Nos jornais: condenado, ex-diretor do BB está na Europa

Henrique Pizzolato estáo desde o fim de julho fora do país para resolver problemas particulares, informou a Folha de S. Paulo. Jornais destacam proximidade do julgamento de José Dirceu no mensalão. O Globo alerta para erros nas certidões criminais de candidatos

Folha de S. Paulo

Condenado, ex-diretor do BB está na Europa

Condenado no julgamento do mensalão pelos crimes de corrupção passiva, lavagem de dinheiro e peculato (desvio de recursos públicos por servidor), o ex-diretor de marketing do Banco do Brasil Henrique Pizzolato está desde o fim de julho na Europa. Segundo o advogado Marthius Sávio Lobato, o réu viajou antes de o julgamento começar, em agosto, para tratar de "problemas familiares".

"Pizzolato não queria divulgar a informação porque ele foi acompanhar problemas graves e não quer expor mais a sua família por conta do processo", informou ele à Folha. O advogado diz que Pizzolato estará no Brasil até o final desta semana e nega que o réu no STF (Supremo Tribunal Federal) pretenda fugir do país. "Não há nenhuma ilegalidade nele viajar."

STF deve encerrar polêmica sobre compra de votos hoje

A sessão de hoje do julgamento do mensalão no STF (Supremo Tribunal Federal) poderá pôr um ponto final numa das principais controvérsias do escândalo, definindo se o objetivo do esquema era mesmo a compra de apoio político no Congresso ou não.

Os políticos que receberam dinheiro do esquema organizado pelo PT e pelo empresário Marcos Valério Fernandes de Souza dizem que o objetivo do mensalão era financiar campanhas eleitorais, e não corromper parlamentares.

Na quinta-feira passada, o julgamento foi interrompido depois que o STF alcançou maioria de votos suficiente para condenar o ex-deputado Roberto Jefferson (PTB), que revelou a existência do esquema à Folha há sete anos, e outros líderes partidários por corrupção passiva.

Serra compara Lula a 'poderoso chefão'

A uma semana da eleição, o candidato do PSDB à Prefeitura de São Paulo, José Serra, associou ontem o PT ao filme "O Poderoso Chefão". Em seu último comício de campanha, na Vila Matilde (zona leste), o tucano mencionou duas vezes a máfia ao falar de petistas.

Sem citar o nome do partido adversário nem o de sua maior estrela, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Serra disse que no PSDB não existe padrinho. "Aqui não tem ninguém apadrinhado. Não tem padrinho. O último filme que vi com esse título é dos anos 70, 'O Poderoso Chefão', que mandava, fazia isso e aquilo etc", discursou em um contexto de críticas ao PT e ao governo federal.

Haddad ataca Kassab e vice na chapa de Serra

O candidato do PT à Prefeitura de São Paulo, Fernando Haddad, disse ontem que José Serra (PSDB) "não tem expediente na educação" e que a propaganda eleitoral do tucano "fala mais do Estado do que da cidade porque ele não tem o que mostrar" de obras como prefeito.

Após carreata em Guaianases (zona leste), o petista retrucou as críticas que o rival fizera anteontem à sua passagem pelo Ministério da Educação -Serra falou que a gestão de Haddad à frente da pasta havia sido "medíocre".

PF apura indício de 'caixinha' paga pela Delta

A Polícia Federal encontrou em um escritório da construtora Delta indícios de pagamento de uma "caixinha", atrelada a contratos públicos, para a Aneor (Associação Nacional das Empresas de Obras Rodoviárias). A descoberta traz de volta suspeitas, nunca comprovadas, de que empreiteiras, por meio da associação, reúnem-se para combinar previamente a divisão de lotes de licitações de órgãos públicos.

A Folha teve acesso a planilhas e boletos bancários que comprovam o pagamento de percentuais de contratos à Aneor. Os documentos foram apreendidos pela Polícia Federal em computadores da Delta, em Goiânia. A empresa era usada pelo esquema operado por Carlinhos Cachoeira para lavar dinheiro do jogo do bicho, segundo a Polícia Federal.

Candidatos favoritos de Lula enfrentam reta final difícil

Candidatos a prefeito pelos quais o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva se empenhou pessoalmente nas últimas semanas, participando de comícios e programas de TV, chegaram à reta final da campanha eleitoral enfrentando várias dificuldades.

Em sua primeira campanha após deixar o governo com uma aprovação popular de 83%, Lula apareceu no palanque de apenas dez candidatos a prefeito na campanha deste ano. Somente quatro deles lideram a disputa eleitoral em suas cidades.

Outros quatro candidatos pelos quais o ex-presidente se empenhou têm chance de chegar ao segundo turno da eleição, mas ainda aparecem nas pesquisas muito distantes dos candidatos que estão em primeiro lugar na corrida. Em duas cidades visitadas por Lula, Campinas (SP) e Feira de Santana (BA), os candidatos que ele apóia não parecem ter nenhuma chance, de acordo com as pesquisas.

Prefeitos de capitais encaram problemas na corrida à reeleição

Apesar do favoritismo, parte dos oito prefeitos de capitais que disputam a reeleição neste ano vêm encontrando dificuldades para conseguir mais um mandato a partir de domingo. O retrospecto é amplamente favorável -em 2008, 19 dos 20 prefeitos-candidatos renovaram os mandatos nas capitais-, mas em metade dessas cidades concorrem ex-vices que assumiram em 2010 com a renúncia dos titulares. São nomes que disputam pela primeira vez uma eleição dessa importância.

Maior tempo de TV não garante voto em capitais

A três dias do fim do horário eleitoral em rádio e TV e a seis das eleições, a comparação entre o espaço publicitário de alguns candidatos e o desempenho deles nas pesquisas de intenção de voto derruba a noção de que a vitrine midiática inevitavelmente catapulta políticos.

Em capitais como São Paulo, Curitiba, Palmas, Belém e Campo Grande, candidatos ocupam a dianteira nas sondagens apesar da exposição relativamente tímida nos meios de comunicação, iniciada em 21 de agosto (veja detalhes no quadro ao lado).

Na maior cidade do país, Celso Russomanno (PRB) é líder nas intenções de voto, ainda que seu tempo de tela (2min12s) seja apenas o quarto entre os concorrentes.

Arquivos de facção revelam atuação em 123 cidades de SP

Cerca de 400 documentos apreendidos em operações policiais obtidos pela Folha revelam que a organização criminosa PCC possui ramificações em 123 das 645 cidades do Estado e tem nas ruas um total de 1.343 bandidos. Esse número equivale ao contingente de dois batalhões da Polícia Militar e é quase o dobro do número de homens da Rota -considerada a tropa de elite da polícia paulista.

A facção, que está espalhada por todas as regiões do Estado, é hoje a principal suspeita de cometer uma série de ataques contra as forças policiais do Estado. Até ontem, desde o começo do ano, 73 PMs foram assassinados. Conforme a vasta documentação que está em um banco de dados do Ministério Público, cada um dos 1.343 criminosos é obrigado a pagar à organização uma mensalidade de R$ 600, o que dá uma renda mínima de R$ 805 mil para o PCC.

Justiça manda prender outro diretor do Google, que obtém habeas corpus

O diretor financeiro do Google Brasil, Edmundo Luiz Pinto Balthazar, obteve habeas corpus preventivo contra mandado de detenção por desobediência a ordem judicial feito pelo juiz eleitoral Sylvio Ribeiro de Souza Neto, de Ribeirão Preto (SP).

A medida foi concedida pelo desembargador do TRE (Tribunal Regional Eleitoral) de São Paulo Antônio Carlos Mathias Coltro no sábado, um dia após ele ter negado pedido de liminar em mandado de segurança no mesmo processo. O juiz de Ribeirão já se manifestou sobre a decisão e acatou a decisão do tribunal.

Na última sexta, Ribeiro Neto determinou a detenção de Balthazar porque o Google não havia retirado do blog do jornalista Márcio Francisco seis textos considerados ofensivos à prefeita de Ribeirão Dárcy Vera (PSD), candidata a reeleição.

Elevador parado há mais de dois anos custou R$ 74 mil do Senado

O Senado gastou R$ 74 mil para instalar um elevador reservado a idosos e pessoas com necessidades especiais que está parado há dois anos. Sem a máquina, que funcionou por poucos meses, os cadeirantes que vão ao Senado não podem ter acesso às galerias do plenário -área destinada para os visitantes acompanharem votações.

O elevador foi instalado em 2007 pelo senador Renan Calheiros (PMDB-AL), na época presidente da Casa. A principal bandeira de Renan enquanto esteve no comando do Senado foi tornar a casa exemplo de acessibilidade.

Panfletando para o inimigo

Na barafunda da praça da República, no centro de São Paulo, em meio a homens-placa que compram ouro, tipos agitados a brandir chips de celulares e toda sorte de comércio informal, poucos metros separam Iuri Salvador, 22, de Vanessa Alves, 32.

Ele empunha uma bandeira da candidatura de Fernando Haddad (PT) oito horas por dia. Ela, grávida de quatro meses, é porta-estandarte de Celso Russomanno (PRB) das 12h às 18h. Em comum, guardam certa "infidelidade" eleitoral: Salvador declara voto no candidato Gabriel Chalita (PMDB), enquanto Alves é partidária do petista.

A "pulada de cerca" é sintomática do desalinhamento ideológico entre os candidatos a prefeito e as pessoas contratadas para trabalhar em suas campanhas de rua panfletando, agitando bandeiras, montando cavaletes ou abordando eleitores no sistema porta a porta.

O Estado de S. Paulo

Após dois meses de mensalão, STF julga Dirceu esta semana

Os réus acusados de comprar o apoio político de parlamentares no Congresso, entre eles o ex-ministro José Dirceu, começam a ser julgados nesta semana pelo Supremo Tribunal Federal (STF). A Corte vai concluir hoje a análise da conduta dos réus ligados ao PP, PTB, PMDB e PL (atual PR) e a tendência é que na quarta-feira o ministro relator do caso, Joaquim Barbosa, comece a apontar quem considera culpado pela compra dos votos, em cuja fatia está Dirceu.

O julgamento completa hoje dois meses com a realização da 30.ª sessão. O ministro Dias Toffoli vai concluir seu voto sobre os beneficiários do valerioduto e, na sequência, Marco Aurélio Mello, Celso de Mello e o presidente da Corte, Carlos Ayres Britto irão se pronunciar. Como nesta etapa do fatiamento existem 13 réus, a definição sobre o tema deve tomar toda a sessão.

Até agora, foram condenados nove réus neste capítulo, entre eles o deputado federal Valdemar Costa Neto (PR-SP), o presidente licenciado do PTB, Roberto Jefferson, e os ex-parlamentares Pedro Corrêa (PP), Carlos Rodrigues (PL), Romeu Queiroz (PTB) e José Borba (PMDB). Deve se juntar a eles o deputado Pedro Henry (PP-MT), que já foi considerado culpado por cinco ministros, restando apenas um voto para confirmar sua condenação por corrupção passiva.

Justiça já condenou 632 pessoas por corrupção

Dados do Sistema Integrado de Informações Penitenciárias (Infopen) mostram que o julgamento da ação penal 470 no Supremo Tribunal Federal (STF) deve aumentar bem o número de condenados por corrupção ou por crimes contra o sistema financeiro. As estatísticas indicam que são 632 os que receberam condenação por corrupção ativa ou passiva.

As estatísticas do sistema penitenciário mostram que 575 pessoas cumprem pena por corrupção ativa. Já por corrupção passiva são apenas 57 pessoas - no mensalão, a Procuradoria Geral da República denunciou 12 pessoas pelo crime. Entre eles, o ex-presidente do Banco do Brasil Henrique Pizzolato, o ex-presidente do PL Valdemar Costa Neto e o presidente do PTB, Roberto Jefferson, delator do esquema. O revisor da ação penal, ministro Ricardo Lewandowski, já condenou os três pelo crime, que tem pena de reclusão de dois a 12 anos e multa.

Barbosa pede investigação

Um ex-assessor de campanha do ministro do Desenvolvimento, Fernando Pimentel, será investigado por ter recebido dinheiro do valerioduto. A decisão do ministro Joaquim Barbosa, relator do processo do mensalão, de remeter à Justiça Federal em Belo Horizonte o pedido de investigação atende a um pedido do Ministério Público Federal, conforme o Estado revelou em julho.

Barbosa concordou com o desmembramento da ação por meio de uma decisão proferida em 24 de agosto. O inquérito no STF apura a distribuição de recursos por meio de empréstimos feitos no banco BMG e outros fatos correlatos ao mensalão. Esta investigação é um dos desdobramentos da ação penal que o STF está julgando no processo principal.

Serra crítica Dilma na véspera de ato por Haddad

Na véspera do desembarque da presidente Dilma Rousseff em São Paulo para participar de um comício de Fernando Haddad (PT), o candidato tucano à Prefeitura, José Serra, afirmou ontem que ela "usou o governo" para beneficiar o candidato petista. Chegou a citar o filme O Poderoso Chefão, de Francis Ford Coppola, para atacar o fato de Haddad ser apadrinhado pela presidente e pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

"Aqui não tem ninguém apadrinhado. O último filme que eu vi com esse título é do começo dos anos 1970, O Poderoso Chefão ('The Godfather', que significa o padrinho, em tradução literal). Não precisamos de padrinho", disse Serra durante discurso na Vila Matilde, zona leste. Ele estava acompanhado do governador Geraldo Alckmin (PSDB), cuja imagem é bastante usada na campanha.

Referindo-se a uma frase dita em 12 de setembro - "Dilma vem meter o bico em São Paulo" -, o tucano afirmou: "Quando eu disse que a presidente da República errou, não disse que errou porque deu palpite na eleição aqui. Ela não é de São Paulo, conhece pouco São Paulo."

Russomanno é quem mais faz críticas na TV

Em 17 dias de horário eleitoral na TV em São Paulo, o líder nas pesquisas, Celso Russomanno (PRB), foi o candidato que usou, proporcionalmente, mais seu tempo no ar para criticar adversários e a gestão do atual prefeito, Gilberto Kassab (PSD). Fernando Haddad (PT) dedicou a maior parte do tempo a propostas e José Serra (PSDB), às suas realizações.

Os dados constam de levantamento feito pelo Estado. Restam apenas dois programas de TV dos candidatos à Prefeitura: um hoje e outro na quarta-feira. Com menos de um terço do tempo dos outros dois postulantes ao cargo, o candidato do PRB foi mudando o tom de suas propagandas na medida em que o seu nome se consolidava como a primeira opção dos paulistanos.

Líder nas pesquisas vai usar programa para se defender

Primeiro colocado nas pesquisas de intenção de voto para a Prefeitura de São Paulo, Celso Russomanno (PRB) vai usar o programa de hoje na TV para voltar a se defender dos ataques que vem sofrendo de seus principais adversários Fernando Haddad (PT) e José Serra (PSDB).

De acordo com o marqueteiro Ricardo Bérgamo, não serão feitos ataques a nenhum candidato específico, mas sim uma defesa da campanha de Russomanno, que tem sido criticada nas últimas semanas por não apresentar propostas concretas.

A linha deve ser a mesma adotada na propaganda exibida na última sexta-feira, quando as críticas de Haddad à proposta de cobrar uma tarifa de ônibus baseada no percurso do passageiro foram rebatidas na TV. A estratégia foi adotada um dia após levantamento do Datafolha mostrar que Russomanno havia caído cinco pontos nas pesquisas, ficando com 30%.

Dez capitais podem decidir no 1º turno

Na reta final da corrida eleitoral, as pesquisas de intenção de voto mostram que a eleição deste ano será bastante disputada. As sondagens mais recentes indicam que em apenas 10 das 26 capitais a eleição poderá ser definida no primeiro turno. Situação diferente à de 2008, quando 11 tiveram segundo turno. Já em oito capitais os candidatos aparecem em situação de empate técnico.

A disputa em Boa Vista (RR) é uma das mais discrepantes - Teresa Surita (PMDB) tem 54% na intenção de voto, de acordo com o Ibope, enquanto o segundo colocado, Mecias de Jesus (PRB), conta com 19%. Em Manaus (AM), a corrida é a mais disputada. Os dois primeiros colocados - Arthur Virgílio (PSDB) e Vanessa Grazziotin (PC do B) - aparecem numericamente empatados, com 29% das intenções de voto.

Bancos terão de explicar custo de tarifas

Com o aumento da oferta de crédito no País, a Secretaria Nacional do Consumidor (Senacon), do Ministério da Justiça, pretende monitorar os custos efetivos das operações financeiras e vai começar colocando uma lente de aumento sobre as tarifas cobradas pelos bancos. A avaliação é de que é necessário um detalhamento maior, unificado e transparente dos serviços ofertados.

Atirador é preso na Venezuela

O governo da Venezuela anunciou ontem a prisão do suposto autor dos disparos que mataram três ativistas da oposição durante um comício de Henrique Capriles perto de Barinas. A cidade é reduto eleitoral de Hugo Chávez.

O Globo

Certidões criminais de candidatos apresentam erros

A uma semana da primeira eleição brasileira com a lei da Ficha Limpa em vigor, o cidadão pode enfrentar dificuldades para se informar sobre o passado de seus candidatos a prefeito e vereador. O site do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) mantém a ferramenta divulgacand2012 que reúne informações sobre todos os candidatos, incluindo espaços para declarações de bens, certidões criminais e o quanto está sendo gasto na campanha. O problema é que as informações sobre as certidões criminais estão desatualizadas apesar de o prazo para entrega de documentos ter sido encerrado em 5 de agosto. Muitos dos documentos arquivados tratam de outros assuntos e não se o candidato já respondeu a inquéritos ou ações judiciais por improbidade administrativa, assalto a mão armada ou homicídio.

O usuário pode ser surpreendido com a cópia de um histórico escolar da época em que o político frequentava o ensino fundamental, reprodução da declaração de renda (que deveria estar no ícone destinado a declarar o patrimônio) ou documentos redigidos de próprio punho de que é alfabetizado. A Justiça Eleitoral do Rio admite a desatualização e alega que as informações foram entregues no fim do prazo de 30 dias estipulado para o registro dos candidatos. Mas reconhece que o sistema ainda precisa ser aperfeiçoado, pois o divulgacand 2012 com as certidões criminais é um avanço e uma importante ferramenta para o eleitor.

Para efeito de amostragem, O GLOBO se concentrou nas informações dos candidatos a prefeito e vereador do Rio de Janeiro. No site do TSE, dos oito candidatos ao Palácio da Cidade apenas Eduardo Paes (PMDB) e Cyro Gracia (PSTU) contam com nove certidões online. Entre os candidatos a vereador, foram analisados mais de 3 mil documentos de 572 candidatos o equivalente a 1/3 dos aspirantes a vaga. Do total, havia informações completas sobre os antecedentes de 67 (11,71%). De 457 (80,06%) foram localizadas de 1 a 8 certidões. Em 47 (8,21%) não havia informações. Em dois casos, havia documentos trocados: declarações de "nada consta" estavam no sistema, mas eram de outro candidato do mesmo partido. O TSE não explicou os motivos da falta de atualização.

Segurança nas urnas - Tropas federais ocupam 28 favelas para eleições

A partir desta segunda-feira, cerca de 3 mil homens do Exército e da Marinha, além de 500 agentes e delegados da Polícia Federal, ocuparão, das 8h às 18h, um total de 28 favelas no Rio, até o próximo sábado, véspera das eleições. Por dia, os 2 mil homens do Exército ocuparão quatro favelas da Zona Oeste em que há presença de milícias, segundo o presidente do Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro (TRE-RJ), desembargador Luiz Zveiter, e os 1 mil da Marinha se concentrarão em uma comunidade, sempre no Complexo da Maré. Ao GLOBO, Zveiter disse que no dia das eleições, todas as comunidades serão ocupadas pelas tropas federais. Na sexta-feira, o TRE-RJ vai inaugurar um centro de controle informatizado, por meio do qual será monitorada a movimentação das tropas.

Análise de Lewandowski pode ajudar José Dirceu

Ao condenar oito dos dez réus acusados de corrupção passiva por terem recebido dinheiro do valerioduto, o revisor do processo do mensalão, Ricardo Lewandowski, pode estar abrindo as portas para absolver parte dos corruptores — entre eles, o ex-chefe da Casa Civil José Dirceu, integrante do chamado núcleo político do esquema.

Para condenar os oito, o ministro Lewandowski se rendeu à tese de que não é necessário apontar um ato de ofício — ou seja, uma providência que o agente público poderia tomar em troca da propina —, mas apenas comprovar o recebimento da vantagem indevida. Lewandowski ressaltou que, em alguns casos, não havia prova alguma do ato.

Por outro lado, há quem defenda no Supremo Tribunal Federal (STF) que, para condenar alguém por corrupção ativa, é necessário apontar um ato de ofício.

Miséria no país caiu só 5,5% em dois anos

A pobreza extrema ainda atinge 8 milhões de pessoas no país, segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios 2011 do IBGE. A queda foi de apenas 5,5% frente a 2009, quando o Brasil tinha 8,5 milhões de miseráveis. Segundo especialistas, a possibilidade de erradicação da miséria até 2014, meta anunciada pelo governo Dilma Rousseff, é remota.

Idosos são 30% dos internados

Os idosos são 30% dos pacientes nas quatro maiores emergências do Rio. Apesar de o estado ser o segundo do país em população mais velha, o número de asilos públicos ainda não atende à demanda: são apenas 17. Só a prefeitura recebe por mês 80 pedidos de vagas.

Capriles lota o Centro de Caracas

Numa demonstração de força, o opositor Henrique Capriles atraiu centenas de milhares ao comício final da campanha em Caracas, e criticou Chávez por doar dinheiro para a Vila Isabel. Já para o presidente, "é impossível a burguesia vencer".

Franceses vão às ruas contra aperto

Milhares de pessoas protestaram em Paris contra as regras que limitam o déficit público na União Europeia. Foi a primeira grande exibição de insatisfação com o presidente François Hollande, desde sua eleição, em maio.

Correio Braziliense

Ciência mais perto da vacina contra a Aids

Algumas poucas pessoas nascem com uma resistência natural à multiplicação do HIV, o vírus da Aids, no organismo. Com base nessa constatação simples, um grupo de pesquisadores internacionais — que inclui cientistas brasileiros — investiga as propriedades das células T CD8, espécie de tropa de elite do sistema imunológico capaz de identificar e destruir os linfócitos usados pelo vírus como “cavalos de Troia”. O experimento deu certo com macacos afetados pelo vírus SIV, muito parecido com o que ataca o ser humano. Embora infectados, os animais não desenvolveram a doença. “Com o tipo de vacina que estamos fazendo, as pessoas seriam infectadas, mas controlariam o vírus”, diz David Watkins, um dos participantes da pesquisa.

Semana decisiva para Dirceu, Genoino e Delúbio

STF começa a julgar os três petistas,no processo do mensalão,por corrupção ativa.Se condenados, podem pegar até 12 anos de cadeia.

Educação: brasilienses estudam mais

O número de moradores do DF com 15 anos ou mais de educação formal é o maior do país — e esse contingente cresce rapidamente, apontam dados divulgados pelo IBGE.

Acaba lua de mel na França

Pela primeira vez, François Hollande é alvo de protesto nas ruas. Convocadas por partidos de esquerda, milhares de pessoas se manifestaram contra as políticas de austeridade do presidente.

Aeroportos: os voos que tiram do sério
A Anac recebeu 24,7 mil queixas só em 2011. Os motivos? Falta de informações, extravio de bagagem, atrasos e overbooking. Mas empresas seguem livres de pressões da agência reguladora.

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!