Estamos mudando o site. Participe enviando seus comentários por aqui.

Nos jornais: Dilma gasta mais do que Lula em propaganda

De acordo com O Estado de S. Paulo, valor usado por ano, incluindo estatais, chega a R$ 1,78 bilhão contra R$ 1,44 bilhão do ex-presidente. Jornais destacam dificuldade de Marina Silva criar a Rede Sustentabilidade

O Estado de S. Paulo

Dilma gasta mais do que Lula em propaganda

Os gastos com propaganda do governo federal, incluindo estatais, é nos dois primeiros anos da gestão de Dilma Rousseff 23% maior, na média, do que nos oito anos de mandato de Luiz Inácio Lula da Silva. A presidente também vem gastando mais - cerca de 15% na média, na comparação com o segundo mandato de Lula. Com Dilma, o gasto médio por ano foi de R$ 1,78 bilhão e, com Lula, R$ 1,44 bilhão. Em dez anos de governo petista foram desembolsados, somando todos os órgãos da administração, cerca de R$ 16 bilhões, em valores corrigidos pela inflação, segundo levantamento feito pelo Estado.

O valor é quase igual aos R$ 15,8 bilhões previstos para o programa Mais Médicos até 2014. Os dados foram solicitados, via Lei de Acesso à Informação, a cada um dos órgãos que a Secretaria de Comunicação Social informou ter assinado algum contrato publicitário desde 2003. O valor total pode ser maior, porque o Banco do Brasil não forneceu os dados de 2003 a 2009.

Em SP, R$ 2,4 bi em uma década

Enquanto os gastos federais em publicidade superaram os R$ 16 bilhões desde 2003, dados relativos ao governo de São Paulo apontam, no mesmo período, e para o mesmo fim, R$ 2,44 bilhões. Os dados, revelados em abril pelo Estado, indicaram também que cinco empresas estatais paulistas - Sabesp, Metrô, CDHU, Dersa e CPTM - responderam, nessa década, por metade de todos esses recursos - R$ 1,24 bilhão, O outro R$ 1,2 bilhão ficou por conta da administração direta.

Cabral luta para não perder apoio do PT

Sob pressão de manifestantes que não dão trégua na campanha pelo seu impeachment, o governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral Filho (PMDB), agora se empenha em impedir a implosão da aliança política que o sustenta desde o início do primeiro mandato, em 2007.

Mesmo enfraquecido, ele iniciou contatos para impedir que o PT deixe a administração estadual - onde tem duas secretarias e cerca de 150 cargos de confiança - e abra caminho para a candidatura do senador Lindbergh Farias (PT) à sua sucessão. Cabral age paralelamente à Direção Nacional do PT, que também trabalha para impedir qualquer rompimento e ainda sonha com possibilidade de dois palanques - um petista, outro peemedebista - no Estado para a campanha de Dilma Rousseff à reeleição.

Parecer sobre Donadon será entregue hoje

O deputado Sergio Sveiter (PSD-RJ) apresenta hoje seu parecer sobre o processo de cassação do colega Natan Donadon (sem partido-RO), condenado pelo Supremo Tribunal Federal e preso desde o final de junho na penitenciária da Papuda, em Brasília.

A entrega do documento ocorrerá na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) da Câmara. "Recebi a defesa do parlamentar na sexta-feira e já examinei os argumentos. Apesar do prazo regimental de cinco sessões para apresentar meu parecer, comuniquei ao presidente da comissão que vou entregar o relatório conclusivo nesta segunda, às 16h", disse Zveiter. Ele não quis adiantar sua decisão.

'Política da propina' pagou R$ 3 bilhões, apontam inquéritos

Dados de investigações realizadas na Alemanha, na Suíça, no Reino Unido, na França e nos EUA mostram que possíveis acertos em licitações e pagamentos de agentes públicos envolvendo a Alstom e a Siemens totalizam R$ 3 bilhões desde os anos 1990.

As duas empresas são suspeitas de repetir o esquema de cartéis também no Brasil, a partir da mesma década, conforme documentos sigilosos do Conselho de Administração de Defesa Econômica (Cade) revelados nos últimos dias.

Empresas assumem culpa e recebem altas multas

Tanto a Alstom como a Siemens adotaram a estratégia de assumir parte da culpa pela corrupcão em vários países, mas sempre indicando que as práticas haviam sido abandonadas e não são mais toleradas pelas duas.

Nos Estados Unidos, a Siemens foi obrigada a pagar há três anos mais de US$ 800 milhões em multas por condenação relacionada a práticas irregulares. Na Alemanha, foram outros US$ 533,6 milhões em multas.

A francesa Alstom já indicou que a crise só não é maior graças aos mercados emergentes. Em 2010 e 2011, essas economias garantiram 60% de todas as novas encomendas por ela fechadas. Em 2008, eram só 35%.

As frentes de investigação

Investigações feitas no Brasil pelo Ministério Público paulista e pela Polícia Federal indicam que ainda em 2008 a Alstom francesa tinha contratos irregulares para venda de equipamentos ao Metrô, no valor de R$45 milhões. Em dados passados pela Siemens ao Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), veio à tona nova denúncia: a de uma suposta formação de cartel nas licitações do mesmo Metrô, no valor de R$ 1,9 bilhão.

Construtoras terão de investir em mobilidade

A Prefeitura vai dividir com a iniciativa privada os custos das mudanças que promete fazer no trânsito de São Pau­lo. Desde o início do ano, as licenças concedidas a empre­sas responsáveis pela cons­trução de megaempreendimentos estão sendo altera­das para a inclusão de exigên­cias como a instalação de no­breaks em semáforos e pai­néis eletrônicos. Segundo a gestão Fernando Haddad (PT), a compra desses apare­lhos é só o começo. O objeti­vo é fazer com que as emprei­teiras paguem por faixas ex­clusivas, abrigos e até termi­nais de ônibus.

Novo diretor atuou em 21 processos contra a ANS

Novo diretor da Agência Na­cional de Saúde Suplementar (ANS), o advogado Elano Fi­gueiredo representou o pla­no de assistência médica Ha­pvida em pelo menos 21 pro­cessos judiciais contra o ór­gão regulador e o Ministério da Saúde. A maioria das ações, propostas na Justiça Federal do Ceará e do Rio de Janeiro, visava a reverter pu­nições aplicadas à empresa por se negar a pagar o trata­mento de segurados.

Figueiredo é alvo de processo na Comissão de Ética da Presi­dência da República por esconder sua ligação com a Hapvida. A investigação foi aberta a pedido da Casa Civil, após o Estado revelar que o diretor omitiu no currículo enviado ao Planalto ter sido representante jurídico do plano, que atua no Nordeste.

Geisel admitiu fazer bomba atômica

Arquivos secretos do Estado-Maior das Forças Armadas (EMFA) mostram que o ex-presidente Ernesto Gelsel admitiu a possibilidade de o Brasil construir sua arma atômica dentro de sua política nuclear. Em exposição feita ao Alto Comando das Forças Armadas, em 10 de junho de 1974, Geisel reconhece a preocupação do governo e dos militares em relação ao fato de a índia ter detonado uma bomba atômica e à possibilidade de os vizinhos argentinos também o fazerem.

Por conta disso, afirmou que considerava como um dos pontos básicos a serem adotados "desenvolver uma tecnologia para a utilização da explosão nuclear para fins pacíficos, o que nos permitirá, inclusive, se necessário, dispor de nossa própria arma", disse o general.

Crise e inovação

Apesar de assistir à quebra das fábricas que deram à cidade uma vocação para a produção têxtil, o polo de Brusque, em Santa Catarina, não vive uma crise econômica, Ex-funcionários de empresas centenárias, como a falida Tecidos Carlos Renaux, criaram novas indústrias, com máquinas e gestão mais modernas.

Santa Catarina é o segundo maior polo têxtil do País, atrás de São Paulo. A cidade de Brusque é a segunda mais relevante no polo têxtil catarinense, depois de Blumenau.

"A crise no polo têxtil de Brusque é exclusiva das fábricas centenárias. Essas empresas trouxeram a vocação têxtil para a cidade, mas o polo não se limitou a elas", disse o prefeito de Brusque, Paulo Eccel (PT-SC). "As novas companhias e os shoppings de atacado e varejo absorveram os trabalhadores demitidos das fábricas antigas. Temos pleno emprego em Brusque", completou.

Ausência de professores paulistanos aumenta 20%

O número de ausências de professores da rede munici­pal de São Paulo aumentou 20% entre 2009 e 2012, com al­ta nas faltas abonadas, justifi­cadas e injustificadas. Apesar de representar metade dos re­gistros, as licenças médicas ti­veram queda no período» No ano passado, os 64 mil docen­tes da rede tiveram 1,8 milhão de faltas. É como se, na mé­dia, cada professor tivesse fal­tado 28 dias por ano.

Argentina: boca de urna indica derrota de Cristina

Pesquisas de boca de urna indicavam ontem à noite que o governo da presidente Cristina Kirchner havia sofrido uma derrota nas eleições primárias na Província de Buenos Aires, tradicional feudo político do kirchnerismo. O candidato kirchnerista que lidera a lista de deputados dispara as eleições parlamentares de outubro, Martin Insaurralde, prefeito da cidade de Lomas de Zamóra, teria obtido 31,7% dos votos, segundo aboca de urna.

Seu rival, Sergio Massa, ex-chefe do gabinete de ministros de Cristina, que passou há poucos meses para o peronismo dissidente, da oposição, teria ficado em primeiro lugar, com uma vitória aperta de 33% dos votos.

EUA reabrem embaixadas que estavam sob ameaça

Os Estados Unidos reabriram ontem várias das 19 embaixa­das e consulados no Oriente Médio, África e Ásia que haviam fechado recentemente por cau­sa da ameaça de possíveis ata­ques terroristas da rede Al- Qaeda.

A Embaixada dos EUA em Sanaa, lêmen, permanecerá fecha­da, pois o temor de um ataque permanece elevado, assim co­mo o consulado americano em Lahore, Paquistão. Outras representações diplomáticas per­manecerão fechadas em razão dos feriados muçulmanos que marcam o fim do mês sagrado do Ramadã.

Brasil busca acordo separado com UE, diz jornal

A proposta de um acordo co­mercial entre o Mercosul e a União Europeia deve ser apre­sentada no fim deste mês. Apesar de o tema continuar ser tratado diretamente en­tre os blocos sul-americano e europeu, o governo brasilei­ro sinaliza a possibilidade de uma negociação em separado com os europeus. A indicação foi dada pelo ministro das Re­lações Exteriores, Antonio Patriota, ao jornal britânico "Financial Times".

Toma lá, dá cá

O artilheiro isolado da Série B do Campeonato Brasileiro, Bruno Rangel, só ostenta a marca da Caixa na camisa 9 do Chapecoense porque os quase 5 mil funcionários da prefeitura de Chapecó, no oeste catarinense, recebem os salários pelo banco estatal Para patrocinar clubes que não estão na elite do futebol brasileiro, a Caixa usou como "moeda de troca" a folha de pagamento das administrações municipais ou estaduais.

É por isso que as negociações dos dirigentes dos clubes com os executivos da Caixa incorporaram tanto parlamentares influentes em Brasília quanto prefeitos e governadores dos Estados onde estão as sedes dos times. O papel deles era negociar a administração das folhas de pagamentos com o banco.

O Globo

Bem nas pesquisas, Marina corre risco de não ter partido

Segunda colocada nas pesquisas de intenção de voto para a eleição presidencial de 2014, e avançando cada vez mais na preferência do eleitorado, a ex-senadora Marina Silva enfrenta grande dificuldade para criar sua Rede Sustentabilidade. Para ser candidata pelo seu novo partido, nas próximas eleições, será preciso que a legenda seja registrada pelo Tribunal Superior Eleitoral até 5 de outubro, mas não será fácil.

Marina disse ontem que os cartórios eleitorais não têm respeitado o prazo de 15 dias para validar as assinaturas de apoio que o partido apresenta. Com isso, apesar de a Rede já ter coletado cerca de 850 mil assinaturas e apresentado cerca de 550 mil aos cartórios eleitorais - mais do que as 491.656 necessárias -, apenas cerca de 200 mil foram certificadas.

Trajetória ascendente desde as manifestações de junho

Desde dezembro de 2012, a ex-senadora Marina Silva figura na segunda posição, atrás apenas da presidente Dilma Rousseff, nas pesquisas de intenções de votos para a próxima eleição presidencial. No levantamento do Datafolha publicado no domingo, Marina apareceu com 26% e Dilma, com 35%. A ex-senadora não comenta as pesquisas e se recusa a falar sobre a possibilidade de disputar a eleição por outro partido, se a Rede não for criada até 5 de outubro.

Cariocas esperam até 4 meses por consulta

Conseguir uma consulta num posto médico no Rio não é tarefa fácil. Daniel Soranz, subsecretário municipal de Saúde, admite que a espera pode demorar quatro meses, mas ressalta que o tempo chegava a nove meses: “Ainda não é razoável, mas estamos avançando." A aposentada Marlene Silva, por exemplo, já esteve quatro vezes no Centro Municipal Renato Rocco, no Jacaré, e ainda não foi atendida por um médico. Além de ficar horas na fila, ela teve que conviver com galinhas na área de triagem.

Deputados pedem CPI da Petrobras já

O deputado Maurício Quintella (PR-AL) disse ontem que vai recorrer ao Supremo Tribunal Federal (STF) esta semana para que seja instalada a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Petrobras. Segundo Quintella, as denúncias de desvio de verbas de contratos internacionais da Petrobras para políticos do PMDB, publicadas neste fim de semana pela revista "Época", ampliam as possibilidades de investigação na Câmara.

O engenheiro e ex-funcionário da Petrobras João Augusto Rezende Henriques disse, em entrevista à "Época", que peemedebistas de Minas receberam propina de contratos internacionais assinados pela estatal - até julho do ano passado, a diretoria da área internacional da Petrobras era ocupada por Jorge Zelada, apadrinhado pelo PMDB mineiro. Na denúncia, o engenheiro citou o atual ministro da Agricultura, Antônio Andrade, e o presidente da Comissão de Finanças da Câmara, João Magalhães. Ainda segundo Henriques, o dinheiro teria sido utilizado para abastecer o caixa da campanha de Dilma Rousseff na eleição de 2010.

Vereadores não cedem a protestos

Apesar de parte do grupo que ocupava a Câmara do Rio ter deixado o Palácio Pedro Ernesto na madrugada de ontem, a perspectiva para os próximos dias ainda é de impasse. Há 13 jovens que continuam no plenário reivindicando, entre outras questões, a saída de Chiquinho Brazão (PMDB) da presidência da CPI dos Ônibus, assim como a retirada dos outros três membros da comissão que não assinaram o requerimento para a sua criação. O presidente da Câmara, Jorge Felippe (PMDB), que esteve no sábado com os manifestantes, disse que não usará de violência para retirá-los, mas admitiu que é muito difícil haver qualquer troca dos membros que irão participar das investigações do sistema de transporte rodoviário no Rio.

Iniciação científica bem mais cedo

Obter o diploma de um curso superior nem passava pela cabeça do estudante Willian Apolinário até 2011. Aluno de uma escola estadual de uma área pobre de Diadema, na região do ABC Paulista, ele planejava, no máximo, fazer um curso técnico profissionalizante e "achar um emprego numa firma". Hoje frequentando a universidade, ele sonha fazer mestrado numa das instituições mais renomadas do país.

Willian faz parte de um grupo de adolescentes que teve a oportunidade de fazer iniciação científica antes mesmo de passar para uma faculdade. Ainda no ensino médio, eles frequentam laboratórios e salas de universidades e participam de pesquisas, aproximando-se mais cedo da ciência. É comum estes jovens melhorarem seu desempenho escolar e descobrirem mais facilmente que profissão querem seguir.

Caso Siemens levará MPL às ruas em SP

As denúncias de formação de cartel em licitações do transporte público de São Paulo devem agitar as ruas com mais força nesta semana, o que tem causado dor de cabeça ao governo paulista. O Movimento do Passe Livre (MPL), que esteve à frente das manifestações de junho pela redução da tarifa de ônibus, voltará a protestar na capital paulista na quarta-feira. Desta vez, contra as supostas fraudes denunciadas por funcionários da empresa Siemens.

Servidores do STF querem ter carreira especial no funcionalismo

Os servidores do Supremo Tribunal Federal (STF) entregaram ao presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Joaquim Barbosa, um documento reivindicando que seja criada uma carreira do funcionalismo exclusiva para eles. Seria um grupo formado apenas pelos 1.119 servidores do Supremo, que assim se descolaria dos 120 mil de todo o Judiciário. O objetivo é que fique mais fácil obter aumentos salariais.

Randolfe: 'Senado não está ouvindo as ruas'

O senador Randolfe Rodrigues (PSOL-AP) disse ontem que a reportagem do GLOBO de domingo, mostrando que senadores usam a verba indenizatória oficial para abastecer jatinhos e pagar hotéis de luxo, mostra um descompasso da instituição com a sociedade. Para Ranfolfe, as informações revelam que a aprovação de projetos em consonância com os pedidos das ruas, nos últimos dois meses, foi pontual.

Correio Braziliense

Marina tem só quatro dias para criar partido

Apontada por pesquisas eleitorais como o maior obstáculo à reeleição da presidente Dilma Rousseff, a ex-senadora Marina Silva tem pela frente quatro dias decisivos para uma eventual campanha ao Palácio do Planalto. Até quinta-feira, a Rede Sustentabilidade, encabeçada por Marina, precisa validar cerca de 500 mil assinaturas no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para regularizar o novo partido, criado para dar sustentação à candidatura presidencial da ex-petista. O partido tem o relógio como principal inimigo para o projeto, já que 300 mil assinaturas ainda precisam ser validadas para a formação da Rede. Com dificuldades para consolidar os documentos em cartório, a pré-candidata pode ser obrigada a estudar vias alternativas para encarar a disputa eleitoral.

Toque tucano na economia

Única entre os oposicionistas que conseguiu aumentar a intenção de voto após as manifestações de rua, a ex-senadora Marina Silva (Rede Sustentabilidade) intensificou, nas últimas semanas, as conversas com economistas e empresários para formatar uma plataforma econômica de campanha. Criticada por ter um discurso voltado exclusivamente para a área ambiental, Marina tem procurado aliar suas ideias às experiências de outros economistas que já tiveram passagens pelo Executivo Federal. O diálogo não exclui nem tucanos, apesar da origem petista da senadora. Entre esses nomes, está o de André Lara Rezende.

STF inicia julgamento dos recursos do mensalão

Oito meses depois de encerrado o julgamento do mensalão, o mais longo da história do Supremo Tribunal Federal (STF), os ministros da Corte iniciam, nesta quarta-feira, a apreciação dos recursos apresentados pelos 25 condenados no processo. A tendência é de que esta nova etapa da Ação Penal 470 comece pela apreciação do chamado embargo infringente, proposto pelo ex-tesoureiro do PT Delúbio Soares. A eventual admissão do recurso possibilitará novo julgamento para até 11 réus, em relação aos crimes em que tenham recebido pelo menos quatro votos pela absolvição, em dezembro de 2012.

União desapropria lote para a CGU

A solução encontrada pelo governo federal para impedir a construção de um prédio de três pavimentos de salas, e quatro andares de garagem subterrânea, no terreno vizinho ao edifício sede da Controladoria-Geral da União (CGU) foi desapropriar o lote. Por três anos, o órgão federal lutou na Justiça contra o proprietário do imóvel, mas, diante de uma decisão desfavorável à CGU, o empresário Marconi de Souza iniciou a obra, que acabou interrompida há duas semanas. O decreto presidencial que declara a “utilidade pública” do imóvel “para fins de desapropriação” foi publicado no Diário Oficial da União de 29 de julho.

Dilma enfrenta dois "PMDBs" no Congresso

A presidente Dilma Rousseff pode estar passando pelo mesmo drama vivido pelo seu antecessor, Luiz Inácio Lula da Silva, ao longo de 2003 a 2005, durante seu primeiro mandato: a divisão entre o PMDB nas duas Casas do Congresso. Dilma mantém um diálogo constante com o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), e tem apresentado um comportamento mais reticente em relação ao presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN). Tanto que, em recente reunião com líderes, quando precisou acertar a votação de um projeto, ela ligou para Renan e pediu para que o vice-presidente, Michel Temer, telefonasse para Henrique.

A conta bilionária da paz

As divergências entre o Palácio do Planalto e a base aliada no Congresso não significam apenas um terremoto político com o qual a presidente Dilma Rousseff precisa lidar. Se a relação não for repactuada — como adoram falar os parlamentares que integram a coalizão governista — um tsunami econômico estimado entre R$ 200 bilhões e R$ 220 bilhões abalará a já combalida economia brasileira ao longo dos próximos anos. Essa é a estimativa de gastos feita ao Correio por assessores e congressistas caso sejam aprovados projetos com aumento de despesa, derrubados os vetos presidenciais e estabelecida a obrigatoriedade do orçamento impositivo. Esse valor representa 20% do Produto Interno Bruto (PIB) do país.

Conab abriga fantasmas

A Justiça Federal investiga um caso de funcionário fantasma que recebeu o total de R$ 90 mil, ao ocupar cargo de confiança na Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), por 10 meses, sem efetivamente trabalhar. Apadrinhado pelo deputado federal Jovair Arantes (PTB-GO), Kleuber de Oliveira Sousa é acusado em ação civil pública de enriquecimento ilícito, dano ao erário e lesão aos princípios da administração pública, práticas caracterizadas como improbidade administrativa.

Getulino Oliveira Narcizo, ex-chefe de gabinete da presidência da empresa pública, vinculada ao Ministério da Agricultura, também é alvo da ação de iniciativa do Ministério Público Federal (MPF) porque teria sido “condescendente” com a permanência de Kleuber na vaga em que não cumpria a função para a qual era contratado.

Aumenta a pressão: Cadê o Amarildo?

A Anistia Internacional cobrou respostas de autoridades do Rio de Janeiro sobre o desaparecimento do ajudante de pedreiro Amarildo de Souza, 42 anos, há 30 dias. A organização não governamental, a Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj) e o grupo Fazer o Certo promoveram ontem, no Dia dos Pais, um protesto na favela da Rocinha, no Rio de Janeiro, que reuniu cerca de 50 pessoas. A intenção era de pedir explicações sobre o sumiço de Amarildo. Participaram do ato a mulher e os seis filhos do ajudante de pedreiro, além de amigos e artistas. Os parentes da juíza Patrícia Accioli, assassinada na porta de casa com 21 tiros, em 2011, também foram ao local. No ato, havia uma faixa grande da anistia com os dizeres: “Onde está Amarildo?”. Várias pessoas também usaram camisas que estampavam a mesma frase.

Zumbis do crack afundam no crime

Suspeito de atear fogo a duas pessoas no Guará consome a pedra há quatro anos. Ele confessou a dupla tentativa de homicídio: “Não me arrependo”. Dos 400 assassinatos deste ano, 240 foram motivados por drogas.

Folha de S. Paulo

Ascenção de Marina amplia pressão sobre Aécio no PSDB

A ascensão da ex-senadora Marina Silva na corrida presidencial e o desempenho tímido do senador mineiro Aécio Neves (PSDB) reavivaram antigas divisões no principal partido da oposição sobre a melhor maneira de enfrentar a presidente Dilma Rousseff nas eleições de 2014.

Os resultados da mais recente pesquisa do Datafolha, divulgados ontem, mostram que o senador mineiro perdeu quatro pontos no cenário mais provável. Marina Silva foi a única candidata no campo da oposição que avançou, indo de 23% para 26%.

Eduardo Campos volta a criticar antecipação de debate eleitoral

O governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB), possível candidato à Presidência no próximo ano, afirmou que os resultados da pesquisa Datafolha, na qual aparece em último lugar, oscilando entre 3% a 8% das intenções de voto, não mudam a estratégia do PSB para 2014. Campos criticou a antecipação do debate eleitoral e voltou a dizer que 2014 será decidido "no tempo certo".

Rede teme que lentidão de cartórios prejudique partido

A ex-senadora Marina Silva reclamou ontem do atraso de cartórios para validar as assinaturas de apoio à criação da Rede Sustentabilidade, partido que tenta montar a tempo de participar da corrida presidencial de 2014.

"Não vamos pagar o preço por deficiências que não são nossas", disse ontem durante reunião da comissão nacional provisória da entidade, em Brasília. Ela não quis se manifestar sobre os resultados da pesquisa Datafolha.

Procuradoria de SP vai à Justiça contra o Cade

O Ministério Público Federal em São Paulo foi à Justiça para pedir acesso ao material recolhido pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) nos escritórios das empresas suspeitas de participar do cartel que teria atuado em licitações de trens no Estado entre 1998 e 2008.

Para a procuradora da República em São Paulo Karen Kahn, a resistência do Cade a ceder cópias dos documentos configura uma "obstrução" ao trabalho de investigação do Ministério Público.

A existência do cartel foi revelada pela multinacional alemã Siemens ao Cade, órgão do Ministério da Justiça encarregado de investigar abusos de poder econômico.

Para psicóloga da PM, criança pode manusear arma junto com os pais

Para a soldado Rosângela Francisca da Silva Penha, 47, psicóloga do CAS (Centro de Apoio Social) da Polícia Militar de São Paulo, crianças podem manusear armas de fogo, desde que acompanhadas pelos pais.

"O filho do policial tem curiosidade sobre o instrumento de trabalho do pai, assim como o filho do médico tem com o estetoscópio", afirmou a psicóloga, que atende PMs na corporação há 14 anos. A opinião não é unânime entre psicólogos.

Dívidas e gastos baixos em saúde minam gestão Tarso

Dificuldades para pagar dívidas e atingir o mínimo obrigatório de gastos em setores essenciais marcam o cenário de problemas do governador Tarso Genro (PT-RS), que deve tentar a reeleição em 2014.

O Rio Grande do Sul é o único Estado com dívida total acima do teto legal de 200% e está entre os que menos investem em saúde.

Mas o setor que pode pesar mais na eleição de 2014 é a educação. Tarso é um dos seis governadores que foram ao Supremo Tribunal Federal questionar a aplicação da lei do piso nacional do magistério, que ele assinou quando chefiava o MEC (2004-2005).

Governadores testam caras novas no Nordeste

Governadores do Nordeste em final de segundo mandato preparam quadros técnicos como seus possíveis candidatos à sucessão em 2014. Inspiradas em experiências recentes, como a de Dilma Rousseff na corrida ao Planalto e a de Fernando Haddad (PT) na Prefeitura de São Paulo, as estratégias na Bahia, em Pernambuco e no Ceará têm agora o componente da onda de protestos pelo país e o pleito por mudanças e caras novas na política.

Em Minas, vice se apoia na máquina para se viabilizar

Em Minas Gerais, onde Antonio Anastasia (PSDB) também não pode mais tentar a reeleição, o vice-governador Alberto Pinto Coelho (PP) procura se fortalecer com auxílio da máquina pública para se tornar o candidato da situação a 2014.

Alberto, como é conhecido, é o único não tucano a postular a indicação, que será decidida pelo senador Aécio Neves (PSDB) e pelo ex-ministro Pimenta da Veiga, fundador do PSDB. Com ele, são quatro os postulantes.

Juízes especializados ajudam Paraná no combate à corrupção

Recordista nacional no julgamento de denúncias de corrupção e desvio de recursos públicos, o Tribunal de Justiça do Paraná vem formando magistrados especializados no assunto e ampliando o número de varas de Fazenda Pública no interior.

Com isso, o Estado já cumpriu 99% da chamada meta 18 do Conselho Nacional de Justiça, que estabelece que todas as ações de improbidade administrativa e crimes contra a administração pública ajuizadas até 2011 sejam julgadas até o fim deste ano.

Qualidade do serviço de ônibus cai em SP

A qualidade dos serviços de 13 das 19 empresas de ônibus de São Paulo piorou nos primeiros seis meses da gestão Fernando Haddad (PT). A avaliação é de um indicador criado pelo poder público para a aferição do desempenho das viações. Ele considera aspectos como quantidade de reclamações, atrasos, acidentes, superlotação, falhas, limpeza e comportamento dos motoristas.

No primeiro semestre deste ano, dois terços das concessionárias de ônibus, que transportam 57% dos passageiros, tiveram nota pior que a do mesmo período de 2012. Só seis melhoraram - mas isso bastou para deixar a nota média da cidade estável. As empresas de ônibus alegam que os congestionamentos e até os protestos de junho as prejudicaram.

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!