Nos jornais: PSDB manobra para esvaziar prévias à prefeitura de São Paulo

Segundo O Estado de S. Paulo, cúpula do partido trabalha para transformar mecanismo em jogo de cena. Folha de S. Paulo informa que a presidenta Dilma Rousseff acelerou o repasse de verba para obra de Geraldo Alckmin

O Estado de S. Paulo

PSDB manobra para esvaziar prévias, e históricos do partido já acusam desgaste

Sem nunca ter realizado disputa interna para escolher um candidato, a cúpula do PSDB paulistano trabalha agora para transformar o mecanismo que o próprio partido apontou como o mais "democrático" em um mero jogo de cena. Nas bastidores, líderes tucanos articulam para que o vencedor da prévia, marcada para março, segure a cadeira até a entrada do ex-governador José Serra no palco como candidato. Por conta de manobras como essa, tradicionais quadros tucanos já rechaçam a condução do processo pela direção do partido no Estado.

"O PSDB vai definhar se continuar sendo apenas um clube parlamentar e uma federação de 'caciquias' estaduais. Esse papel o PMDB faz mais e melhor. Se quer se conectar com a sociedade, como seus dirigentes dizem querer, o PSDB precisa se conectar com seus filiados, para começar. As prévias em São Paulo representam um passo na direção certa", afirmou o cientista político Eduardo Graeff, secretário-geral da Presidência no governo FHC (1995-2002).

Defendida pelo governador Geraldo Alckmin há mais de oito meses como uma saída para o partido escolher o candidato, num cenário em que Serra dizia que não iria concorrer (em janeiro ele avisou aliados que estava fora da disputa), a prévia acabou se tornando um problema com a aproximação do prefeito Gilberto Kassab (PSD) do PT.

'É a falta de rumo que assola o partido tucano há alguns anos'

Um dos quadros tradicionais do PSDB, o ex-deputado Arnaldo Madeira, que foi líder do governo na Câmara no governo Fernando Henrique Cardoso e secretário da Casa Civil de Geraldo Alckmin (2003-2006), avalia que a polêmica sobre a prévia evidencia a "falta rumo no partido".

"É a falta de rumo que assola o PSDB há alguns anos, não é de agora. Esse é o fato mais notável. O partido está sem direção, está perdido nacionalmente e em lugares como São Paulo, único lugar em que o partido existe para valer", disse.

Infraestrutura precária eleva custo logístico em R$17 bi

Um estudo da Fiesp mostra que empresas brasileiras têm uma despesa anual extra de R$ 17 bilhões por causa das péssimas condições das estradas, da burocracia e do sucateamento nos portos, da falta de capacidade das ferrovias e das despesas com armazenagem. Os custos extras por causa da precariedade da infraestrutura representam quase 15% do total gasto com transporte e armazenagem. "Está muito caro produzir no Brasil", diz José Ricardo Roriz, responsável pelo estudo. Da China até o Brasil, um contêiner percorre 17 mil km, aos custo de US$ 1,2 mil (R$ 2 mil), dependendo da negociação com os armadores. Para o mesmo contêiner ir do Porto de Santos até São Paulo (77km), o custo também é de R$ 2 mil.

Áreas de baixa renda são desafio para Chalita

O mapa do eleitorado de Gabriel Chalita nas últimas duas eleições revela um padrão de votação oposto ao do PT na capital paulista. Quando concorreu a vereador, em 2008, e a deputado federal, em 2010, o atual pré-candidato do PMDB à Prefeitura teve desempenho abaixo de sua média nos extremos das zonas leste, sul e noroeste - áreas de baixa renda onde petistas colheram seus melhores resultados.

Nas duas eleições, o eleitorado de Chalita se distribuiu de forma similar. Em 2008, das 57 zonas eleitorais então existentes, obteve votação acima de sua média em 25 . Em 2010, dessas 25, 21 voltaram a aparecer no ranking dos melhores resultados (veja quadro).

O mapa indica que essas são as regiões com eleitorado mais receptivo ao discurso de Chalita, autor de livros de fundo religioso, ex-secretário estadual de Educação e ex-apresentador de programas da Rede Canção Nova, emissora de televisão ligada à Igreja Católica.

Irã se antecipa ao embargo a seu petróleo

O Irã suspendeu ontem as exportações de Petróleo para França e Grã-Bretanha, antecipando-se ao embargo europeu que começa em julho. A decisão foi anunciada depois de Teerã concordar em discutir seu programa nuclear com o Conselho de Segurança da ONU.

Longe do Anhembi, perto da Gaviões

Impedido de participar do desfile, anteontem, Lula gravou depoimento agradecendo a homenagem da Gaviões da Fiel. O vídeo foi exibido no último carro alegórico, que levava a mulher do ex-presidente, Marisa Letícia.

Uma máquina de fazer dinheiro

O executivo Eduardo Gouveia, da Multiplus, é maníaco por acumular pontos. Com baixo custo, a rede de fidelização da TAM triplicou seu valor de mercado em dois anos.

Folha de S. Paulo

Dilma acelera repasse de verba para obra de Alckmin

A presidente Dilma Rousseff mandou apressar a liberação de recursos federais que ajudarão a financiar dois dos principais projetos de infraestrutura tocados pelo governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB).

A liberação é resultado de um acordo político que eles celebraram em setembro do ano passado, quando a presidente petista e o governador tucano fizeram uma parceria para reforçar programas sociais e dar impulso a obras no Estado.

Dilma e Alckmin fizeram isso trocando afagos e elogios em cerimônias públicas, o que gerou desconforto para seus partidos. Petistas e tucanos temem ficar sem condições de atacar seus adversários na próxima vez em que se enfrentarem numa eleição.

O governo federal aceitou contribuir com R$ 1,7 bilhão dos R$ 6,5 bilhões previstos para a construção do trecho norte do Rodoanel, cerca de um quarto do orçamento total da obra. Para a hidrovia Tietê-Paraná, foram reservados pelo governo federal R$ 900 milhões, o equivalente a 60% do orçamento do projeto, estimado em R$ 1,5 bilhão.

Atraso do MEC poupa de corte cursos de ciências contábeis e administração

O Ministério da Educação demorou para concluir o processamento de dados da avaliação de ensino superior e, por isso, os cursos de ciências contábeis e administração considerados ruins vão escapar neste semestre do corte no número de vagas.

O ex-ministro Fernando Haddad anunciou em novembro a redução de cerca de 50 mil vagas nessas duas áreas e em dez cursos de saúde. As medidas deveriam entrar em vigor já neste semestre. No entanto, só os cortes de saúde (31,5 mil vagas) foram publicados no "Diário Oficial da União".

Segundo o MEC, isso é consequência da demora na análise das avaliações das instituições de ensino, o que afetou o trabalho seguinte, que seria estipular as medidas punitivas àqueles mal avaliados, isto é, com baixos conceitos segundo os parâmetros do próprio ministério.

Kassab reafirma disposição para apoiar tucano se ele for candidato

O prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab (PSD), disse anteontem, em Recife, que apoiará incondicionalmente o ex-governador José Serra (PSDB), caso ele decida se candidatar à sua sucessão. No entanto, se o tucano não se candidatar, Kassab afirmou que será "muito possível" que ele e o seu partido apoiem o candidato do PT à prefeitura de São Paulo, Fernando Haddad.

"No passado, fomos adversários, não inimigos, mas, como uma aliança se faz olhando para a frente, é muito possível que possa existir essa aliança, se os partidos assim entenderem", disse.

Serra busca estratégia para vencer rejeição

O ex-governador José Serra (PSDB) já começou a discutir com antigos colaboradores pesquisas para avaliar a viabilidade de sua candidatura à Prefeitura de São Paulo nas eleições deste ano. Com base em pesquisas qualitativas feitas com pequenos grupos de eleitores, assessores de Serra disseram que é possível reduzir os altos índices de rejeição do eleitorado que ele enfrenta hoje.

Mas isso vai depender de quanto tempo ele terá para fazer propaganda na televisão, e, portanto, da capacidade que os tucanos terão de atrair outros partidos para a campanha do ex-governador. Segundo a sondagem mais recente do Datafolha, concluída em janeiro, 33% dos eleitores de São Paulo dizem que não votariam de jeito nenhum em Serra. No cenário mais favorável para sua candidatura, ele tinha 21% das intenções de voto em janeiro.

O Globo

Romero Britto colore a Sapucaí

Estreante na elite do samba com um enredo em homenagem ao artista plástico pernambucano Romero Britto, a Renascer de Jacarepaguá abriu ontem o desfile do Grupo Especial colorindo o cinzento Sambódromo com os tons vibrantes de suas alegorias. Na esperança de permanecer entre as grandes, a escola desfilou com garra, mas teve problemas com o acabamento dos carros. Quando a Renascer entrou, operários ainda davam os últimos retoques na Passarela do Samba. Depois da novata foi a vez da tradicionalíssima Portela esquentar o público, mostrando os encontros e a magia da Bahia.

Capanema enfim será reformado

Marco da arquitetura moderna brasileira, o Palácio Gustavo Capanema, sede do Ministério da Cultura no Rio, vai entrar em obras em outubro. Será a primeira grande reforma desde a inauguração, nos anos 40. Segundo o Iphan, a obra já tem reservados R$12 milhões só este ano. O desafio será climatizar o prédio - ventilado por brise-soleil - com ar-condicionado central.

Para 55% gravidez não é planejada

Pesquisa da Fiocruz com 22 mil mulheres mostra que o planejamento familiar não é rotina: só 45% das entrevistadas, pacientes das redes pública e privada, queriam realmente engravidar. Para as 55% restantes, a gravidez veio por desinformação, descuido ou falha nos métodos contraceptivos. Cerca de 20% das mulheres percorreram mais de um hospital até conseguir vaga na hora do parto.

Correio Braziliense

Bloco dos fichas sujas cada vez aumenta mais

Outros homens públicos vão "sambar" com a lei da ficha limpa: prefeitos e governadores, por pressão social e da CGU, não devem nomear para cargos de confiança quem renunciou ou foi condenado em instância colegiada.

Consumo exige mais ações para proteger o verde

O país cresce, mas ainda não sabe o que fazer com excesso de resíduos e a demanda cada vez maior por energia.

Dia de passear no Congresso

Muita gente aproveita o feriadão para conhecer o Parlamento. As atrações não são os políticos, mas os espaços e o acervo cultural. Até amanhã, a expectativa é receber 6 mil pessoas.

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!