Nos jornais: Evangélicos miram comissões com poder de barrar temas sensíveis a igrejas

Presença do deputado Pastor Marco Feliciano (PSC-SP) na Comissão de Direitos Humanos do Câmara faz parte de uma estratégia mais ampla da frente evangélica, informa O Estado de S. Paulo. Correio Braziliense destaca que Câmara prepara corte de horas extras

O Estado de S. Paulo

Evangélicos miram comissões que têm poder de barrar temas sensíveis a igrejas

A presença do pastor Marco Feliciano (PSG-SP) na presidência da Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara não é um fato isolado. Faz parte de uma estratégia mais ampla da Frente Parlamentar Evangélica, que reúne 68 deputados. Ela tem direcionado forças para as comissões que tratam das reivindicações dos gays por direitos iguais aos dos outros grupos da sociedade, da flexibilização das nor-ínas sobre aborto e de políticas sobre drogas.

Os atritos com grupos de direitos civis, movimentos de direitos humanos, pró-aborto e em defesa da laicização do Estado só tendem a intensificar nas comissões que tratam desses temas. Desde o início do ano, a frente ocupa 18 das 72 cadeiras da Comissão de Seguridade Social e Família, cuja atribuição é analisar projetos ligados à saúde pública, como consumo de drogas e bebida alcoólica por jovens, e à família, como aborto e proteção à criança. Do grupo evangélico, seis são titulares na comissão e os outros 12, suplentes.

De cada 7 deputados, 1 faz parte da bancada

Um em cada sete deputados faz parte da bancada evangélica - registrada oficialmente na Câmara como Frente Parlamentar Evangélica. Segundo dados do grupo, 68 dos 543 parlamentares da Casa integram o bloco.

Os partidos com maior participação na frente são o PR, o PSC e o PRB. Quase metade das bancadas dessas três siglas somadas é composta de integrantes do grupo religioso.

Onze dos 34 deputados do PR com assento na Câmara estão inscritos na frente, incluindo o líder do partido na casa, Anthony Garotinho (RJ). A legenda agrega um grande número de evangélicos não pentecostais -oriundos principalmente das , Igrejas Batista e Presbiteriana, que são denominações de formação mais antigas, conhecidas como históricas.

‘Nossa atuação é política, não religiosa’, diz deputado

Em entrevista ao Estado, o coordenador da Frente Parlamentar Evangélica, deputado João Campos (PSDB-GO), disse que o grupo tem procurado concentrar as atenções em temas que considera prioritários e ampliar o leque de alianças.

Qual o critério que a frente usa para atuar nas comissões?

Elencamos os temas que consideramos prioritários e damos atenção especial a eles nas comissões. Nossas prioridades envolvem questões éticas, valores, aborto, família, direitos civis, drogas. Temos um grupo especialmente dedicado à questão das drogas, um assunto que nos sensibiliza muito e para o qual as igrejas evangélicas têm ofertado uma grande contribuição. Estamos trabalhando para aprovar nos próximos dias um projeto nessa área.

Brasil resiste a exigências dos EUA e fim de vistos atrasa

Apesar da vontade política do presidente Barack Ofeama, a inclusão do Brasil no programa de isenção de vistos dos Estados Unidos ainda esbarra na recusa de autoridades brasileiras em cumprir quase todas as exigências do governo norte-americano. Ainda nesta semana o governo deve bater o martelo se aceita ou não entrar no programa de pré-aprovação, que beneficiaria inicialmente cerca de 5 mil pessoas.

Relatório da primeira reunião de trabalho realizada no fim do ano passado, entre autoridades dos dois países, revela que, das sete imposições para que cidadãos brasileiros viajem para os Estados Unidos sem a necessidade de visto, só há acordo quanto à reciprocidade e as revisões, periódicas de procedimentos.

Dirceu roda mais de 14 mil km para afirmar inocência

Condenado a dez anos e dez meses de prisão no julgamento do mensalão, o ex-ministro José Dirceu já percorreu mais de 14 mil quilômetros para bradar sua inocência pelo País. Desde novembro, quando o tamanho de sua pena foi definido pelo Supremo Tribunal Federal, Dirceu foi a 16 cidades, em 14 Estados. Na média, o pe-tista participou de mais de um ato de desagravo por semana.

A decisão de rodar o Brasil para se defender da alcunha de chefe da quadrilha do mensalão veio com a hesitação do PT em se mobilizar mais firmemente a seu favor. Abandonado pela cúpula pe-tista, que preferiu dar o assunto por encerrado, o ex-ministro se voltou para as bases do partido para fazer, como ele costuma dizer, "o julgamento do julgamento" e denunciar o suposto caráter político da sua condenação.

PF investiga contratação de ONG por favorito de Dilma

A Polícia Federal abriu inquérito para investigar a contratação, sem concorrência, de uma organização sem fins lucrativos por R$ 32,7 milhões pela Empresa de Planejamento e Logística (EPL), comandada por Bernardo Figueiredo. Um dos integrantes do governo mais próximos da presidente Dilma Rousseff, o presidente da estatal autorizou a contratação do Centro de Pesquisas Avançadas Wernher Von Braun para desenvolver um padrão tecnológico para o monitoramento de cargas e passageiros nas rodovias, ferrovias e hidrovias.

A contratação da ONG foi feita sem aprovação do Conselho de Administração (Consad) da EPL, que tem como obrigação acompanhar os trabalhos daem-i presa. O conselho é formado por integrantes de outras pastas da Esplanada, entre eles o secretário executivo do Ministério dos Transportes, Miguel Masella, e a chefe de gabinete do ministro Paulo Passos, Nélida Madela.

Opção precoce por Aécio rompe tradição tucana

Nunca antes na história deste país o PSDB lançou uma candidatura à Presidência da República com tanta antecedência. Em dezembro, faltando um ano e dez meses para as eleições, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso afirmou que o senador Aécio Neves (MG) seria o nome tucano para a corrida presidencial de 2014. Assim, o PSDB deixou para trás o histórico de adiar ao máximo essa decisão.

O motivo para postergar o anúncio de quem seria o candidato da sigla costuma ser o mesmo, eleição após eleição: afalta de consenso em tomo de um único nome. Aliar as ambições pessoais e os interesses partidários não foi tarefa fácil no ninho tucano nos últimos anos.

No Angelus, papa fala em perdão e vai aos fiéis

O papa Francisco comoveu e entusiasmou uma multidão de mais de 150 mil pessoas que, segundo a Rádio Vaticano, rezaram com ele o tradicional Angelus de meio-dia de domingo. "Deus não se cansa de perdoar, nós é que nos cansamos de pedir perdão", disse o papa, repetindo essas palavras várias vezes em sua catequese ou reflexão sobre o trecho do Evangelho que ontem narrava o episódio da mulher adúltera, perdoada por Jesus enquanto os escribas e fariseus diziam que, de acordo com a lei de Moisés, ela tinha de ser apedrejada.

Agenda fraca marca visita

A agenda da presidente em Roma pode se limitar a uma foto com o papa e a compromissos inexpressivos.

Trabalho para a segurança

Em uma das entradas do Vaticano, o papa Francisco se dirigiu ontem aos fiéis, cumprimentando-os com informalidade.

Indústria deve investir menos

Apesar de todos os esforços do governo, a indústria brasileira de transformação não ganhou confiança para desengavetar novos projetos de investimento em 2013. Ao contrário, o setor pretende investir este ano 9,5% menos que em 2012. O valor deverá cair de R$ 218 bilhões para R$ 197,3 bilhões, de acordo com uma pesquisa de intenção de investimento que acaba de ser tabulada pela Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp). Para chegar a esses números, a entidade ouviu mais de 1,2 mil empresas com fábricas em todo o País, entre os dias 22 de janeiro e 23 de fevereiro deste ano.

A disputa das gigantes do setor lácteo

Após comprar metade da Itambé, a Vigor aposta em seu crescimento. “Queremos ser a maior empresa de lácteos do País e uma das maiores em alimentos”, diz o presidente, Gilberto Xandó.

Correio Braziliense

Câmara corta horas extras

A mesa diretora da Câmara dos Deputados prepara para esta semana uma resolução que vai alterar o controle de presença dos funcionários e permitir economia para os cofres públicos. Para reduzir até a metade o gasto com horas extras noturnas — que custaram R$ 44,4 milhões em 2012, como apontou o Correio em fevereiro —, todos os servidores, efetivos ou não, serão obrigados a utilizar o ponto eletrônico e terão um banco de horas.

A ideia é garantir que apenas quem trabalha mais de 40 horas semanais receba a remuneração extra nos dias em que a sessão se prolongar. A medida vai evitar que servidores burlem o sistema e recebam por horas extras não trabalhadas. A iniciativa, porém, não atinge os secretários parlamentares que têm base nos estados, situação em que há o maior número de funcionários fantasmas.

Dilma define espaço do PR de olho em 2014

A presidente Dilma Rousseff deve definir esta semana o espaço que o PR vai ganhar no governo, pela minirreforma ministerial iniciada na sexta-feira. A principal dificuldade é o racha no próprio partido, que já chegou a vetar um nome avaliado pela presidente e segue impondo dificuldades a um entendimento. Para Dilma, o cortejo à legenda significa afastá-la da órbita do governador de Pernambuco e potencial candidato ao Palácio do Planalto, Eduardo Campos (PSB), além de garantir mais tempo de televisão na campanha de 2014. Como no caso do novo ministro do Trabalho, Manoel Dias (PDT), a presidente deve levar de volta ao governo um grupo afastado durante a “faxina” de 2011.

Brizola Neto cai e fica isolado no PDT

Defenestrado do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) pela presidente Dilma Rousseff na sexta-feira, o ex-ministro Brizola Neto sofreu ontem outra derrota política: o grupo alinhado a ele não conseguiu protocolar candidatura à presidência do PDT e vai recorrer à Justiça. Até as 18h de ontem, prazo para a inscrição de chapas, seus aliados não conseguiram o número mínimo de assinaturas exigidas pelo estatuto da legenda.

Um dia para os eleitores

Em viagem a Roma, a presidente Dilma Rousseff congelou a agenda política no Brasil e as negociações para a corrida eleitoral de 2014, enquanto potenciais adversários dedicaram tempo para fazer negociações e criticar o governo petista. Marina Silva (sem partido) e Eduardo Campos (PSB) aproveitaram o domingo para o contato com os eleitores. Marina passou o fim de semana no Rio coletando assinaturas para formar o Rede Sustentabilidade. Campos lançou programa do governo de Pernambuco e disse que o país precisa de “renovação”.

Os movimentos de um senador

Com o peso de ex-presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), o senador Armando Monteiro (PTB-PE) atua nos bastidores como interlocutor de Eduardo Campos, provável candidato do PSB à Presidência, junto a empresários. Aliados do socialista não consideram o petebista figura fundamental quando o assunto é capitalizar para uma possível campanha ao Planalto. Mas afirmam que o apoio de Monteiro, personagem conhecido na política e na economia pernambucana, tem importância. Em troca, o senador espera ser ungido na disputa pelo governo do estado, em 2014.

Papa desperta a fé de jovens católicos

A Praça de São Pedro, o coração da Igreja Católica, voltou a ter ontem uma agitada manhã de domingo, após dois fins de semana consecutivos de sede vacante. O novo papa reuniu milhares de pessoas para rezarem juntos o Ângelus, pontualmente ao meio-dia. A tradicional oração, a primeira presidida por Francisco, deixou extasiada a multidão que ficou até quatro horas em pé para ouvir o pontífice por 12 minutos.

Por detrás de cortinas brancas, ele surgiu numa das janelas do Palácio Apostólico sorridente e acenando para o povo. “Irmãos e irmãs, bom dia”, saudou, para delírio de quem começou a encher a Praça perto das 8h. Com voz mansa e, mais uma vez, revezando o texto pronto com o discurso de improviso, Francisco se disse feliz por estar ali.

Máfia do sexo mata 20 brasileiras por ano

Contada na edição de ontem do Correio, a história de Letícia Peres Mourão é incomum, porque foi um dos raros casos de mulher escravizada na Europa que teve a coragem denunciar seus agressores. No entanto, muitas brasileiras tiveram um fim trágico como o dela. Aos 31 anos, Letícia morreu com um tiro na cabeça, no Guará, em 2008. Tantas outras foram assassinadas sem sequer conseguir voltar à terra natal. Goianas, como ela, são as maiores vítimas das máfias da prostituição internacional.

Em média, 20 brasileiras são assassinadas anualmente no exterior em consequência da exploração sexual. Somente em 2012, sete goianas fizeram parte dessa estatística. E foi o ano com o menor número de vítimas no século. O estado já chegou a perder 20 cidadãs assassinadas por conta da atividade em um ano. Outras 18 desapareceram a cada 12 meses, em média. Os números são da Secretaria de Assuntos Internacionais do Governo de Goiás, órgão encarregado de dar assistência aos goianos no exterior e as suas famílias no Brasil.

IR: Para sossegar de vez o leão

O declarante inexperiente se espanta com as minúcias. Em muitos casos, a declaração simplificada compensa.

Brasil tenta estancar lavagem de dinheiro

As lacunas de legislação e as falhas no combate à lavagem de dinheiro e ao financiamento do terrorismo podem levar o Brasil a um vexame. A situação do país será analisada em junho pelo Grupo de Ação Financeira Internacional (Gafi), um organismo intergovernamental com poderes para minar a credibilidade dos países vulneráveis a tais crimes. Diante da possibilidade de levar um puxão de orelhas ou até mesmo sofrer punições, o governo acionou os órgãos responsáveis pela prevenção à lavagem de dinheiro para tomarem medidas emergenciais. A Agência Brasileira de Inteligência (Abin) começou a fazer uma avaliação de risco para identificar e sanar as principais suscetibilidades, e o Ministério da Justiça não descarta implantar ações até junho. No ano passado, a Turquia teve que fazer mudanças na lei de última hora para escapar de punições.

Folha de S. Paulo

Grupo educacional faturou R$ 14 mi na gestão Chalita

Suspeito de ter pago parte da reforma do apartamento do deputado federal Gabriel Chalita (PMDB-SP), o grupo educacional COC vendeu R$ 9,1 milhões em softwares para a Secretaria da Educação do Estado de São Paulo na época em que Chalita era o titular da pasta, entre 2002 e 2006. Atualizadas pela inflação, essas vendas somam R$ 14,1 milhões. Todas contratadas sem licitação.

As transações foram feitas por empresas do grupo COC, do empresário Chaim Zaher, que é investigado sob a acusação de ter gasto US$ 600 mil na reforma de um apartamento de Chalita, em 2005, de ter dado presentes e bancado deslocamentos de helicóptero do agora deputado.

Deputado, COC e FDE dizem que seguiram a lei

O deputado federal Gabriel Chalita (PMDB-SP) disse em nota que a Fundação para o Desenvolvimento da Educação (FDE) é um órgão "independente da Secretaria da Educação e possui um quadro de funcionários altamente qualificado e que, ao comprar softwares educacionais, averiguou questões como qualidade e preço".

Promessas de Haddad já somam R$ 13,9 bilhões

Desde que assumiu a prefeitura, há 77 dias, o prefeito Fernando Haddad (PT) e seus secretários anunciaram 13 medidas que custarão ao menos R$ 13,9 bilhões para ser colocadas em prática.

As medidas anunciadas incluem promessas de campanha e novos projetos. As promessas englobam a construção de unidades hospitalares, incentivos financeiros a empresários que construírem creches, o Bilhete Único Mensal, entre outras.

Por dia, são cerca de R$ 180 milhões em promessas desde 1º de janeiro. Para arcar com os custos, além do dinheiro do caixa do município, a prefeitura pretende recorrer a verba dos governos estadual, federal (em ao menos 5 iniciativas) e de empresas, por meio de parcerias público-privadas.

Em PE, governo Eduardo Campos sufoca oposição

Reduzida a uma meia dúzia de deputados, a oposição ao governador Eduardo Campos (PSB) na Assembleia de Pernambuco adotou a estratégia de blitze para caçar vidraças do presidenciável.

O problema é que, além de desidratado, esse grupo de parlamentares tem sido barrado na busca por falhas na administração do Estado.

No fim de fevereiro, os deputados não puderam entrar nas obras inacabadas do complexo prisional de Itaquitinga, na zona da mata, sob a justificativa de se tratar de um empreendimento particular feito por meio de uma parceria público-privada (PPP).

Deputados do PT preferem silêncio na Assembléia

O abalo da relação com o PSB e a possibilidade de rompimento formal -caso o governador Eduardo Campos dispute a Presidência contra Dilma Rousseff- levaram o PT para cima do muro no Legislativo de Pernambuco.

Oficialmente, o PT integra a base governista. Seus deputados têm votado com o governo. Os petistas, porém, não estão mais usando a tribuna para defender a gestão, como faziam antes. Preferem o silêncio.

Perda de royalties do petróleo põe em risco finanças do RJ

Confirmada a queda nas receitas dos royalties do petróleo, o governo do Rio de Janeiro enfrentará dificuldades na obtenção de financiamento para investimentos no Estado, afirmam especialistas em contas públicas.

Após ajuste fiscal, o Rio aumentou a sua capacidade de endividamento nos primeiros anos da gestão Sérgio Cabral (PMDB). Mas a redução das receitas poderá dificultar a tomada de empréstimos pelo Estado.

Ciclo de debates marca lançamento de centro da Columbia no Rio

Uma série de simpósios que serão realizados de hoje a quarta-feira, no Rio de Janeiro, e que trata de temas como educação, inovação tecnológica e liberdade de expressão, marcará o lançamento do primeiro centro de pesquisas da Universidade Columbia (EUA) no Brasil.

"A ideia é mostrar, de forma muito resumida, a variedade de áreas de ensino e de pesquisa que temos", diz Thomas J. Trebat, diretor da filial carioca do Columbia Global Centers -a oitava unidade espalhada pelo mundo.

Renan envia para procurador petição contra desafetos

O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), mandou à Procuradoria-Geral da República (PGR) petição contra os senadores Randolfe Rodrigues (PSOL-AP) e João Capiberibe (PSB-AP). Randolfe e Capiberibe foram contra a eleição de Renan à presidência da Casa. Randolfe se lançou ao cargo, mas desistiu para apoiar Pedro Taques (PDT-MT).

Na gestão de Renan, que começou no mês passado, o Senado já aprovou requerimento para investigar o procurador-geral, Roberto Gurgel, que denunciou o peemedebista pouco antes da eleição à presidência da Casa.

A petição foi entregue pelo ex-presidente da Assembleia Legislativa do Amapá Fran Júnior. Segundo ele, o então governador João Capiberibe pagou, em 1999 e 2000, "mensalão" de R$ 20 mil para todos os deputados estaduais em troca de apoio político e da aprovação de suas contas pelo Legislativo. A compra de apoio teria continuado na gestão de Fran.

Senadores criticam o ex-presidente da Assembleia do AP

O senador Randolfe Rodrigues (PSOL-PA) afirmou que não recebeu mensalão quando era deputado estadual e que o recibo anexado à petição ao Congresso é falso. "Não descarto que seja minha a assinatura. O que não bate é que nunca existiu aquele recibo de R$ 20 mil", disse.

O senador João Capiberibe também negou o mensalão. "É uma coisa estranha ele assumir que cometeu um crime", disse, pelo fato de os supostos pagamentos terem sido na gestão de Fran como presidente da Assembleia. "São documentos absolutamente falsos."

Papa fala sobre misericórdia em bênção

Em seu primeiro Ângelus (bênção dominical), o papa Francisco disse ontem que os católicos não devem se cansar de pedir perdão e que o sentimento de misericórdia pode mudar o mundo.

Ele falou de sua janela para cerca de 150 mil pessoas, de acordo com a Santa Sé. A praça de São Pedro ficou lotada, e milhares tiveram de assistir à bênção em telões em uma avenida do Vaticano.

"Misericórdia... esta palavra muda tudo. É o melhor que nós podemos sentir. Muda o mundo. Um pouco de misericórdia faz o mundo menos frio e mais justo", disse.

Francisco terá de enfrentar Cúria se quiser arejar igreja

Professor de ética e filosofia na Unicamp e doutor em filosofia pela Escola de Altos Estudos em Ciências Sociais de Paris, Roberto Romano considera que Jorge Mario Bergoglio, o papa Francisco, tem credenciais de sobra para enfrentar os dilemas da igreja num mundo multicultural, globalizado, acossado pelos avanços da ciência, cada vez mais dessacralizado.

Segundo Romano, a Companhia de Jesus, ordem fundada por Inácio de Loyola no século 16, de onde provém o atual papa, é a que mais dialoga com os desafios da modernidade. "Eles estudam, estudam, estudam, debatem com pesquisadores laicos do mundo todo para saber como reafirmar da melhor forma os princípios da igreja".

13% dos fundos cortam aplicação inicial

Este ano começou com 13% dos fundos de varejo do país, voltados ao pequeno investidor, cobrando menos pela aplicação inicial.

Ao longo de 2012, 75 produtos -sendo 73% de renda fixa e DI, cuja rentabilidade mais sofre no cenário atual de juros baixos- diminuíram o valor exigido para o primeiro aporte. Em 2013, não houve reduções até fevereiro.

Os dados são de um levantamento da Anbima (Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais) feito para a Folha.

Resposta a resgate no Chipre preocupa países da zona do euro

A decisão dos ministros da zona do euro de aplicar impostos a todos os depósitos privados no Chipre em troca de um resgate financeiro de € 10 bilhões provocou temores de que a corrida aos bancos para retirar dinheiro durante o fim de semana se espalhe para outros países em crise na região, como a Espanha e a Itália.

Um acordo de emergência feito no sábado em Bruxelas prevê uma taxa de 9,9% sobre os depósitos de mais de € 100 mil e de 6,75% para os inferiores a esse valor -ou seja, os bancos confiscarão dinheiro diretamente da população para pagar a dívida do pacote de ajuda.

O Globo

Sem royalties, Rio bate no teto do endividamento

Com a possível redução da receita com os royalties provenientes da exploração do petróleo, o Rio poderá estourar o teto legal para seu endividamento já em 2013. É o que aponta estudo realizado pelo economista da Fundação Getulio Vargas (FGV) Gabriel Leal de Barros, a pedido do GLOBO, e que mostra que a perda estimada de R$ 4,1 bilhões na receita causará piora significativa do indicador de endividamento do Estado. A taxa passará de 1,7, em 2012, para 1,9 vez neste ano, quando devem entrar em vigor as novas regras de distribuição dos royalties do petróleo.

Esse novo modelo de partilha dos recursos ainda depende de análise do Supremo Tribunal Federal (STF), que vai julgar as ações diretas de inconstitucionalidade (Adins) impetradas na sexta-feira pelos estados produtores - que não aceitaram a derrubada dos vetos da presidente Dilma Rousseff pelo Congresso Nacional.

O papa ao alcance da mão

A constante quebra de protocolo do Papa Francisco está seduzindo os fiéis e dando trabalho dobrado à segurança. Na Igreja de Santa Ana - onde celebrou missa - apertou mãos, ganhou beijos e pediu que rezassem por ele. Depois, na Praça de São Pedro, no Vaticano, defendeu o perdão e a misericórdia diante de 150 mil pessoas, despedindo-se com um “bom almoço”. Hoje, ele encontra a presidente Cristina Kirchner, com quem teve uma relação difícil na Argentina.

Enem nota mil: sem ‘enchergar’ erros de redação

"Rasoavel", "enchergar", "trousse". Esses são alguns dos erros de grafia encontrados em redações que receberam nota 1.000 no Exame Nacional de Ensino Médio 2012 (Enem). Durante um mês, O GLOBO recebeu mais de 30 textos enviados por candidatos que atingiram a pontuação máxima, com a comprovação das notas pelo Ministério da Educação (MEC) e a confirmação pelas universidades federais em que os estudantes foram aprovados. Além desses absurdos na língua portuguesa, várias redações continham graves problemas de concordância verbal, acentuação e pontuação.

Apesar de seguirem a proposta do tema "A imigração para o Brasil no século XXI", os textos não respeitavam a primeira das cinco competências avaliadas pelos corretores: "demonstrar domínio da norma padrão da língua escrita". Cada competência tem a pontuação máxima de 200 pontos.

Metrô: trem novo e o velho sufoco

Apesar de 15 dos 19 trens novos do metrô já estarem circulando, passageiros ainda sofrem com superlotação e paralisações do sistema. Alguns fazem um percurso maior para conseguir pegar vagões mais vazios.

Greve paralisa obras no Porto

A greve de 3.500 operários da concessionária Porto Novo, empresa contratada pela prefeitura o Rio para executar obras do Porto Maravilha, paralisou 33 frentes de obra na Zona Portuária. Eles suspenderam os serviços na última quarta-feira, reivindicando o benefício do plano de saúde, dado apenas a funcionários do departamento pessoal da firma. Hoje, uma assembleia marcada para as 7h e uma audiência de conciliação à tarde, no Tribunal Regional do Trabalho (TRT), prometem definir o impasse. No momento, somente o monitoramento das obras dos túneis é mantido por trabalhadores autorizados pelo sindicato da categoria.

Campanha antecipada: Campos volta a alfinetar Dilma

Um dia depois de a presidente Dilma Rousseff defender a coalizão de partidos como meio de garantir a governabilidade do país, Eduardo Campos (PSB), atual governador de Pernambuco, disse que os velhos pactos políticos já não servem para promover mudanças e que o Brasil precisa mesmo é de "renovação". O partido de Campos faz parte da base de sustentação do governo.

Apesar de negar a posição de pré-candidato à Presidência da República em 2014, Campos aproveitou a manhã de ontem, na Praia de Boa Viagem, em Recife, para testar a popularidade. Posou para fotos e abraçou simpatizantes, ao lançar o programa Praia sem Barreiras, que pretende viabilizar o acesso de cadeirantes à areia e ao mar. No evento, aproveitou para criticar o modelo tributário brasileiro, classificado por ele como um dos piores da América Latina e, mais uma vez, repetiu a frase que vem usando em seminários e em entrevistas: a de que é possível fazer "muito mais" pelo país.

FH pede a Alckmin para pacificar a relação entre Aécio Neves e José Serra no PSDB

Um dos principais fiadores da candidatura de Aécio Neves ao Palácio do Planalto em 2014, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso pediu ao governador Geraldo Alckmin que atue para dirimir resistências internas em São Paulo à candidatura do senador mineiro e o ajude na busca de um acordo com José Serra para a composição da nova direção nacional da sigla. O diagnóstico de FH é de que o partido não pode chegar à sucessão presidencial mais uma vez dividido.

TRE-RJ antecipa fiscalização de campanha eleitoral

A decisão de candidatos do Rio de Janeiro de anteciparem a propaganda eleitoral de 2014, mais de um ano antes do prazo previsto por lei, levou o Tribunal Regional Eleitoral (TRE-RJ) a também começar mais cedo a fiscalização para coibir abusos por parte de partidos e políticos. Com promessa de rigor neste ano pré-eleitoral, a presidente do tribunal, Letícia de Faria Sardas, reativa amanhã o disque-denúncia (2524-0404) e passa a disponibilizar um e-mail para receber denúncias de casos de desrespeitos à legislação eleitoral.

Governo recolhe kit educativo anti-homofobia

O ministro da Saúde, Alexandre Padilha, determinou a abertura de um processo administrativo para identificar os responsáveis pelo envio de um material educativo, com conteúdo de combate à homofobia, a 13 estados das regiões Norte e Nordeste. As revistas de histórias em quadrinhos com foco no público adolescente foram elaboradas em 2010 como parte do programa de prevenção de doenças sexualmente transmissíveis (DST) e Aids e, neste ano, chegaram a ser remetidas às Secretarias de Saúde nos estados.

O material tem seis volumes. Um deles trata especificamente das relações homossexuais, da homofobia nas escolas e da transmissão da Aids nas relações entre pessoas do mesmo sexo. O Ministério da Saúde já expediu ofícios às secretarias dos 13 estados determinando que não haja distribuição das revistas nas escolas e começou a investigar de onde partiu a remessa do material educativo.

Brasileiros poderão fazer prova dada a médicos estrangeiros

O Exame Nacional de Revalidação de Diplomas Médicos (Revalida), teste obrigatório para médicos formados no exterior que queiram trabalhar no Brasil, poderá avaliar estudantes matriculados em instituições brasileiras a partir deste ano. A ideia está em estudo numa subcomissão dos ministérios da Educação e da Saúde. O objetivo seria aferir o grau de dificuldade das provas, já que o Revalida é alvo de críticas devido ao baixo índice de aprovados.

Decisão do STF está prevista para quarta

O plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) deve decidir na quarta-feira se concede ou não a medida cautelar pedida pelos estados produtores de petróleo para que nada mude na divisão dos royalties. A ideia é que as regras atuais sejam mantidas pelo menos até que as ações diretas de inconstitucionalidade (Adins), propostas pelos governos do Rio de Janeiro, de São Paulo, do Espírito Santo e também pela Assembleia Legislativa do Rio, sejam julgadas. De acordo com fontes, a expectativa dentro da instituição é que a ministra Carmén Lúcia, relatora das quatro ações, leve ao plenário um voto sobre a medida na próxima sessão da corte, marcada para o dia 20. Se os ministros aceitarem o pedido, os efeitos da nova lei ficarão suspensos, até que o mérito das Adins seja julgado.

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!