investiga contas de 17 partidos políticos

Após constatar uma fraude nas contas do PP, o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) investiga as prestações de outros 16 partidos para apurar se houve desvios de recursos do fundo partidário. Uma auditoria vasculha 60 processos com comprovantes dos gastos repassados à Justiça entre 2001 e 2009.

A Folha teve acesso à relação que é alvo do pente-fino do TSE. Além do PP, a análise atinge PDT (5 processos), PTB (5), PSB (4), PMDB (3), DEM (2), PSDB (1) e outros partidos menores. A abertura da investigação foi determinada pela presidente do TSE, ministra Cármen Lúcia, no último dia 28.

O objetivo é apurar se o dinheiro do fundo partidário foi aplicado irregularmente ao mesmo tempo que o TSE, por meio de um setor chamado Coordenação de Exame de Contas Eleitorais e Partidárias, aprovou as prestações.

STF decide hoje se Dirceu e outros 12 formaram quadrilha

O STF (Supremo Tribunal Federal) deve se pronunciar hoje sobre a acusação, feita pelo Ministério Público, de formação de quadrilha pelo ex-ministro da Casa Civil José Dirceu para compra de apoio político no primeiro governo Lula (2003-06).

O placar tende a ficar apertado: para ministros ouvidos pela Folha, as ministras Cármen Lúcia e Rosa Weber devem absolver Dirceu e outros 12 réus do crime de formação de quadrilha, cuja pena varia de 1 a 4 anos de prisão.

Segundo os ministros, elas devem se valer da argumentação que já usaram, em capítulo anterior, para absolver do mesmo crime réus ligados ao PP e ao PL (hoje PR). Os réus seriam beneficiados.

Longe de Haddad, Lula ataca o 'novo' e exalta 'experiência'

O ex-presidente Lula, que prega a eleição de Fernando Haddad (PT) como forma de renovar a política em São Paulo, fez ontem um discurso contra "o novo" em Diadema (SP), cidade controlada pelo PT há 12 anos.

No palanque de Mário Reali, candidato à reeleição, Lula disse que não se deve trocar "o certo pelo duvidoso" e que o país já apostou no "novo" em 1989, quando elegeu Fernando Collor, que sofreu um impeachment dois anos após a posse. O hoje senador é aliado do PT do Congresso.

Em Diadema, Reali disputa o segundo turno contra o vereador Lauro Michels (PV) que, assim como Haddad, disputa pela primeira vez uma eleição majoritária.

Serra rebate Lula e diz que PT 'joga baixo'

O candidato do PSDB à prefeitura, José Serra, rebateu ontem as declarações do ex-presidente Lula, que na noite de sábado comparou o tucano aos ex-presidentes Fernando Collor e Jânio Quadros, que não cumpriram seus mandatos até o fim.

"É a estratégia petista típica. Eles jogam baixo, muito baixo. Basta olhar o que eles fazem -ataques, infâmias- e acusam o adversário. É a maneira mais cômoda", disse Serra, após uma reunião com universitários na Lapa (zona oeste).

O tucano disse ainda que o PT "é um partido de gente que mente o tempo inteiro". "Eles atacam, fazem jogo baixo e dizem que o outro é que está fazendo isso. E provocam, levantam pauta para a imprensa -é uma maravilha para eles nesse sentido. Isso é quase uma demonstração de que o crime em relação à verdade compensa."

Números de Haddad e Serra na educação básica são parecidos

Apesar dos ataques mútuos em relação aos resultados educacionais, dados oficiais mostram que os desempenhos das gestões de Fernando Haddad (PT), no governo federal, e de José Serra (PSDB), na prefeitura paulistana e no governo estadual, seguem a mesma tendência.

O Ideb, principal termômetro da situação educacional do país e instrumento para definir políticas públicas, mostra que tanto em âmbito nacional quanto estadual e municipal os alunos mais novos do ensino fundamental têm melhorado. Entre os mais velhos, o crescimento é menor, em todas as instâncias.

Ministra diz que Congresso tem que discutir pesquisas

A ministra-chefe da Casa Civil, Gleisi Hoffmann (PT-PR), afirmou anteontem que o Congresso Nacional deve discutir a metodologia usada em pesquisas eleitorais para evitar que elas se transformem em "instrumentos de campanha".

A declaração da ministra foi feita em Cascavel (498 km de Curitiba), antes de ela participar de um evento de apoio ao candidato do PT na cidade, José Lemos.

As pesquisas, segundo ela, retratam um momento e apontam uma tendência, mas não podem ser definidoras de votos: "Nós temos que estudar uma metodologia para que elas não sejam instrumentos de campanha".

Mesmo com queda de taxa, fundo de banco público perde para poupança

Apesar do discurso oficial de que os bancos públicos oferecem as melhores condições para os clientes, fundos de investimento do Banco do Brasil destinados a pequenos investidores lideram as perdas em comparação com o rendimento da poupança. Mesmo com o anúncio de redução das suas taxas de administração, a Caixa também tem um fundo nesse segmento que não consegue bater o rendimento da poupança.

Em ambas as instituições, as altas taxas de administração praticadas corroeram a rentabilidade dessas aplicações no acumulado do ano. O levantamento foi feito em BB, Caixa, Santander, Bradesco e Itaú e só considerou os fundos de renda fixa para pequenos investidores, com aplicação mínima inicial de até R$ 1 mil.

Oposição vai às ruas e eleva tensão no Líbano

Sob os acordes da marcha fúnebre de Chopin e protestos contra o governo, milhares de pessoas acompanharam ontem em Beirute o funeral do chefe da inteligência libanesa Wissam al Hassan, assassinado por um carro-bomba na sexta-feira.

Simpatizantes da aliança opositora 14 de Março, à qual Al Hassan era ligado, partiram depois para a sede do governo, exigindo a renúncia do premiê, Najib Mikati, que acusam de acobertar o crime.

O protesto levou a confrontos com as forças de segurança, que deram tiros de alerta e dispararam gás lacrimogêneo contra um grupo de manifestantes que atirou pedras e tentou invadir o prédio.

O Globo

Empresas de ônibus protegem infratores

Das 75 mil multas de trânsito aplicadas entre janeiro e junho aos ônibus do Rio, 27 mil ficaram sem que as empresas revelassem a identidade dos motoristas. Por cada infração em que não aponta o condutor responsável, a transportadora recebe uma segunda multa. O Rio Ônibus, sindicato das empresas, diz desconhecer essa prática que evita que motoristas acumulem 20 pontos na carteira e tenham o direito de dirigir suspenso. Professor do Departamento de Transportes da Uerj, José de Oliveira Guerra vê a manobra dos patrões como forma de não agravar o déficit de mão de obra. Repórteres do GLOBO localizaram o ônibus campeão da bandalha, com 320 multas em dois anos.

Desafios brasileiros: Por trás do sucesso, a educação

Nos últimos anos, o Brasil praticamente conseguiu que a totalidade das crianças entre 6 e 14 anos esteja matriculada na escola, mas o país ainda está longe de formar profissionais, de nível técnico ou superior, em número suficiente para atender ao mercado de trabalho, como mostra a segunda edição do projeto "Desafios Brasileiros" uma parceria entre O GLOBO e "O Estado de S. Paulo" Para especialistas, se quiser crescer, o país precisa de profissionais qualificados.

STF julga cúpula do PT por quadrilha

O Supremo Tribunal Federal (STF) retoma nesta segunda-feira, dividido, o julgamento de 13 réus do mensalão acusados de formação de quadrilha, entre eles, membros que integram a cúpula do PT: o ex-ministro da Casa Civil José Dirceu, o ex-presidente do PT José Genoino e o ex-tesoureiro do partido Delúbio Soares.

Na semana passada, o ministro relator, Joaquim Barbosa, votou pela condenação de 11 dos 13 réus, mas o revisor, Ricardo Lewandowski, absolveu todos. Assim, o placar está empatado em um a um.

O julgamento por formação de quadrilha é o que mais tem provocado divergências no STF. Outros oito réus — ligados ao PP e ao PL (atual PR) — foram julgados pelo crime. Para sete, o placar foi apertado: dois empates; três condenações por 6 votos a 4; e duas absolvições, também por 6 a 4.

Siderurgia em banho-maria

Diante da crise e do excesso de aço no mundo, Vale, Usiminas e ArcelorMittal Brasil suspenderam projetos de siderurgia, num total de US$ 16,3 bilhões. Os maiores empreendimentos são da Vale, que ainda não conseguiu parceiros para as usinas do Pará e do Espírito Santo.

Jogos que ensinam

Um programa de jogos on-line já implantado em escolas do sistema Sesi e Senai ajuda os alunos a aprender matemática.

O Estado de S. Paulo

Mutirão limpa nome e tenta animar vendas de Natal

Bancos e lojas estão fazendo um esforço inédito para renegociar dívidas e liberar os brasileiros para consumir mais no fim do ano. A iniciativa inclui mutirões de renegociação de dívida, em que devedores e credores se encontram para acertar as contas. Empresas especializadas usam vans e contêineres para levar os feirões a várias cidades do País. Só em São Paulo, 3,9 milhões de consumidores limparam seus nomes. Além disso, o governo facilitou a troca de dívida cara de um banco por outra mais barata de um concorrente, e baixou a taxa de juros ao menor nível da história. Apesar de todo o esforço, a inadimplência continua alta e o comércio prevê um crescimento modesto de vendas no Natal, entre 2% e 5% em comparação ao ano passado. “Ainda estamos resolvendo o problema de caixa do consumidor”, diz o economista da Associação Nacional das Instituições de Crédito, Nicola Tingas.

Nova briga nos cartões

Depois dos juros e das tarifas bancárias, o governo vai brigar com as operadoras para forçar a redução das taxas cobradas no cartão de crédito e no vale-refeição.

Chapéu de palha

O ex-vice-presidente venezuelano Elias Jaua mostra foto em que aparece com Fidel Castro. É a primeira imagem do cubano em 7 meses. Jaua disse ter se encontrado com o comandante no sábado, em Havana, para tentar afastar rumores de que Fidel estaria à beira da morte.

Por trás do sucesso, uma boa escola

Para formar profissionais em número suficiente para atender ao mercado de trabalho, o Brasil precisa melhorar a educação básica, ampliar a formação de técnicos e reduzir deficiências do ensino superior, como mostra o 2º caderno da série “Desafios Brasileiros”, iniciativa de O Estado e O Globo.

Serra diz que petistas ‘vão para a cadeia’

O candidato do PSDB à Prefeitura de São Paulo, José Serra, acusou o PT de querer vencer as eleições para minimizar a condenação de líderes do partido no mensalão. “Eles acham que a eleição vai compensar o crime do mensalão. Mas não vai. Esse pessoal vai para a cadeia mesmo”, afirmou.

Correio Braziliense

A tragédia se repete no Lago Paranoá

O ocupante da Focker 280 teria pulado na água para tentar soltar a lancha que havia encalhado em área proibida. Seu corpo foi achado pelos bombeiros ontem pela manhã a 50 metros da margem. A polícia encontrou bebida a bordo, mas a documentação do barco estava em dia. No fim da tarde, uma embarcação afundou com três pessoas próximo ao Bay Park. Ninguém se feriu.

Cristiano Paz: “Eu não soube enxergar os riscos”

O publicitário mineiro rompe o silêncio e relata ao Correio a sua participação nos fatos que o levaram a ser um dos réus do processo do mensalão. Em depoimento exclusivo, ele conta como soube, por Marcos Valério, que o PT precisava de dinheiro para pagar dívidas de campanha e garante que não se envolveu nas operações financeiras de sua agência, a SMP&B: “Gostaria que os brasileiros conhecessem a verdade que eu vivi”.

Evento internacional: Brasília, sede da tecnologia global

A capital federal vai receber, em 2016, o Congresso Mundial de Tecnologia da Informação. “Para a economia do país é fabuloso. É uma grande vitória”, festejou o governador Agnelo Queiroz.

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!