Nos jornais: MP denuncia juízes por venda ilegal de imóvel

Magistrados embolsaram R$ 115 mil do dinheiro de venda de sala comercial de entidade de classe em Brasília, informa Estadão

O ESTADO DE S. PAULO

 

MP denuncia juízes por venda ilegal de imóvel

O Ministério Público Federal (MPF) em Brasília denunciou criminalmente, por apropriação indébita, os juízes federais Moacir Ferreira Ramos e Solange Salgado da Silva Ramos de Vasconcelos - ex-presidentes da Associação dos Juízes Federais da 1.ª Região (Ajufer), entidade que reúne magistrados do Distrito Federal e de 13 Estados.

Ramos (presidente da associação entre 2008-2010) e Solange (presidente por dois mandatos, de 2002 a 2006) são acusados de terem vendido, em fevereiro de 2010, sem autorização de assembleia da Ajufer, a única sala comercial da entidade, no edifício Business Point, Setor de Autarquias Sul, em Brasília. O dinheiro da venda, R$ 115 mil, segundo o MPF, foi usado para abater dívidas de empréstimos que os dois magistrados tinham com a Fundação Habitacional do Exército (FHE/Poupex).

Ramos é autor de representação criminal no Supremo Tribunal Federal (STF) contra a ministra Eliana Calmon, corregedora nacional da Justiça, que o afastou liminarmente da função em novembro de 2010.

O ministro Marco Aurélio Mello, do STF, cassou a decisão de Calmon, mas, por maioria de votos, os desembargadores do TRF-1 restabeleceram a ordem de afastamento do juiz Moacir Ramos. A juíza Solange continua exercendo suas funções.

Em outra acusação, o Ministério Público Federal atribui crime de receptação a um terceiro juiz federal, Charles Renaud Frazão de Moraes, que também presidiu a Ajufer.

Perda do cargo. A denúncia criminal, protocolada em dezembro, é subscrita pelo chefe da Procuradoria Regional da República-1, Juliano Villa-Verde de Carvalho. Em dez páginas, ele descreve a ação dos juízes Moacir Ramos e Solange e requer a condenação de ambos inclusive à perda do cargo de juiz federal.

 

Maia faz viagem secreta à Europa e deixa cargo vago

O presidente da Câmara, Marco Maia (PT-RS), escondeu a realização de uma viagem para Alemanha e não repassou o cargo à primeira vice, Rose de Freitas (PMDB-ES), deixando a Casa sem comando por cinco dias nesta semana. Maia está em viagem desde domingo, dia 22, e só deve retornar a Brasília no dia 30 de janeiro. Rose foi avisada pelo Estado, ontem, de que o presidente estava fora do País e ficou revoltada. "Estou pasma."

O regimento interno da Câmara determina que quando o presidente se ausentar por 48 horas ele deve repassar o cargo ao primeiro vice. O Código de Ética da Casa, por sua vez, afirma que os deputados têm de cumprir as normas internas sob pena de responder a processo por quebra de decoro parlamentar no Conselho de Ética.

Na conversa com a reportagem, Rose manifestou estranheza com o fato. Ela lembrou ter falado com Maia na semana passada e disse que ele não a avisou de qualquer viagem.

 

Mensaleiro na ativa como deputado vira secretário de Estado

Réu no processo do mensalão no Supremo Tribunal Federal (STF) e um dos citados na investigação da máfia dos sanguessugas, Pedro Henry (PP-MT) exerce, na prática, os cargos de deputado federal e secretário estadual de Saúde de Mato Grosso. A Constituição, no inciso XVI do artigo 37, proíbe a acumulação de cargos públicos.

A Secretaria-Geral da Mesa da Câmara dos Deputados informou ontem não ter recebido ainda nenhum pedido de licença do deputado. O parlamentar, porém, tem atuado como secretário. Henry foi nomeado no dia 16 de janeiro e um ato assinado por ele foi publicado no Diário Oficial de Mato Grosso no dia 20 de janeiro. Ontem, Henry teve reuniões com o governador Silval Barbosa (PMDB-MT) e em outros órgãos da administração estadual.

O Código de Ética da Câmara determina ser um "dever fundamental" do deputado respeitar e cumprir a Constituição e cita o descumprimento deste dever e usar verbas em desacordo com os princípios fixados na Carta Magna como violações passíveis de processo por quebra de decoro parlamentar.

 

 

Desabamento no Rio mata 4 e 22 estão desaparecidos

Quatro corpos haviam sido retirados até as 21h de ontem da montanha de escombros dos três prédios que desabaram na noite de quarta-feira no centro do Rio. Vinte e duas pessoas continuavam desaparecidas. O primeiro corpo encontrado foi o de um homem de 44 anos. Ele estava abraçado a uma carteira de sala de aula. O segundo corpo, de um homem de 73 anos, foi identificado por parentes. Também foi localizado o corpo de uma mulher, não identificada. Dos seis feridos na véspera, cinco foram liberados e uma mulher submetida a cirurgia continuava internada. À medida que passavam as horas, diminuíam as esperanças dos bombeiros de encontrar alguém com vida. "As chances são muito baixas", disse o comandante da Defesa Civil, o coronel Sérgio Simões. Na noite da tragédia, ele falara de bolsões de ar que poderiam fornecer oxigênio para soterrados. O desmoronamento mudou a rotina no centro. O trânsito foi interditado e pessoas usavam máscara para se proteger da poeira. Até a noite de ontem, as causas do acidente eram desconhecidas.

 

Mercadante demite presidente do Inep

O novo ministro da Educação, Aloizio Mercadante, demitiu ontem a presidente do Inep, Malvina Tuttman. A pedagoga é a terceira presidente a deixar o instituto responsável pelo Enem desde 2009, quando o exame foi transformado em vestibular.

A saída de Malvina vem no primeiro dia útil da gestão de Mercadante e foi uma decisão direta do ministro. Foi chamada pela assessoria de imprensa da pasta como "mudança própria de uma nova gestão".

Em nota, Malvina diz que viveu intensamente o Inep e "nele aprendi com os meus colegas o valor de ser "inepiana"". Com as mudanças do Enem, o Inep, antes um órgão de pesquisas, ganhou importância.

 

Ameaça de líder do PMDB faz Planalto demitir diretor do Dnocs

A presidente Dilma Rousseff mandou demitir Elias Fernandes da diretoria do Departamento Nacional de Obras Contra as Secas (Dnocs) ao saber que o líder do PMDB, Henrique Eduardo Alves, dissera não admitir ver seu afilhado político deixar o cargo com a pecha de corrupto.

 

Renan age para manter indicado na Transpetro

Nervoso com a sinalização de que seu afilhado na presidência da Transpetro, Sérgio Machado, está na lista dos demissíveis da Petrobrás, o líder do PMDB no Senado, Renan Calheiros (AL), interrompeu as férias do ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, para criar uma frente pelo apadrinhado e apresentar seu arsenal de retaliação.

Lobão, que está nos Estados Unidos, informou que nem a presidente Dilma Rousseff nem qualquer outro integrante do governo o procurara para falar de Transpetro. Da mesma forma, o vice-presidente Michel Temer também garantiu ao líder que a Transpetro está fora do radar das "mexidas" do Planalto.

Ainda assim, o clima é de desconfiança e a única certeza é de que a eventual demissão de Machado abalaria a governabilidade no Senado. Diferentemente da Câmara, onde o governo tem aliados e votos de sobra para aprovar seus interesses e barrar os problemas criados pela minguada oposição, a maioria governista entre os senadores é estreita.

 

Veto a obras atrasa de novo a transposição

A concorrência de R$ 700 milhões para o trecho mais caro da transposição do São Francisco, suspensa anteontem, só será retomada depois de afastados indícios de direcionamento a grandes empreiteiras.

Por ora, o novo tropeço registrado na obra, que faz parte do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), já provocou mais um adiamento no cronograma oficial do governo.

A meta oficial passou de setembro de 2014 para dezembro do último ano do mandato da presidente Dilma Rousseff, informou o Ministério da Integração ontem, após ter afastado a possibilidade de novos adiamentos.

O custo do projeto de transposição é estimado em R$ 6,9 bilhões. A obra vai desviar parte das águas do rio para o semiárido de quatro Estados - Pernambuco, Ceará, Rio Grande do Norte e Paraíba - por meio de mais de 600 quilômetros de canais de concreto. O primeiro trecho entrará em testes só no final do ano.

 

Dilma ataca 'pensamento único' em Fórum Social

Ao discursar ontem no Fórum Social Temático iniciado ontem em Porto Alegre (RS), a presidente Dilma Rousseff criticou o que chamou de "pensamento único", referindo-se às ideias neoliberais que nortearam os países ocidentais em décadas passadas, e disse que o Brasil não sacrificou sua soberania por causa das pressões das agências de classificação de risco ou de grupos financeiros.

"Aqui estive em 2001. Participei quando ainda era secretária de energia do governador Olívio Dutra. Desde então, esta cidade transformou-se em referência para todos aqueles que buscavam criar uma alternativa ao desequilíbrio da situação econômica e política global. Aqui se firmou a ideia de que outro mundo é possível. Aqui estavam, como aqui hoje estão, os que não sucumbiram ao pensamento único. Mas muita coisa transformou-se. A crise virou crise real a partir de 2008. Nestes últimos 11 anos surgiram também coisas muito positivas. Na América Latina criaram-se alternativas democráticas. Em muitos países da região, entre eles o Brasil, foram criadas alternativas econômicas que reduzem a pobreza e as desigualdades sociais. Nossos países não sacrificam a soberania frente às pressões de grupos financeiros ou agências de classificação de riscos", disse ela

 

Em oito anos, índice de desemprego cai pela metade

O índice de desemprego fechou o primeiro ano da gestão de Dilma Rousseff em 6%, a metade do registrado em 2003 (12,4%), no início do governo Lula. O resultado de 2011 foi beneficiado pela queda do desemprego de 5,2% em novembro para 4,7% em dezembro, a menor taxa de toda a série histórica da Pesquisa Mensal de Emprego do IBGE. A média do ano foi de 1,4 milhão de pessoas em busca de emprego. Em 2003, eram 2,6 milhões.

 

11 milhões de trabalhadores tinham carteira assinada no ano passado

 

BC avisa que taxa de juro será de um dígito em breve

Em um texto mais direto que os anteriores, a ata da última reunião do Copom divulgada ontem explicita a preocupação com o ritmo da economia, que cresceu menos que o esperado no segundo semestre de 2011. Segundo o Banco Central, é "elevada a probabilidade" de que a taxa básica da economia, a Selic, hoje em 10,5%, siga em queda em direção ao nível de um dígito.

 

Movimentações atípicas

Levantamento do Estado mostra que, desde 2010, o mercado de juros tem movimentação atípica às vésperas de reuniões em que a decisão do Copom sobre a Selic surpreende.

 

SP tem menos homicídios

Em 2011, o Estado de São Paulo registrou 4.189 homicídios, 132 menos do que em 2010. Já os latrocínios (roubos seguidos de morte) cresceram 20,9%.

 

Irã aceita diálogo sobre programa nuclear

 

 

O GLOBO

 

Nova tragédia, velhos erros

O desabamento de três prédios na Cinelândia - que deixou quatro mortos e 22 desaparecidos, além de seis feridos em mostra que erros e negligência podem estar por trás de mais uma tragédia na cidade. No prédio de 20 andares, que ruiu sobre outros dois, estavam sendo realizadas, sem licença do Crea-RJ, duas obras de grande porte, no 3º e no 9º andares. "Eram obras irregulares, com certeza", disse o presidente da Comissão de Análise e Prevenção de Acidentes da entidade, Luiz Antonio Cosenza. Além disso, as obras não tinham licença da Secretaria de Urbanismo - obrigatória, conforme o Plano Diretor, quando reformas são realizadas no entorno de bens tombados. O prédio era vizinho do Teatro Municipal, protegido pelo Iphan. A prefeitura alega que a exigência só se aplicaria a obras que afetem a ambiência. Se confirmadas as mortes dos desaparecidos, a catástrofe da Cinelândia vai se equiparar à maior tragédia já provocada por desmoronamentos no Rio – o do Elevado Perimetral, em 1971. A polícia instaurou inquérito para apurar responsabilidades. Uma falha estrutural é, até agora, a principal hipótese para explicar o desmoronamento. Após vistoria no local, o especialista do Crea Antonio Eulálio Pedro afirmou que o desabamento pode ter sido causado pela subtração de uma viga ou de um pilar, pela corrosão da laje da cobertura ou por excesso de peso de entulho de obra. Relatos de sobreviventes reforçam as suspeitas. Um dos quatro operários da obra no 9º andar revelou que, pouco antes de os prédios caírem, ele subia pelo elevador com tijolos e areia. Uma empresária com escritório no 16º andar contou que estranhava quando o elevador parava no 3º pavimento: "Dava para ver que não tinha nenhuma parede nem as pilastras."

 

A dor da espera

Dor e desespero na Câmara dos Vereadores, onde a prefeitura montou um centro de assistência para as pessoas que procuravam notícias de parentes.

 

Omar, desaparecido

Omar Mussi, 48 anos, era especializado em Tecnologia da Informação (TI) e dava o treinamento para os funcionários da TO. Deixou mulher e filha.

 

'Mãe, não morre!'

Kelly Meneses, 28 anos, estava num curso no 6º andar. A filha deixou recado no Facebook: "Mãe, não morre, fica comigo!” Kelly está entre os desaparecidos.

 

'Nasci de novo'

"O prédio parecia estar desmanchando", disse Alexandro da Silva Santos, 31, que trabalhava numa das obras do prédio e escapou pelo elevador.

 

Sala de aula cheia no prédio que caiu

Doze dos desaparecidos estavam na sala de aula do curso de Tecnologia de Informação da TO, a dona das obras. Nos prédios havia mais de 50 empresas e escritórios de advocacia.

 

‘Vada a bordo, Cabral!'

O silêncio do governador, que só após 17 horas falou sobre a tragédia, em entrevista por telefone, provocou sátiras nas redes. Internautas brincaram que ele estava "no Canadá, com Luiza" e adaptaram o bordão italiano "vada a bordo" para provocar Cabral. Assessores disseram que ele acompanhou os fatos.

 

Dilma não aceita ameaças do PMDB e tira diretor do Dnocs

Em vez de intimidarem a presidente Dilma Rousseff, as ameaças disparadas contra o governo nos últimos dias pelo líder do PMDB na Câmara, Henrique Eduardo Alves (RN), tiveram efeito contrário ao esperado e precipitaram a demissão do diretor-geral do Departamento Nacional de Obras contra as Secas (Dnocs), Elias Fernandes Neto. A troca de comando, que Dilma determinara que fosse decidida no início de fevereiro, ocorreu nas primeiras horas da manhã de ontem e foi comunicada pela chefe da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, ao vice-presidente Michel Temer, encarregado de conduzir o processo no PMDB.

No Planalto, houve forte contrariedade com o tom do líder peemedebista de desafiar a autoridade presidencial, exposto pelo GLOBO nos últimos dias, mesmo depois de ele ter sido comunicado da decisão de substituir Elias Fernandes.

O Planalto procurava construir com o PMDB uma saída honrosa para o afilhado político de Henrique Alves.

Mas, ontem de manhã, a ordem no Planalto foi suspender as negociações.

Isso tornou ainda mais delicada a relação do PMDB com o governo. Nos bastidores, ainda é grande o grau de insatisfação dos aliados com o modo de governar da presidente.

 

Presidente da Transpetro também vai ser trocado

A presidente Dilma Rousseff está disposta a comprar outras brigas com o PMDB, mesmo depois da insatisfação do seu principal aliado com as mudanças promovidas pelo governo no Departamento Nacional de Obras Contra a Seca (Dnocs) e na Fundação Nacional da Saúde (Funasa). O Palácio do Planalto já comunicou à cúpula do PMDB a decisão de substituir o presidente da Transpetro, o peemedebista cearense Sergio Machado.

Ele está no cargo há nove anos. A alegação formal feita por Dilma é de que é preciso oxigenar a subsidiária da Petrobras controlada pelo partido.

 

PT se divide sobre ida de Pimentel ao Congresso

 

Líder do PMDB já teria dito que não quer afrontar governo

Apesar do recuo ontem do líder do PMDB, Henrique Eduardo Alves (RN), alguns líderes petistas no Congresso defendem que a presidente Dilma Rousseff determine que o ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio, Fernando Pimentel, antecipe-se a uma possível convocação da Câmara. A ideia é que ele se apresente para esclarecer as consultorias que prestou após deixar o cargo de prefeito de Belo Horizonte e que renderam mais de R$ 2 milhões em dois anos.

— O governo devia mandar logo o Pimentel ao Congresso e acabar de uma vez por todas com esse lero-lero. E isso ainda lhe daria mais autoridade para fazer o que quiser — aconselhou um dirigente petista.

 

Ancelmo Gois

O ministro da Saúde suspenderá hoje todas as 37 obras dos seis hospitais federais do Rio, com base em relatório do Tribunal de Contas. A maioria é suspeita de fraudes, as outras têm má gestão.

 

CNJ defende licitação sobre banco de dados

Após um ano de polêmicas, o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) retomou ontem as atividades de 2012.

Em uma reunião a portas fechadas com mais de quatro horas de duração, o presidente do órgão, ministro Cezar Peluso, convenceu os conselheiros de que não houve irregularidade na compra de um banco de dados por R$ 44 milhões pelo CNJ.

Os conselheiros divulgaram uma nota à imprensa dizendo que "os membros do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) declaram não ter dúvidas em relação à legalidade e/ou regularidade do processo licitatório em questão".

Em seguida, a diretora-geral do órgão, Gláucia Elaine de Paula, deu entrevista para dizer o mesmo.

 

Desemprego no país cai a 4,7%, o menor dos últimos 9 anos

 

 

FOLHA DE S. PAULO

 

Reforma pode ter derrubado prédios no Rio; mortos são 5

Uma falha estrutural causada por reformas é a principal hipótese para o desabamento de três prédios, no centro do Rio, segundo a Defesa Civil, e especialistas. A Polícia Civil abriu inquérito para investigar o caso.

O desmoronamento matou ao menos cinco pessoas e deixou seis feridos. Até a conclusão desta edição, havia 21 desaparecidos. As equipes de resgate dizem que há poucas chances de encontrar sobreviventes.

 

Ruy Castro

Região do acidente foi marcada por obras pioneiras

 

Para Dilma, ação no Pinheirinho foi uma "barbárie"

Em reunião fechada ontem com movimentos sociais em Porto Alegre, a presidente Dilma Rousseff fez críticas contundentes à reintegração de posse na área conhecida como Pinheirinho, em São José dos Campos (a 97 km de São Paulo).

A Folha ouviu seis participantes do encontro. Segundo eles, Dilma se referiu à operação da Polícia Militar paulista como "barbárie" e disse que não esperava que ocorresse dessa maneira.

Falou ainda que o modelo usado na reintegração, realizada no domingo passado, nunca será adotado pelo governo federal.

Mas, ainda segundo os espectadores da reunião, a presidente disse que o país é uma federação e que o caso estava sob responsabilidade de um Estado e do Judiciário, o que limita a atuação do governo federal.

Dilma foi cobrada sobre o assunto pelas organizações que compareceram ao encontro. Participaram da reunião lideranças do Fórum Social 2012, que acontece na capital do Rio Grande do Sul.

O evento, com mais de 800 debates e palestras, reúne movimentos sociais e partidos de esquerda.

Representantes de ONGs e ambientalistas também estiveram com a presidente.

Entre as personalidades presentes estavam o empresário Oded Grajew, o líder sem-terra João Pedro Stédile e o sociólogo português Boaventura Sousa Santos.

Alguns ministros, como Maria do Rosário (Direitos Humanos) e Mendes Ribeiro (Agricultura), também compareceram.

Fora do hotel onde ocorreu a reunião, um grupo de manifestantes protestou contra a ação da polícia em São José dos Campos. Faixas diziam: "Somos todos Pinheirinho".

 

 

Após desafio de líder do PMDB, governo demite chefe do Dnocs

O governo decidiu demitir ontem o diretor-geral do Dnocs (órgão federal de combate à seca), Elias Fernandes, após receber ameaças do PMDB, que tentava mantê-lo no cargo.

A ação também "atropelou" Fernando Bezerra Coelho (Integração Nacional), que comanda ministério ao qual o órgão é subordinado.

A demissão foi uma reação às declarações do líder do PMDB na Câmara, deputado Henrique Eduardo Alves (RN), padrinho político do diretor do Dnocs.

Em entrevista à Folha ele disse duvidar que o governo brigaria com "metade da República" e "com o maior partido do Brasil".

 

Peemedebista indica sobrinho para órgão no RN

O líder do PMDB na Câmara, deputado Henrique Eduardo Alves (RN), acomodou um sobrinho no comando do Dnocs (Departamento Nacional de Obras Contra a Seca), no RN.

Filiado ao PMDB, José Eduardo Alves Wanderley assumiu a coordenadoria por indicação do tio em 2007, quando tinha 25 anos e era universitário.

Em 2004, ele tentou cargo na Câmara Municipal de Natal, mas não se elegeu.

 

Sob controle da oligarquia nordestina, Dnocs pouco ajudou nas grandes secas

O Dnocs tem uma longa história. Foi criado em 1909, inspirado no sucesso obtido pelo "Reclamation Service", criado pelo presidente Theodore Roosevelt para áreas desérticas dos Estados Unidos.

Neste século de vida, tem muito pouco para mostrar. As obras realizadas pouco efeito tiveram nas grande secas, como as de 1915, 1919, 1932, 1942, 1951-1953, 1958, 1970 e 1979-1983.

A autarquia foi mantida sob controle absoluto da oligarquia nordestina, dos "industriais da seca", expressão popularizada por Joaquim Nabuco nos anos 1880.

O Dnocs ficou notabilizado pela construção de grandes açudes, que envolveram vultosos recursos federais. A maior parte deles está abandonada, sem canais para irrigar terras, salinizados e sem qualquer uso efetivamente econômico. E pior: sem conservação, correndo o risco de as barragens se romperem.

A criação do Dnocs fez parte de um momento da história brasileira em que o Nordeste -à época chamado de Norte- passou a ser considerado uma região problema.

Sem condições de gerar suas próprias fontes de renda, passou a depender do governo central. Esse processo começou após a trágica seca dos três setes, de 1877-1879, e seus 600 mil mortos, 4% da população brasileira de então.

 

Peluso se desculpa, e conselheiros do CNJ 'validam' licitação

Numa reunião a portas fechadas, o presidente do CNJ, Cezar Peluso, pediu desculpas aos colegas pela falta de comunicação sobre licitação feita às pressas em dezembro e colocada sob suspeita pelos integrantes do órgão.

Ao mesmo tempo, a ala anti-Peluso no CNJ (Conselho Nacional de Justiça) aceitou uma trégua e abandonou o tom crítico dos últimos dias. Os conselheiros divulgaram nota dizendo não haver "dúvidas" sobre a concorrência.

Isso ocorre depois da divulgação de um relatório do conselheiro e promotor Gilberto Martins, que apontou indícios de irregularidade na licitação de R$ 68 milhões, vencida em dezembro pela NTC, representante da Oracle.

 

Juízes são acusados de venda irregular para abater dívida

Os juízes federais Moacir Ferreira Ramos, Solange Salgado e Charles Moraes, ex-presidentes da Ajufer (Associação dos Juízes Federais da 1ª Região), foram denunciados pelo Ministério Público Federal sob acusação de amortizar empréstimos pessoais com recursos da venda irregular de sala comercial da associação.

A denúncia foi oferecida em novembro ao TRF-1 (Tribunal Regional Federal da 1ª Região). Não há decisão.

Como ao menos 17 dos 27 desembargadores do TRF-1 são associados da Ajufer, o procurador requereu a remessa dos autos para o STF. A Procuradoria pediu afastamento dos magistrados.

 

'MST' paraguaio ameaça invadir terra de brasileiros

O movimento sem-terra paraguaio ameaça invadir fazendas próximas a fronteira onde vivem 250 mil brasileiros. Há uma semana, o presidente Fernando Lugo determinou demarcação de terras na região para saber se brasileiros estão em áreas do governo.

 

Dirigente culpa 'pessoal da favela' por dano em casa

Ao verificar que casas entregues pelo Estado em Ribeirão Preto (SP) ainda tem problemas, Milton de Souza Leite, diretor da CDHU, disse que os problemas refletem o mau uso feito por moradores. "O pessoal veio da favela. Não está acostumado a viver em casa."

 

Irã nega atrito com diplomacia brasileira no atual governo

 

BC indica que taxa de juros cairá para um dígito no país
O Banco Central indicou, de modo inédito, que continuará a reduzir a taxa de juros no Brasil até chegar abaixo de 10% ao ano.
A ata do Copom afirma que existe "elevada probabilidade" de a Selic cair "para o patamar de um dígito". Na semana passada, o Banco Central reduziu a taxa para 10,5% ao ano.

 

Homicídio em SP cai, mas morte após roubo cresce
Os homicídios caíram 3,05% no Estado de São Paulo, segundo a Secretaria de Segurança Pública. Foram 4.189 registros em 2010 - ou 10,05 casos por 100 mil habitantes. A meta do governo era chegar a menos de 10 por 100 mil habitantes.

Já os latrocínios passaram de 253 casos em 2010 para 306 em 2011

 

Saúde

Com 30 mil novos casos, hanseníase caiu 15% no país no ano passado.

 

 

 

 

CORREIO BRAZILIENSE

 

Rio de angústias...

Enquanto os bombeiros procuravam vítimas sob toneladas de escombros - até ontem à noite foram confirmadas cinco mortes -, as autoridades e a população do Rio de Janeiro buscavam explicações para o desabamento de três prédios no Centro da cidade. Há suspeitas de que duas obras clandestinas em um dos edifícios provocaram a tragédia.

 

...de tristezas

Sandra Maria Ribeiro soube da morte do pai por telefone. Um bombeiro que fez o resgate do corpo deu a notícia. Cornélio Ribeiro Lopes, 73 anos, era porteiro e morava no Edifício Liberdade havia 20 anos. A atual esposa de Cornélio, Margarida, também vivia no local e ainda não foi encontrada

 

....de dúvidas

A catadora de lixo Vera Lúcia dos Santos trabalhava perto dos prédios. Ela escapou, mas o seu sobrinho Moisés Moraes Silva foi soterrado e morreu. Três mulheres que estavam com ela sumiram. Vera teme que essas pessoas também não tenham saído a tempo. Segundo a Defesa Civil, há 21 desaparecidos.

 

....de milagres

A história de Alexandro Santos, 31 anos, pode virar um filme. O pintor estava no 9º andar do Liberdade quando a estrutura ruiu. Sobreviveu porque entrou no elevador. Alexandro foi salvo após ligar do celular para um amigo. Com um sorriso no rosto e nenhum ferimento grave, ele diz que nasceu de novo.

 

O menor desemprego da história

IBGE anuncia índices recordes no país, de apenas 6% em 2011 e de 4,7% em dezembro. (Págs. 1, 9 e Visão do Correio, 12)

 

Mudou? Tudo como d’antes no Dnocs de Alves

Diretor do departamento, Elias Fernandes é demitido, mas o cargo segue sob controle de líder do PMDB.

 

Mais R$ 12 milhões desviados no TRT

Novo desvio de recursos destinados a indenizações judiciais se soma aos R$ 5,5 milhões que já haviam sido descobertos pelo tribunal. A servidora Márcia Vieira, acusada de praticar as duas fraudes, depôs na Polícia Federal e disse não ter ideia do tamanho da sangria.

 

 

 

VALOR ECONÔMICO

 

Fundos driblaram queda da bolsa e ainda bateram o CDI

Com uma estratégia basicamente conservadora, um seleto grupo de dez fundos de ações conseguiu não apenas evitar perdas com o naufrágio da bolsa, que caiu 18,1% em 2011, mas ainda superar o rendimento de 11,6% proporcionado pelo CDI. O ranking elaborado pelo economista Marcelo d'Agosto, responsável pelo blog "O Consultor Financeiro" no portal Valor, levou em conta os fundos de ações não exclusivos e com mais de dez cotistas.

Os resultados mostram que 2011 foi o ano dos papéis "defensivos", bons pagadores de dividendos, com geração de caixa estável. A liderança ficou com os fundos BB Ações Cielo e Bradesco FIA Cielo, que compraram apenas ações da credenciadora de cartões, cujos papéis subiram 53,3%. As ações de Cielo e Redecard tiveram grandes descontos em 2010 porque os investidores apostavam que a abertura da concorrência em um setor antes fechado derrubaria seu valor. Isso não ocorreu.

 

Minoritários reclamam da Petrobras

Acionistas minoritários estrangeiros da Petrobras estão preocupados em garantir que indicarão, sem interferência da empresa, um representante para o conselho de administração na assembleia geral deste ano. Há oito dias, dez grandes investidores europeus e americanos enviaram carta ao ministro Guido Mantega, presidente do conselho de administração da companhia. O motivo da carta foi a indicação e posterior eleição para o conselho de Josué Gomes da Silva, controlador da Coteminas e filho do ex-presidente da República José Alencar. Os acionistas reclamam do procedimento da Petrobras, que os levou a aprovar o nome do empresário sem todas as informações a seu respeito.

 

Ata mostra que o BC adotou 'cenário Dilma'

O Banco Central deu um claro sinal de que está disposto a concretizar o "cenário Dilma", com a taxa Selic perto de 9% ao longo de 2012. Foi isso que a ata do Copom sacramentou ontem, com uma previsão explícita sem precedentes: a taxa de juros deve ser de um dígito, dado o frágil ambiente externo. Da leitura do texto fica pelo menos uma convicção: a convergência dos juros domésticos para os padrões internacionais é um projeto de governo.

Ao fazer essa previsão, o BC recorreu a argumentos questionados por parte do mercado, como o de que a inflação em 12 meses caminha para o centro da meta em 2012 e que o juro neutro (aquele que permite o crescimento econômico sem gerar inflação) mudou de nível e é menor atualmente. "Fazer essa indicação sobre a Selic quando a projeção da inflação do próprio BC não está totalmente alinhada com o centro da meta é assumir riscos", afirma o economista-chefe do Deutsche Bank, José Faria. "Cresceu o risco de o BC ter de subir os juros antes de 2013".

 

Retomada modesta não inibe corte de juros

O pior momento da atividade econômica ficou para trás e desde novembro está em curso uma recuperação, mas o ritmo ainda é moderado, segundo analistas, não sendo obstáculo à queda da taxa de juros para a casa de um dígito - nível que a ata da reunião mais recente do Copom deixou claro que o Banco Central pretende testar.

Em Brasília, a expectativa é de que para garantir um crescimento de no mínimo 4% do Produto Interno Bruto (PIB) neste ano, como deseja a presidente Dilma Rousseff, a equipe econômica deve preparar uma série de estímulos. Seria possível oferecer esses incentivos sem descumprir a meta fiscal. Um caminho em estudo é o aumento do crédito. O governo já cobrou dos bancos públicos um empenho maior na concessão de financiamentos.

 

SDE investiga denúncias contra o Google

A Secretaria de Direito Econômico recebeu 200 páginas em manifestações do Google e do Buscapé no processo em que decidirá se há discriminação nas buscas feitas pelo Google no segmento de pesquisa de preços pela internet.

O caso promete ser uma das investigações antitruste mais importantes no Brasil envolvendo tecnologia e informação. De um lado, o Buscapé diz que passou a ser discriminado pelo Google, desde outubro, quando foi lançado o Google Shopping. O Google nega a acusação e afirma que seu sistema de buscas não privilegia empresas e segue o interesse dos usuários.

 

Porta-contêineres ficam ociosos

A redução do comércio internacional faz com que as empresas de navegação especializadas no transporte de contêineres enfrentem excesso de capacidade em relação à demanda. Essa realidade deixou ancorados nos portos, no início de janeiro, 246 navios ao redor do mundo, o equivalente a 595 mil TEUs (medida equivalente a um contêiner de 20 pés), ou 3,9% da capacidade de carga da frota mundial. Em abril, o percentual da frota ociosa pode chegar a 5,5%.

 

União Europeia retoma a ideia de acordo comercial com os Estados Unidos

 

USP busca os caminhos do pleno reconhecimento internacional

 

Microusinas domésticas

O governo prepara a regulamentação para a microgeração doméstica de energia a partir de painéis fotovoltaicos. O objetivo da medida é incentivar o uso da energia solar por meio da redução da conta de luz dos consumidores que aderirem à proposta.

 

A face do desemprego

O desemprego nas principais regiões metropolitanas encerrou o ano passado em 4,7%, menor nível da série histórica. O desemprego é maior entre as mulheres jovens, de média escolaridade e sem experiência.

 

Blog de moda vira canal de venda

Empresas como L’Oréal, Dior, Reckitt Benckiser, Droga Raia e Lojas Marisa transformam blogueiras famosas como Sophia Alckmin — filha do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin —em ferramenta de vendas para produtos de beleza e artigos de moda.

 

Negócios do pré-sal

A Ritz Engenharia planeja a construção de uma retroárea para o porto de Santos, no município do Guarujá, para atender os fornecedores de produtos e serviços à indústria do petróleo. O investimento total pode chegar a R$ 650 milhões.

 

Defesa contra os importados

O Ministério da Agricultura prepara relação de produtos agropecuários que será submetida ao Mercosul para elevação das tarifas de importação. Vinhos e frutas estariam entre as prioridades.

 

Seringueiras precoces

O Instituto Agronômico de Campinas (IAC) anunciou o desenvolvimento de seringueiras com maior produtividade. Os clones chegaram à primeira extração de látex com cinco anos — o normal são sete anos.

 

Inadimplência em queda

Sem a pressão dos fatores que impulsionaram a inadimplência no início do ano passado — inflação e juros em alta —, a desaceleração da economia e a cautela dos bancos na concessão de empréstimos devem reduzir os índices de atrasos em 2012.

 

MP cobra planos para resíduos

Ministério Público cobra de prefeituras os planos para o cumprimento da política nacional de coleta e reciclagem de resíduos sólidos, sob pena de não receberem recursos para aterros e implantação da coleta seletiva.

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!