Nos jornais: PT tenta “congelar” cassação de Genoino

Partido espera apoio de integrantes da Mesa Diretora correligionários de Pedro Henry e Valdemar Costa Neto, também condenados à prisão e à perda do mandato no julgamento do mensalão

O Estado de S. Paulo

Procurador-geral quer Genoino em casa por 90 dias; PT tenta ‘congelar’ cassação

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, defendeu ontem a manutenção, por pelo menos mais 90 dias, da prisão domiciliar do ex-presidente do PT e deputado licenciado José Genoino. Depois desse prazo, nova avaliação do quadro de saúde deve ser feita. Na Câmara, os colegas do político tentam "congelar" hoje um possível processo de cassação pelo tempo que durar sua licença médica.

Em parecer encaminhado ao Supremo Tribunal Federal, Janot afirmou que Genoino corre risco de morrer se continuar preso, pois o presídio da Papuda, em Brasília, onde cumpre pena desde o dia 16 de novembro, não disporia das condições necessárias para garantir seu tratamento de saúde. A decisão cabe ao presidente do STF, Joaquim Barbosa.

Na semana passada, laudo feito por cinco médicos concluiu não ser imprescindível manter Genoino em prisão domiciliar ou no hospital para tratamento.

Os médicos afirmaram no documento que Genoino não sofria "cardiopatia grave" - em julho ele passou por uma cirurgia no coração. O laudo ressalta que Genoino precisa tomar remédios de forma controlada e fazer uma dieta específica.

Os médicos afirmaram no documento que Genoino não sofria "cardiopatia grave" - em julho ele passou por uma cirurgia no coração. O laudo ressalta que Genoino precisa tomar remédios de forma controlada e fazer uma dieta específica.

Janot citou o laudo médico, mas concluiu que o presídio não dispõe das condições necessárias para o tratamento. "No presente caso, restou demonstrado que o condenado, devido a seu histórico, idade e diagnóstico atual, precisa de atendimento médico e monitoramento específicos, com o uso rigoroso de medicação e dieta hipossódica e hipograxa", afirmou. O procurador-geral disse que, quando estava no presídio, Genoino teve pressão alta, alteração na coagu-lação e outros sintomas que o levaram à internação hospitalar. Depois disso, Barbosa autorizou apermanência do petista na casa da filha, em Brasília.

Genoino foi condenado a 6 anos e 11 meses de prisão por corrupção e formação de quadrilha. Com direito a recurso, ele pode se livrar da condenação por formação de quadrilha.

A fim de evitar a cassação de Genoino, o PT quer enfrentar o presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN) para evitar qualquer decisão do Parlamento enquanto o petista esti-verde licença. O vice-presidente da Casa, André Vargas (PT-PR), vai tentar emplacar na reunião da Mesa hoje a proposta. O partido espera apoio dos deputados Simão Sessim (PP-RJ) e Maurício QuintellaLessa (PR-AL), que são correligionários dos também condenados do mensalão Pedro Henry (PP-MT) e Valdemar Costa Neto (PR-SP).

Ex-funcionária de Valério e banqueira irão para BH

O presidente do Supremo Tribunal Federal, Joaquim Barbosa, acatou ontem pedidos das defesas da ex-presidente do Banco Rural Kátia Rabello e da ex-diretora da SMPB Simone Vasconcelos e autorizou a transferência delas para Belo Horizonte, onde residem suas famílias. A data da transferência não foi informada.

Por ordem da Vara de Execuções Penais do Distrito Federal, Kátia Rabello e Simone foram transferidas ontem para a Penitenciária Feminina do Distrito Federal (Colmeia), localizada a 40 quilômetros de Brasília. Condenadas por envolvimento no mensalão, elas estavam presas no 19° Batalhão da Polícia Militar, que fica dentro do Complexo Penitenciário da Papuda, também no Distrito Federal.

Três têm casos concluídos e já podem ser presos

Relator do processo do mensalão e presidente do Supremo Tribunal Federal, Joaquim Barbosa decretou ontem o fim do processo em relação aos ex-deputados Pedro Correa e Bispo Rodrigues e ao ex-vice-presi-dente do Banco Rural Vinicius Samarane, condenados por participação no esquema.

Barbosa rejeitou recursos dos condenados e declarou o que no jargão jurídico é conhecido como "trânsito em julgado" de um processo. Ou seja, o momento em que uma condenação se torna definitivae, portanto, deve ser iniciado o cumprimento de uma pena.

Na sexta-feira, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, havia encaminhado parece-res ao STF opinando que os recursos deveriam ser rejeitados e que os réus deveriam ser presos. Conforme Janot, os condenados não tinham direito ao recurso denominado embargo infringente. Esse recurso garante um novo julgamento para réus. Mas somente pode ser usado quando o acusado conseguiu garantir pelo menos quatro votos favoráveis à absolvição.

Pedro Correa foi condenado a 7 anos e 2 meses de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Bispo Rodrigues recebeu pena de 6 anos e 3 meses de prisão pelos mesmos crimes gestão fraudulenta.

Ontem, o procurador-geral recomendou a prisão imediata de Bispo Rodrigues.

Supremo divulga datas exatas de término das penas

As guias de recolhimento dos 11 condenados por envolvimento do mensalão que já estão presos mostram que o ex-ministro José Dirceu terminará de cumprir a pena pelo crime de corrupção em 15 de outubro de 2021. E o empresário Marcos Valério, o operador do mensalão, terá a pena concluída em 21 abril de 2051. Os documentos disponíveis no site do STF apontam a data das prisões -16 de novembro - e os cálculos de quando os condenados terão direito à progressão de regime, quando podem pedir livramento condicional e quando terminarão de cumprir as penas.

Força-tarefa do cartel pede ajuda à Inglaterra

A força-tarefa do Ministério Público Estadual, Procuradoria da República e Polícia Federal que investiga o caso Als-tom pediu cooperação da Inglaterra para repasse de informações e documentos relacionados a eventuais pagamentos de propinas no Brasil pela multinacional francesa. O pedido foi enviado a Londres em novembro, com base na Convenção da ONU contra a Corrupção - acordo de assistência legal mútua entre Estados Partes para combate a esse tipo de crime.

AAlstom é o alvo principal de investigações abertas pelo Ministério Público e pela PF em 2008. Dirigentes da companhia teriam corrompido agentes públicos da área de energianosgo-vernos do PSDB em São Paulo.

A Alstom é citadatambém como integrante de cartel metro-ferroviário que teria obtido licitações milionárias no setor de transportes das gestões tucanas entre 1998 e 2008.

O inquérito da PF atribui crimes investigados, entre eles políticos do PSDB. O inquérito já foi concluído e as provas dele decorrentes agoraforam anexadas aos autos do caso Siemens -multinacional alemã que fez acordo de leniência com o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), por meio do qual revelou a ação do cartel metroferroviário.

PMDB quer 'direito de de imagem' de Lula e Dilma na campanha

A cúpula do PMDB exige do PT o direito do uso de imagem do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e da presidente Dilma Rousseff no horário eleitoral gratuito durante as campanhas estaduais de 2014 nos até agora onze Estados onde candidatos dos dois partidos se enfrentarão nas urnas.

O tema foi abordado no encontro dos comandos dos dois partidos realizado no fim de semana em Brasília com a presença do vice-presidente da República, Michel Temer; do presidente interino do PMDB, senador Valdir Raupp (RO); além de Lula, Dilma e do presidente do PT, Rui Falcão.

Segundo Raupp, a ideia é, nos Estados onde não houver união dos dois partidos em uma coalizão formal, que os peemedebistas possam recorrer a vídeos com Lula e, Dilma feitos em eventos como inaugurações e encontros na região. "Esse modelo está sendo discuti do. Ainda não foi batido o martelo, mas é natural que seja assim. Eu mesmo na minha última campanha usei a imagem do Lula estando em palanque diferente do PT", afirmou Raupp. Ele disse que, a princípio, a imagem de Dilma e Lula não deve fazer parte do material impresso dos candidatos do partido.
O Globo

Ação da Petrobras sofre maior queda desde 2008

O reajuste de gasolina e diesel abaixo do esperado e as incertezas quanto à política de preços da Petrobras foram mal recebidos pelo mercado financeiro. As ações da estatal tiveram a maior queda diária desde 12 de novembro de 2008, auge da crise econômica internacional. Os papéis ordinários (com voto) desabaram 10,37%, a R$ 16,42, a maior baixa do pregão. As ações preferenciais recuaram 9,20%, a R$ 17,36, a segunda maior desvalorização. Em apenas um dia, a Petrobras perdeu R$ 24 bilhões em valor de mercado, o que a fez cair duas posições no ranking de maiores petroleiras da Bloomberg, superada pela russa Gazprome pela China Petroleum. O desempenho da petrolífera levou a Bovespa ao menor patamar em três meses, com queda de 2,36%, aos 51.244 pontos.

Em Nova York, os recibos de ações de papéis ordinários da petrolífera (as ADRs) caíram 10,92%, a US$ 14,20, na maior queda desde de dezembro de 2008. Na avaliação do governo, a Petrobras passou o dia de ontem sob ataque especulativo, com analistas traçando o pior cenário possível para a empresa. Fontes do governo reconhecem, no entanto, que o comunicado sobre a política de preços não foi claro. Nos bastidores, chegou-se a discutir até mesmo a divulgação de um novo fato relevante, mais enfático sobre a metodologia, mesmo sem a existência de gatilhos automáticos. A hipótese foi descartada.

Saída à vista

No momento em que tem a pior avaliação em seus sete anos de gestão, o governador do Rio, Sérgio Cabral (PMDB), anunciou ontem que vai colocar seu nome à disposição do partido para concorrer ao Senado na eleição do ano que vem e, com isso, "possivelmente" deixará o cargo em 31 de março. A avaliação dos aliados do peemedebista é que, no cenário atual, o espaço político que pode ser ocupado por Cabral é a disputa pelo cargo de senador, função que ocupava quando foi eleito governador em 2002.

Para concorrer à vaga, o peemedebis-ta tem que deixar o governo até o dia 5 de abril, seis meses antes da eleição, como prevê a lei eleitoral.

—    Os companheiros têm me estimulado muito para disputar o Senado. Possivelmente é o meu caso (a desin-compatibilização do cargo para concorrer). (Seria) 31 de março — afirmou Cabral, após a inauguração da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) do Morro Camarista Méier, na Zona Norte do Rio.

O governador afirmou que a candidatura ao Senado depende da aprovação da aliança a ser feita pelo PMDB:

—    O Senado é a Casa da Federação. Essa é uma questão que não cabe a mim, cabe, inclusive, ao conjunto de alianças de partidos. Vou colocar o meu nome à disposição (para o Senado). Então, acho que nesse período de 31 de março acontecem essas movimentações (de quem quer concorrer deixar os cargos).

Lula tenta conquistar apoio do PMDB à candidatura de Lindbergh

O ex~presidente Lula pediu que o PT não saia do governo Sérgio Cabral pelo menos até o fim desta semana, e afirmou a interlocutores do partido no Rio que ainda tenta costurar o apoio do PMDB à candidatura do senador Lindbergh Farias. Em reunião ontem, em São Paulo, com dirigentes petistas de todo o país, Lula reafirmou a candidatura de Lindbergh,  mas pediu cautela no relacio-namento com o partido aliado. A reunião entre Lula e Lind-bergh, que estava prevista para ontem, acabou sendo cancelada por causa da morte do governador de Sergipe, Marcelo Dé-da. Lula passou rapidamente no hotel onde aconteceu o encontro do PT, fez uma análise do quadro eleitoral em cada estado e embarcou para Aracaju.

Kátia e Simone transferidas para presídio feminino

A banqueira Kátia Rabello e Simone Vasconcelos, ex-diretora de uma das empresas de Marcos Valério, foram transferidas ontem do 19^ Batalhão da Polícia Militar no Complexo Penitenciário da Papuda para uma cela na Colmeia, presídio feminino do Distrito Federal. A transferência foi determinada pelos juizes da Vara de Execução Penal, que, semana passada, substituíram o juiz Ademar Vasconcelos na fiscalização do cumprimento das penas dos
condenados do mensalão.

A Colmeia abriga hoje 685 mulheres condenadas por tráfico de drogas. Pelos dados da Secretaria de Segurança Pública, mais de 60% delas foram flagradas tentando entrar na Papuda com drogas. Kátia e Simone estão em uma mesma cela de alvenaria de seis metros quadrados. A cela tem camas de cimento com colchonetes, um cano de água fria que serve como chuveiro e um vaso sanitário sem assento. As condições são bem diferentes das celas reservadas para as duas no 19e Batalhão.

Personagem de CPI e do caso Palocci é presa no DF

Operação da Polícia Civil do Distrito Federal prendeu na manhã de ontem nove suspeitos de integrar uma rede de prostituição de luxo na capital federal, entre eles leany Mary Comer, que ganhou notoriedade na época da CPI dos Correios, em 2005, acusada de fornecer garotas de programa para festas de parlamentares. O nome de Jeany Mary também foi lembrado no episódio que derrubou o ex-ministro da Fazenda Antonio Palocci.

De acordo com a chefe da Delegacia Especial de Atendimento à Mulher (Deam), delegada Ana Cristina Melo Santiago, a investigação começou há seis meses com base em denúncias de garotas que estari-am sendo agenciadas no esquema, além de denúncias de moradores sobre locais usados para prostituição. As vítimas queriam abandonar a atividade, mas sofriam ameaças para não deixar a prostituição.

A delegada disse que a operação identificou três núcleos de atuação vinculados à exploração de prostituição, sendo um deles encabeçado por Jeany Mary Comer. Outras duas mulheres são suspeitas de chefiar o esquema: Vilma Nobre e Marilene Oliveira. A polícia apreendeu na operação 24 veículos de luxo e cerca de R$ 20 mil, além de joias.

Para Fux, permitir greve de servidor público foi desatino

O    ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal (STF), disse ontem no Rio que permitir que servidores públicos façam greve foi desatino dos parlamentares constituintes e que a paralisação não tem eficácia, na medida em que os prejudicados são aqueles que dependem do serviço público. Fux falou sobre o tema depois de lembrar de seu papel de mediador na greve dos professores das redes munici-r pal e estadual do Rio. Após quase cinco horas de reuniões com representantes do estado, da prefeitura e do sindicato dos professores, o ministro conseguiu um acordo para o fim da greve.

O ministro seguiu a explanação, afirmando que a greve no sistema privado é "dificílima" Em seguida, passou a falar das paralisações no setor público:

—    Mas a questão federal, no rasgo demagógico, passou a admitir greve do servidor público. Entendo que o cidadão paga os salários do servidor e tem direito à continuidade dos serviços essenciais. Foi desatino do constituinte, foi talvez tentativa de agradar às influências que se interpuseram na Comissão de Sistematização. A greve do serviço público não tem a menor eficácia porque só prejudica aqueles que precisam do servidor, na medida em que se permite corte de salários e ponto.

Senadora vai propor nova Lei de Licitações

Uma nova Lei de Licitações, em discussão no Senado, ganhará uma proposta formal na quinta-feira, quando a senadora Kátia Abreu (PMDB-TO) deve entregar seu relatório à comissão especial destinada a reformar essas normas. A proposta, que promete provocar polêmica, é de se revogar a Lei 8.666/93 e o atual Regime Diferenciado de Contratações (RDC), para unificá-las. Outros ajustes também seriam feitos, em uma legislação a ser cumprida por União, estados e municípios.

O texto não foi bem-visto por representantes de empresários, mas segue ideias defendidas pelo governo federal. A proposta foi elaborada a partir de su-; gestões de governos, empresas e entidades de classes em busca de uma lei mais moderna e mais próxima à realidade, em que muitas das previsões legais não coriseguem evitar distorções em contratações estatais.

O projeto acabou incorporando praticamente todo o amparo legal já existente, mas cria novas opções e oferece ao gestor diversas alternativas de procedimentos licitatórios, de forma que ele possa optar por aquele mais conveniente, dependendo da ocasião. Por esse motivo — e por ter 176 artigos, contra 126 da 8.666 —, o texto tem sido chamado de "Frankenstein" por representantes de empresários.

Governo concede anistia inédita a índio brasileiro

O índio potiguar José Humberto Costa Nascimento, conhecido como Tiuré, é o primeiro indígena a obter a condição de anistiado político concedida pelo governo brasileiro. Tiuré foi monitorado, preso, torturado nos anos 70 e 80 e pediu asilo no Canadá, onde viveu durante 25 anos, entre 1985 e 2010. No final de novembro, a Comissão de Anistia reconheceu a perseguição do Estado ao indígena e, além do pedido oficial de desculpas, concedeu-lhe uma indenização, em prestação única, no valor de R$ 61 mil.

Filho de índios, Tiuré não nasceu numa aldeia, mas na cidade, no Rio Grande do Norte, e ingressou na Funai nos anos 70, onde trabalhou no Departamento de Patrimônio Indígena. Inconformado com a forma como os militares tratavam os indígenas, decidiu abandonar a fundação e seguir para a Amazônia, para defender os interesses desses povos.

Folha de S. Paulo

Câmara deve abrir processo de cassação de Genoino hoje

A maioria dos integrantes da cúpula da Câmara disse que pretende votar hoje pela abertura do processo de cassação do mandato do deputado federal licenciado José Genoino (PT-SP), preso desde o dia 15 por causa de seu envolvimento com o mensalão.

Maior bancada da Casa, o PT ameaça, nos bastidores, retaliação contra o presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), caso o processo seja aberto.

O partido irá defender na reunião de hoje da Mesa Diretora que a decisão sobre Genoino seja adiada em pelo menos 90 dias, prazo em que o deputado passará por nova avaliação médica da Câmara decorrente de seu pedido de aposentadoria por invalidez.

A intenção dos petistas é barrar a abertura do processo de perda de mandato até a Câmara conceder a aposentadoria a Genoino, o que extinguiria o risco de cassação.

Aos 67 anos, o deputado passou por uma cirurgia cardíaca em julho, mas parecer de uma junta médica da Câmara divulgado na semana passada negou seu pedido de que fosse imediatamente aposentado por invalidez.

Dos sete integrantes da Mesa Diretora, três disseram que são favoráveis à imediata abertura do processo --Alves, Maurício Quintella (PR-AL) e Fábio Faria (PSD-RN).

Barbosa deve ordenar mais três prisões hoje

O presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), Joaquim Barbosa, encerrou os processos dos ex-deputados federais Pedro Corrêa (PP-PE) e Bispo Rodrigues (então no PL-RJ, hoje no PR) e também o do ex-dirigente do Banco Rural Vinícius Samarane, que podem ser presos ainda hoje.

Após negar aos condenados os recursos conhecidos como embargos infringentes, que foram apresentados pelos três, Barbosa certificou o chamado trânsito em julgado (o fim) do processo. A consequência disso é a expedição dos mandados de prisão. O STF não informou quando os mesmos serão expedidos.

Como no caso das primeiras prisões do mensalão os mandados foram expedidos horas após a certificação do trânsito em julgado, a expectativa é que os três sejam detidos ainda hoje.

Vantagem de Dilma é menor em SP e no RJ, diz Datafolha

Confortável no plano nacional, a presidente Dilma Rousseff enfrenta uma situação muito mais apertada para a sua reeleição nos Estados de São Paulo e do Rio de Janeiro, segundo o Datafolha. A petista chega a ter até nove pontos a menos no cenário mais provável da disputa, que inclui também o senador Aécio Neves (PSDB-MG) e o governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB).

No levantamento nacional, Dilma tem 47% contra 19% de Aécio e 11% de Campos. Quando são estratificados apenas os dados para São Paulo, a petista cai para 38% --nove a menos do que na média do país. No Rio, desce para 41%.

A pesquisa foi feita nos dias 28 e 29 de novembro. As margens de erro nacional e paulista são de dois pontos, para mais ou para menos. No caso fluminense, três pontos.

Partido de Maluf troca Alckmin por Padilha

O PP do deputado federal Paulo Maluf (SP) deixou o cargo que ocupava no governo de São Paulo em um movimento de aceno ao PT no Estado, que no ano que vem irá lançar a candidatura do ministro da Saúde, Alexandre Padilha, na disputa pelo Palácio dos Bandeirantes.

No último dia 19, Antônio Carlos do Amaral Filho, presidente da CDHU (Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano), anunciou seu desligamento da companhia após um embate interno com o secretário-geral do PP, Jesse Ribeiro.

A ação foi interpretada por aliados do governador Geraldo Alckmin (PSDB) como um sinal do desembarque dos pepistas da gestão tucana e do alinhamento da sigla ao PT.

Brasil cai três posições e fica em 72º em ranking sobre corrupção

O Brasil aparece na 72ª colocação no ranking mundial de combate à corrupção que será divulgado hoje em Berlim pela ONG Transparência Internacional.

O país caiu três posições em relação a 2012 e permanece no grupo de alerta, formado por nações que não conseguem diminuir a percepção de corrupção com os anos.

Numa escala de 0 (altamente corrupto) a 100 (muito transparente), o Brasil atingiu 42 pontos, um a menos que 2012, e integra os dois terços entre os 177 países avaliados que não conseguem superar a faixa dos 50. O país empatou com São Tomé e Príncipe, Bósnia Herzegovina, Sérvia e África do Sul.

Na América Latina, está atrás de Chile, Uruguai, Costa Rica e Cuba, entre outros. Entretanto, ganha de Argentina, Venezuela, Paraguai, Bolívia e Equador. No mundo, perde para nações como Croácia, Malásia, Turquia e Gana.

Dinamarca e Nova Zelândia atingiram o melhor desempenho (91 pontos), seguidos por Finlândia, Suécia e Noruega. Empataram na última colocação Somália, Coreia do Norte e Afeganistão.

O ranking da Transparência Internacional é divulgado desde 1995 e e se baseia em dados levantados por 13 instituições internacionais, entre elas o Banco Mundial, o Fórum Econômico Mundial, o banco africano de desenvolvimento e consultorias como a ISH Global Insight, que estuda 203 países do mundo.

Justiça suspende processo contra Curió por sequestro

O Tribunal Regional Federal da 1ª Região suspendeu uma ação penal movida contra o coronel da reserva Sebastião Rodrigues Curió por crimes no combate à Guerrilha do Araguaia (1972-1975), na época da ditadura militar.

A decisão da 4ª Turma do TRF-1 é mais uma derrota do Ministério Público Federal, que ajuizou diversas ações contra ex-agentes da ditadura sob o argumento de que cometeram o crime de sequestro de militantes políticos e que, pelo fato de os corpos não terem sido encontrados, o crime continua existindo.

A ação contra o major Curió, como ele era conhecido, foi ajuizada em março de 2012 e foi a primeira dessa série de processos. Houve decisão, na primeira instância, por abertura da ação. A defesa de Curió recorreu e o TRF-1, em decisão liminar (provisória), reverteu essa decisão.

Correio Braziliense

Prostituição de luxo na capital do poder

Promessa de visibilidade, dinheiro e uma vida regada a viagens, joias e carros luxuosos levam garotas de programa a se vincularem a redes de prostituição, nas quais o principal objetivo é o enriquecimento ilícito dos aliciadores. Atraídas pelo alto preço cobrado nos encontros e pela produção profissional de fotografias e sites de divulgação, elas aceitavam se submeter à divisão dos lucros com os chefes, cafetões e cafetinas. Na lista de clientes cativos, figuram políticos e empresários, tornando a capital o cenário perfeito para a prática.

Um esquema milionário acabou desarticulado na manhã de ontem após seis meses de investigação. A Operação Red Light — em referência ao distrito de Amsterdã famoso pela atividade — resultou na prisão de nove pessoas envolvidas no aliciamento de mulheres. Entre os presos, estão o PM Alexandre Nunes dos Santos e Jeany Mary Corner, uma das chefes da organização, citada na Operação Afrodite, em 2008, e na CPI dos Correios, em 2003 (leia Perfil). A polícia identificou três núcleos criminosos interligados. O de Jeany e os de Vilma Nobre e de Marilene Oliveira.

Geovani Nunes, um dos acusados, está foragido. Além de aliciar, os 10 suspeitos ameaçavam as garotas para elas não deixarem o grupo. Algumas são casadas, e os líderes diziam que, se fosse necessário, revelariam aos maridos, aos pais e a outros familiares o trabalho como prostituta. Cada uma das mulheres negociava a porcentagem do valor do programa, que acabava nas mãos dos aliciadores. Em alguns casos, até 50% do preço era repassado.

O serviço oferecido pelos criminosos é conhecido na capital e em outras unidades da Federação, onde eles têm influência no meio político e empresarial. Os clientes pagavam caro. Apesar de as garotas contratadas atenderem diferentes públicos, o destaque ficava na clientela de luxo. Um programa com as belas moças poderia custar até R$ 10 mil. Os anúncios eram postados em sites, e os encontros ocorriam em domicílios alugados a esse fim.

Perícia em Jefferson

O Instituto Nacional do Câncer (Inca) marcou para amanhã, às 8h30, a perícia médica que avaliará o estado de saúde do ex-deputado Roberto Jefferson, condenado a 7 anos e 14 dias de cadeia em regime semiaberto. Em ofício enviado ontem para a defesa do presidente licenciado do PTB, o presidente do Supremo Tribunal Federal, Joaquim Barbosa, intima Jefferson a comparecer amanhã à sede do Inca, no Rio de Janeiro.

Por determinação de Barbosa, o Inca indicou três médicos para comporem a junta médica. O resultado da perícia, que será realizada pelos oncologistas Cristiano Guedes Duque e Carlos José Andrade, e pelo cirurgião Rafael Albagli, servirá de base para que o presidente do STF aprecie o pedido de prisão domiciliar apresentado por Jefferson, que, em 2012, foi diagnosticado com câncer no pâncreas.

A corrida do orçamento

Ao contrário de situações anteriores, quando demonstrou pouca importância com a aprovação do orçamento antes da virada do ano, desta vez o governo precisa correr contra o tempo para aprovar a peça orçamentária até 31 de dezembro. Com dificuldades na articulação política, o Executivo enfrenta o risco de ficar sem recursos para investimentos, especialmente no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), algo decisivo em período eleitoral. “O orçamento só será aprovado se a oposição concordar. E nós só concordaremos se forem fechadas algumas portas abertas para a irresponsabilidade fiscal”, afirma o deputado Mendonça Filho (DEM-PE).

Mendonça Filho lembra que um desses dispositivos foi a permissão para que o governo injete recursos indefinidamente na Conta de Desenvolvimento Energético (CDE), sem que o Congresso tenha poder para vetar ou aprovar essa suplementação orçamentária. “O governo tornou a conta deficitária após dar o desconto nas tarifas de energia para empresas e pessoas físicas. E, agora, quer cobrir o prejuízo com os recursos do Tesouro para manter seu programa eleitoreiro”, critica o deputado.

Ministra no terreno de Eduardo

Em uma ofensiva do Palácio do Planalto para tentar isolar em seu próprio quintal o presidenciável e governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB-PE), a ministra de Relações Institucionais, Ideli Salvatti, se reuniu ontem com prefeitos pernambucanos, em Gravatá, no Agreste. O afago da presidente Dilma Rousseff, que colocou técnicos de 12 ministérios para destravar obras e garantir agilidade nas ações, gerou clima de tensão. Aliados do governador aproveitaram a ocasião para criticar a gestão petista e cobrar investimentos.

Eduardo Campos foi convidado, mas não compareceu. Alegou que a agenda administrativa impossibilitou sua participação no encontro. Diante de 148 prefeitos, Ideli, que é investigada pela Comissão de Ética da Presidência por uso indevido do helicóptero do Samu, comparou o Brasil à Europa. “Hoje, estamos comemorando algo que os países europeus não podem comemorar. Temos o menor índice de desemprego de nossa história. Quando Dilma desonerou os impostos (…) era a melhor solução para enfrentar a grave crise”, afirmou.

Artilharia tucana contra Cardozo

O secretário de Energia de São Paulo, José Aníbal, se licenciará do cargo por dois dias para reassumir o mandato como deputado federal e ser a principal voz do PSDB contra o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo. O ministro estará amanhã na Câmara, em audiência conjunta das Comissões de Segurança Pública e Fiscalização e Controle, para falar sobre as investigações sobre o cartel dos trens em São Paulo. “Eu quero olhar nos olhos desse ministro e perguntar por que ele se transformou em menino de recados de um deputado estadual do PT”, disse Aníbal ao Correio. Ele assumirá o mandato no lugar do deputado Carlos Roberto (PSDB-SP).

A manobra mostra a preocupação e a artilharia pesada que o PSDB prepara contra o ministro da Justiça. Estratégias dessa natureza são utilizadas com frequência em casos de votação de projetos importantes em plenário ou em comissões. Mas a exoneração momentânea de um secretário de estado para participar exclusivamente de uma audiência pública no Congresso não é um fato corriqueiro.

Os jornais de hoje publicam as seguintes notícias destacadas ontem pelo Congresso em Foco:

PGR defende prisão domiciliar para José Genoino
Marcelo Déda morre em São Paulo aos 53 anos
Perdi um grande amigo, diz Dilma sobre Marcelo Déda

Polícia acusa Jeany Mary Corner de chefiar rede de prostituição

 

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!