Nos jornais: ministro do TCU isenta Dilma por compra de refinaria

Relator do processo que apura irregularidades na compra da refinaria de Pasadena pela Petrobras vai propor que os conselheiros da empresa, entre eles a hoje presidenta Dilma Rousseff, não sejam responsabilizados pelas irregularidades apuradas pelo órgão

Folha de S. Paulo

Ministro do TCU isenta Dilma por compra de refinaria

O relator do processo no TCU (Tribunal de Contas da União) que apura irregularidades na compra da refinaria de Pasadena (EUA) pela Petrobras vai propor que os conselheiros da empresa, entre eles a hoje presidente Dilma Rousseff, não sejam responsabilizados pelas irregularidades apuradas pelo órgão.

O relatório, previsto para ser votado nesta quarta-feira (23) pelo plenário do tribunal, sugere a punição de diretores da estatal por irregularidades na operação e estima prejuízos da ordem de US$ 700 milhões (R$ 1,5 bilhão).

O valor estimado não considera juros e multas.

Será a maior cobrança de valores desviados já feita pelo tribunal de contas, caso venha a ser confirmada. O documento produzido pelo relator José Jorge ainda é passível de alterações por um dos seus oito colegas de corte.

Dilma era ministra da Casa Civil do então governo Luiz Inácio Lula da Silva e presidia o Conselho de Administração da Petrobras, composto ainda por outras nove pessoas, à época da compra da refinaria.

Deputado relata propina por apoio a candidato de Campos

O deputado federal José Augusto Maia (Pros-PE) disse que recebeu e recusou oferta de "vantagem financeira" para que seu partido integrasse a coligação do candidato a governador Paulo Câmara (PSB), o escolhido pelo presidenciável Eduardo Campos para sucedê-lo em Pernambuco.

Segundo o deputado, a oferta de propina foi feita pelo presidente nacional do Pros, Eurípedes Jr., e pelo líder da bancada do PP na Câmara, Eduardo da Fonte (PE).

Todos os citados que foram ouvidos pela Folha negaram a oferta. Em Brasília, o PP e o Pros atuam em bloco que reúne 59 deputados federais.

Augusto Maia, que defendia o apoio à candidatura de Armando Monteiro (PTB) em Pernambuco e acabou destituído do comando do Pros no Estado, não quis dizer quanto teria sido oferecido, argumentando que não tem provas, mas disse que pretende informar os valores à Justiça.

PSB e políticos citados negam oferta de dinheiro

Políticos citados por José Augusto Maia e ouvidos nesta terça-feira (24) pela Folha negaram ter feito ou saberem da existência de oferta financeira ao deputado e, reservadamente, citaram que ele figura na lista de prefeitos que tiveram contas rejeitadas.

A campanha de Eduardo Campos afirmou que ele não se manifestaria sobre as citações a Paulo Câmara, candidato ao governo de Pernambuco pelo PSB, e Geraldo Júlio (PSB), prefeito de Recife.

A campanha de Paulo Câmara divulgou nota em que "refuta veementemente a acusação". "Esta não é a forma de fazer política da Frente Popular, que conta com o apoio de 21 partidos, sendo esta a maior coligação já constituída em torno de uma candidatura."

Aécio monta força-tarefa para rebater acusações

O senador Aécio Neves, candidato do PSDB à Presidência, organizou uma força-tarefa para tentar minimizar o desgaste causado pela revelação de que, no final de seu segundo mandato como governador de Minas, construiu aeroporto num terreno de parentes que foi desapropriado pelo Estado no município de Cláudio (MG).

O próprio Aécio, que tinha agenda às 16h desta terça-feira (22) em São Paulo, adiou o evento para ficar mais tempo em Minas, acompanhando a operação pessoalmente. O caso foi revelado pela Folha no domingo (20).

Os tucanos decidiram atuar em duas frentes: politicamente, vão acusar a presidente Dilma Rousseff (PT) de usar a máquina do Estado para perseguir adversários.

Lula defende investigação, mas diz que não 'enxovalha' pessoas

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva defendeu nesta terça (22) investigação sobre o aeroporto construído em área de parentes do presidenciável Aécio Neves (PSDB-MG) desapropriada pelo governo de Minas Gerais.

"Eu não sou daqueles que, de forma leviana, condena pessoas antes de investigação", disse. "Eu não sou desses que fazem coro para enxovalhar o nome das pessoas. Se há uma denúncia e tem indício de prova, que se investigue corretamente e as pessoas sejam preservadas até que tenha prova de alguma coisa."

O ex-presidente disse que, se as suspeitas não se confirmarem, é preciso punir quem levantou. "Qualquer cidadão pode encher a cara no boteco, sair com vontade de denunciar alguém e o Ministério Público vai apurar e depois ninguém pede desculpas".

Ministros rebatem críticas de Aécio ao programa Mais Médicos

Seguindo estratégia definida pelo Planalto, ministros da presidente Dilma Rousseff acusaram nesta terça-feira (22) o candidato do PSDB à Presidência, Aécio Neves, de propor, na prática, o fim do programa Mais Médicos.

"A proposta do senador tucano, de exigir que todos médicos tenham seu diploma validado para integrar o programa, na prática acaba com o Mais Médicos", afirmou o ministro da Saúde, José Arthur Chioro, à Folha.

Na última sexta-feira (18), a presidente já havia saído em defesa do programa, uma de suas principais bandeiras na campanha pela reeleição ao Planalto, depois de Aécio defender mudanças na ideia.

Dilma lidera com 38% e venceria o segundo turno, afirma Ibope

Pesquisa Ibope divulgada nesta terça-feira (22) pelo Jornal Nacional, na TV Globo, mostra a presidente Dilma Rousseff como líder da corrida presidencial com 38% das intenções de voto na simulação de primeiro turno.

Em segundo lugar aparece o senador Aécio Neves (PSDB-MG), com 22%. O ex-governador de Pernambuco Eduardo Campos (PSB) tem 8%. Todos os outros candidatos juntos somam 7%.

Segundo o Ibope, 16% votariam nulo ou em branco. Outros 9% declararam não saber em quem votar.

Dilma também lidera as simulações de segundo turno feitas pelo Ibope. Contra Aécio, a petista vence por 41% a 33%. Contra Campos, ganha por 41% a 29%.

Aécio cobra de Dilma opinião sobre prisões

A coordenação de campanha do candidato do PSDB ao Planalto, Aécio Neves, cobrou, em nota, posicionamento da presidente Dilma Rousseff (PT), que concorre à reeleição, sobre a prisão de ativistas no Rio por suposto envolvimento deles em protestos violentos desde 2013.

A nota, assinada pela coligação Muda Brasil, diz que, "após investigação que durou sete meses, [a polícia] prendeu líderes de manifestações violentas, que atacavam policiais e promoviam a destruição de patrimônio público".

Manifestantes presos em SP viram réus

A Justiça aceitou denúncia do Ministério Público contra os manifestantes Fábio Hideki Harano e Rafael Lusvarghi, presos sob suspeita de participação em protestos violentos em junho, durante a Copa.

Desde a segunda (21) eles são réus em processo sob a acusação de associação criminosa, incitação ao crime e outros. Em caso de condenação, a soma das penas pode ultrapassar quatro anos de prisão.

Ambos negam as acusações. O advogado de Harano, Luiz Eduardo Greenhalgh, disse que um recurso pedindo a absolvição sumária do manifestante, que é funcionário da USP, será apresentado nos próximos dias.

Carona a ativista pode levar deputada a ação por quebra de decoro

A deputada estadual Janira Rocha (PSOL-RJ) poderá responder por quebra de decoro parlamentar e ser investigada sob a suspeita de ter facilitado a fuga da advogada Eloisa Samy, 45.

Samy está entre as 23 pessoas denunciadas à Justiça sob a acusação de planejar e participar de protestos violentos no Rio e de formação de quadrilha armada. Cinco deles estão presos; a advogada e outros 17 manifestantes são considerados foragidos.

Na segunda (21), Samy e os ativistas David Paixão, 18, de quem é representante legal, e Camila Nascimento, 19, pediram asilo político no Consulado Geral do Uruguai, na zona sul do Rio. Paixão e Nascimento não estão entre os manifestantes denunciados.

O Estado de S. Paulo

Ibope/Estado/Rede Globo: Dilma venceria eleição no segundo turno

Candidatos somam mais de 34 mil km em viagens

Avaliação do governo Dilma se mantém estável, mas desejo de mudança aumenta

Aécio defende obra, mas não diz se usou aeroporto em Minas

Procuradoria-geral Eleitoral pede multa contra Aloysio Nunes

Dilma vai à rua, marca três eventos públicos e reage a "Aezão" no Rio

Relator isenta Dilma no caso Pasadena

O Globo

Ibope: Dilma Rousseff tem 38%, Aécio Neves 22% e Eduardo Campos 8%

A pesquisa Ibope/Rede Globo divulgada nesta terça-feira mostrou um cenário de estabilidade na corrida eleitoral. Segundo o levantamento, a presidente Dilma Rousseff tem 38% das intenções de voto para as eleições de outubro; o candidato do PSDB, Aécio Neves, aparece com 22%; e o ex-governador Eduardo Campos, do PSB, com 8%. No levantamento anterior, de 15 de junho, Dilma tinha 39%; Aécio, 21%; e Campos, 10%. As mudanças ocorreram dentro da margem de erro de dois pontos para mais ou menos.

O levantamento diverge do Datafolha em relação aos cenários de segundo turno. Semana passada, sondagem do Datafolha mostrou um empate técnico entre Dilma e Aécio, no caso de um confronto direto entre os dois. Já o Ibope desta terça expôs um quadro no qual a presidente derrota o tucano por 41% a 33%. Nesse caso, votos em branco e nulos somam 18%, e 8% não quiseram ou não souberam responder.

Num eventual segundo turno contra Campos, Dilma tem 41% e o socialista, 29%. Votos em branco e nulos somam 20% e indecisos, 10%.

Candidata ao governo do Paraná, Gleisi Hoffmann faz uso político da cota de importação

Após a candidata do PT ao governo do Paraná, Gleisi Hoffmann, procurar o Palácio do Planalto e o Ministério da Fazenda, o governo voltou atrás e suspendeu, ontem, os efeitos da Portaria 307, publicada segunda-feira no Diário Oficial da União, que reduziu de US$ 300 para US$ 150 a cota de importação de produtos nas fronteiras terrestres do país. Gleisi alardeou nas redes sociais ter influenciado a decisão do governo e disse ter sido incumbida pelo Planalto de transmitir a decisão ao presidente do Paraguai, Horácio Cartes.

Pressionada por lideranças locais e assustada com a forte repercussão da medida no Paraguai, onde se encontrava ontem, a candidata disse ter telefonado, logo pela manhã, à Casa Civil da Presidência — da qual já foi titular — e para o Ministério da Fazenda. Horas depois, os dois órgãos confirmaram publicamente a revogação.

Ibope: avaliação positiva do governo Dilma mantém-se estável em 31%

A avaliação positiva do governo da presidente Dilma Rousseff manteve-se estável com 31%, segundo pesquisa Ibope divulgada na noite desta terça-feira. O percentual de "ótimo e bom" é o mesmo da pesquisa feita em junho, mas é menor do que os 35% registrados em maio. O levantamento foi feito sob encomenda da TV Globo e do jornal "O Estado de S. Paulo".

Entre os entrevistados, 36% consideram o governo Dilma como "regular". Na pesquisa anterior, de junho, eram 34%. Em maio, 30%.
A gestão Dilma é avaliada como "ruim" ou "péssima" por 33% dos entrevistados, mesmo percentual dos dois levantamentos anteriores, de maio e junho.
A margem de erro da pesquisa é de dois pontos percentuais para mais ou para menos e o nível de confiança é de 95%.

PT pede que PGR investigue aeroporto construído no governo de Aécio

O Partido dos Trabalhadores (PT) pediu nesta terça-feira à Procuradoria Geral da República (PGR) que instaure inquéritos civil, público e criminal para investigar se o senador Aécio Neves (MG), candidato do PSDB à presidência, usou irregularmente recursos públicos para construir um aeródromo em propriedade que pertenceu a seu tio-avô Múcio Guimarães Tolentino. O pedido cita uma reportagem da “Folha de S. Paulo” do último dia 20, e pede mais explicações sobre o aeroporto construído na gestão de Aécio enquanto governador de Minas Gerais. É pedido ainda que a PGR verifique se o aeroporto opera com autorização da Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC).

Dilma reúne presidentes de partidos aliados para discutir campanha

A presidente Dilma Rousseff realizou nesta terça-feira a primeira reunião ampliada da campanha à reeleição, com os presidentes dos nove partidos da coligação. O vice-presidente da República e do PMDB, Michel Temer, afirmou que esses encontros serão semanais para discutir agenda e estratégia de campanha. Segundo Temer, o clima da reunião desta noite, no Palácio da Alvorada, foi de “otimismo”.

— A reunião foi marcada por profundo otimismo. Embora tenhamos um grande tempo de televisão (no horário eleitoral gratuito), não será suficiente para mostrar o que fizemos (no governo) — disse Temer, na saída da reunião, que durou cerca de três horas.

Apesar do crescimento fraco do país e da pressão inflacionária, Temer afirmou que o clima de otimismo se estendeu para a análise do cenário econômico:

— Se não tivermos um PIB (Produto Interno Bruto) extraordinário em relação a outros países, também não será negativo.

Correio Braziliense

Cargo de deputado no DF é o mais cobiçado do país

Reajustes de planos de saúde chegam a 73%

Carestia - Inflação cai, mas ainda supera meta

Manifestações - Deputada nega ter acobertado fuga

Assine a Revista Congresso em Foco em versão digital ou impressa

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!