Nos jornais: bilhete levou Dilma a ser torturada em Minas

Correio Braziliense mostra as confissões da presidenta sobre os horrores vividos durante a ditadura militar. Jornais destacam eleições na Grécia, Rio+20 e pesquisa para a eleição de São Paulo

Correio Braziliense

Bilhete levou Dilma a ser torturada em Minas

"Orós,peço-lhe procurar com urgência a Stela e mandá-la procurar por João, à rua Oruá, 246, no bairro S. Paulo, para discutir um troço. Se não conseguir encontrá-la, vá você mesma. É importantíssimo. Saudações de Gabriel"

Apesar de ter sido escrito na surdina, o bilhete enviado por Gabriel, codinome de Ângelo Pezzuti, principal dirigente da Comando de Libertação Nacional (Colina) em Belo Horizonte, consegue preservar a correção gramatical e demonstrar a urgência do momento. Preso na Colônia Magalhães Pinto, a Penitenciária de Neves, na Grande BH, Gabriel tentava escapar da prisão, como outros companheiros, envolvendo no ousado plano de fuga a jovem militante política Estela, codinome de Dilma Rousseff, que mais tarde seria eleita democraticamente à Presidência do Brasil. Ele pensou que poderia contar também com a ajuda de Oroslinda Maria Taranto Goulart, a Orós, que era do setor operário da Organização Políticos (OPM). Mas a verdade é que a mensagem (leia reprodução nesta página) nunca chegaria às mãos de nenhuma das duas militantes políticas, sendo interceptada pelos agentes da repressão.

Por causa desse e de outros 21 bilhetes endereçados a Dilma (Estela), a Oroslinda (de codinome Mônica) e a outros companheiros de militância, Dilma voltaria a ser torturada, agora nos porões da ditadura de Juiz de Fora, em Minas. Ao descrever os sistemas de troca de guarda, as cinco galerias de celas e inclusive desenhar o mapa da penitenciária, Pezzuti involuntariamente despertou a suspeita de que havia militantes infiltrados em órgãos de segurança de Minas.

Crise global: Grécia diz sim ao euro

Eleitores foram às urnas e dão vitória ao partido de direita Nova Democracia, liderado por Antonis Samaras. Defensor da manutenção do país na Eurozona, a eleição dele foi recebida com alívio na União Europeia.

Hollande obtém apoio da maioria no parlamento

Cabe ao Senado fechar brechas da Lei Seca

Operação Monte Carlo: conselho pede hoje a cassação de Demóstenes

Futuro do senador, acusado de quebra de decoro, começa a ser definido pelos integrantes do Conselho de Ética. Caso aprovem relatório, perda de mandato será votada em plenário. Defesa do político tenta adiar a sessão.

Congresso com a cabeça nas urnas

Cento e trinta e um deputados e seis dos 81 senadores devem disputar as eleições municipais e travar ainda mais os trabalhos no Congresso Nacional, segundo levantamento feito pelo Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap). Além das atividades e votações que podem ser comprometidas, a corrida ameaça também os trabalhos da CPI mista do Cachoeira, que, sem avanços significativos, pode servir de palanque ou atrapalhar os que tentam uma vaga nos Executivos locais. Considerando titulares e suplentes, chega a 8% o número de pré-candidatos na comissão.

Entre os divididos, eles está o senador Humberto Costa (PT-PE), que é candidato à prefeitura de Recife. Costa tem se dedicado a resolver os entraves com o PT no Recife, à CPI do Cachoeira e ao relatório que apresentará amanhã no Conselho de Ética sobre o processo de quebra de decoro do senador Demóstenes Costa (sem partido-GO).

Os dados do Diap ainda são preliminares, pois levaram em consideração as pré-candidaturas, já que o prazo para as convenções dos partidos, que oficializa os escolhidos pelas legendas para disputarem os cargos, foi aberto em 10 de junho e vai até 30 deste mês. Mesmo antes das campanhas começarem, o foco nas eleições municipais já causa transtornos. Na Câmara, o número de candidatos representa um quarto dos deputados atuais. Os três vice-líderes do governo com assento na Comissão Mista de Orçamento — Gilmar Machado.

Guerra nos bastidores

Polarizada entre o tucano José Serra e o petista Fernando Haddad, a disputa pela prefeitura de São Paulo encerra, em seus bastidores, uma guerra não menos acirrada. Será o quarto embate entre os marqueteiros Luiz González, que cuidará da imagem de Serra, e João Santana, que trabalhará com o petista. Enquanto nas pesquisas o novato Haddad sua a camisa para superar o favoritismo do veterano tucano, no ranking das campanhas Santana detém vantagem sobre González. Nas três vezes em que os dois se enfrentaram, Santana venceu duas — na reeleição de Luiz Inácio Lula da Silva para a Presidência da República, em 2006, e em 2010, na vitória de Dilma Rousseff contra Serra. González se saiu melhor na contenda entre Gilberto Kassab e Marta Suplicy pela prefeitura de São Paulo, em 2008.

João Santana trabalha com o PT há 10 anos, mas conquistou a fatia nobre das campanhas em 2006, quando assumiu a campanha de Lula pela reeleição. González lida com candidatos tucanos há 18 anos. A longevidade das parcerias ressalta o peso que a atividade tem hoje nas disputas eleitorais. "O marquetólogo constrói a identidade entre a imagem do candidato e o que o eleitor espera dele", diz o especialista em marketing político Carlos Manhanelli.

O "infalível" Lula se complica

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva sempre foi considerado no PT um gênio político, alguém com sensibilidade e habilidade suficientes para enxergar além do que os demais correligionários poderiam perceber. Foi assim quando decidiu desprezar o PMDB, em 2002, para convidar Dilma Rousseff como ministra de Minas e Energia. Também foi considerado um mágico ao escolher a própria Dilma como candidata a presidente em 2009. Amparado em sua popularidade, elegeu a ex-chefe da Casa Civil e consolidou a percepção de que é infalível em suas análises. Essa infalibilidade, contudo, está em xeque e Lula, antes mítico, passou a ficar sobre pressão.

Três erros políticos foram identificados nos primeiros meses deste ano: em São Paulo, em Recife e em Fortaleza. Na capital paulistana, Lula impôs o ex-ministro da Educação Fernando Haddad como o candidato do PT à prefeitura. Atropelou as instâncias partidárias e pediu que a presidente Dilma convencesse a senadora Marta Suplicy a abrir mão de disputar as prévias internas. Marta concordou, mas não se engajou na campanha do colega.

Funcionalismo: governo refaz os cálculos e freia reajuste

Baixo crescimento da economia e crise global empurram para 2014 as previsões de aumento dos servidores, que prometem greve geral a partir de hoje. A distorção salarial entre as carreiras é outro problema enfrentado por Dilma.

Folha de S. Paulo

Exposto na TV e 'colado' em Lula, Haddad sobe 5 pontos

Com grande exposição na TV e apoio explícito do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e da presidente Dilma Rousseff, Fernando Haddad mais que dobrou seu percentual de intenção de voto para a prefeitura paulistana. Pesquisa feita pelo Datafolha na quarta e quinta-feira da semana passada mostra o petista com 8%. No início de março, ele tinha 3%. Os resultados foram divulgados pelo "TV Folha" de ontem.

José Serra (PSDB) continua na liderança, com 30%, mesmo índice de março. Em segundo vem Celso Russomanno (PRB), com 21%. Haddad aparece embolado no patamar em que também estão Soninha (PPS), Netinho de Paula (PC do B), Gabriel Chalita (PMDB) e Paulinho da Força (PDT), num cenário com dez pré-candidatos, mas foi o único a ter um crescimento expressivo.

Influência de ex-presidente cai 10 pontos, diz Datafolha

A pesquisa Datafolha realizada na semana passada mostra que caiu a importância do apoio do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para a escolha de um candidato pelo eleitor paulistano. Questionados, 39% dizem que o endosso de Lula poderia influenciar positivamente seu voto. O índice é dez pontos percentuais menor que o verificado em janeiro.

Lula, porém, continua a ser o melhor cabo eleitoral entre os nomes pesquisados pelo Datafolha. Depois vêm o governador Geraldo Alckmin (PSDB), com 29%, e a presidente Dilma Rousseff (28%).

Governo é incerto após eleição na Grécia

O partido conservador Nova Democracia, favorável, ainda que com ajustes, ao pacote de austeridade imposto à Grécia pela União Europeia, venceu as eleições parlamentares de ontem no país.

Mas a formação de um novo governo que aceite o pacote, crucial para o país manter-se na zona do euro, ainda é incerta. A sigla terá de negociar a formação de uma coalizão com outras legendas.

Com 97% dos votos apurados, o Nova Democracia tinha 29,7% e 129 cadeiras no Parlamento, menos do que as 151 que garantem a maioria.

Presidente do TRE-SP diz que é alvo de 'dois pesos'

O presidente do TRE (Tribunal Regional Eleitoral) de São Paulo, Alceu Penteado Navarro, 67, afirmou ser alvo de "dois pesos e duas medidas" depois de ser afastado do Tribunal de Justiça paulista. Navarro é investigado por supostamente ter liberado e recebido pagamentos privilegiados no TJ. Ele teve ameaçado seu posto no TRE, mas foi mantido pela Justiça Eleitoral.

"Eu sou um bandido de toga quando cometo um erro. Já quando o presidente comete, é um simples esquecimento, um descuido", afirmou.

Depoimento de Dilma revela novas torturas

Documentos arquivados em uma sala do Conedh-MG (Conselho de Direitos Humanos de Minas Gerais), em Belo Horizonte, revelam torturas sofridas pela presidente Dilma Rousseff durante a ditadura militar (1964-85).

Até agora, só se sabia que Dilma tinha sido torturada por militares em São Paulo e no Rio. Em depoimento de 2001, contudo, ela conta que também foi torturada em Juiz de Fora (MG), para onde foi levada em janeiro de 1972.

O testemunho, prestado a integrantes do Conedh-MG, foi revelado ontem pelo "Correio Braziliense". Segundo o jornal, durante a tortura os militares indagaram sobre um plano de fuga de Ângelo Pezzuti, ex-líder do grupo Colina, no qual Dilma militou.

Conselho deve aprovar cassação de Demóstenes

A maioria dos integrantes do Conselho de Ética do Senado promete votar hoje pela cassação do senador Demóstenes Torres (ex-DEM-GO), segundo enquete da Folha. Dos 15 membros, 8 disseram que votariam pela perda do mandato do ex-líder do DEM, suspeito de ter usado seu mandato em favor do empresário Carlinhos Cachoeira. O número é suficiente para cassar o mandato de Demóstenes no conselho. Mas, para que a cassação se concretize, ela ainda precisa passar pelo plenário do Senado, onde a votação é secreta.

O Globo

Vitoria de conservadores na Grécia dá nova chance ao euro

Os eleitores gregos votaram ontem e indicaram que desejam permanecer na zona do euro. Com 99% das urnas apuradas, o partido conservador Nova Democracia, liderado por Antonis Samaras, obteve 29,7% dos votos, número que o autoriza a negociar uma coalizão de partidos favoráveis ao acordo fechado entre governo o anterior e a União Europeia. Principal opositor dos pacto pró-austeridade, o esquerdista Alexis Tsipras prometeu manter a oposição ao plano. Seu partido, o Syriza, obteve 26,9% dos votos. Os mercados reagiram com otimismo à vitória dos conservadores, também celebrada na Europa e nos EUA.

Fraude começou na campanha

As fraudes praticadas pelo deputado João Carlos Bacelar (PR-BA) começaram antes mesmo do exercício do mandato, com caixa 2 e compra de líderes de sua base eleitoral. O GLOBO revelou ontem que Bacelar comprou emendas parlamentares de outros deputados federais baianos. Mas suas irregularidades começam ainda durante a campanha eleitoral. Quem garante é a ex-mulher do parlamentar, Isabela Suarez, a mesma que confirmou a existência do esquema de compra de emendas.

Numa conversa com a irmã do deputado, que trava com ele uma disputa judicial, Isabela elencou os gastos de campanha do parlamentar. Segundo ela, o ex-marido bancou boa parte da campanha de deputados estaduais e só em sua própria campanha gastou R$ 6 milhões, quase 20 vezes mais que os R$ 356 mil que Bacelar declarou ter gasto ao Tribunal Superior Eleitoral.

Maioria absoluta fortalece Hollande

Os socialistas conquistaram maioria absoluta no Parlamento francês, dando ao presidente François Hollande as melhores condições para governar, sem precisar fazer alianças para aprovar suas reformas.

Rio propõe corte de 12% nas emissões

A prefeitura do Rio vai propor redução de 12% nas emissões de gases do efeito estufa até 2016 para 58 metrópoles do mundo. A sugestão deve ser encaminhada à Cúpula dos Prefeitos, a C-40, que acontece no Forte de Copacabana. As cidades deverão ter metas globais e individuais que sejam programadas até 2030. O secretário municipal de Meio Ambiente, Carlos Alberto Muniz, disse que o Rio já tem condições de diminuir as emissões em 8% só por conta do fechamento do Aterro de Gramacho, que aconteceu há menos de um mês. Além disso, para alcançar a meta, a cidade conta com a conclusão dos BRT Transoeste, Transbrasil, Transcarioca e Transolímpico.

Patriota diz que documento é o possível

O ministro das Relações Exteriores, Antonio Patriota, rebate as críticas de que falta ambição ao documento que os negociadores da Rio+20 estão fechando no Riocentro. Ele acredita na convergência sobre temas básicos, num texto mais enxuto: “Se você deixa muita coisa em aberto, não conclui nunca”, disse.

Dilma sobre tortura:‘Marca está em mim’

Em depoimento dado em 2001, Dilma revelou que levou socos ao ser torturada na década de 1970. “O dente se deslocou e apodreceu”, contou, dizendo-se marcada “pelo resto da vida”.

O Estado de S. Paulo

Dilma prepara cobrança por ação imediata na Rio+20

Rascunho do discurso que a presidente Dilma Rousseff prepara para a quarta-feira na Rio+20, quando começa a reunião dos chefes de Estado, cobra o compromisso de líderes mundiais com ações imediatas para combater a extrema pobreza e conter efeitos das mudanças climáticas. A proposta, porém, é adiar a definição de fontes de financiamento. Com isso, o debate não ficaria contaminado pela crise econômica global. O governo brasileiro quer cobrar a definição imediata de objetivos de desenvolvimento sustentável, mas eles começariam a vigorar a partir de 2015. A versão mais recente do documento final apresentada pelos negociadores brasileiros anteontem prevê discussão até 2014 dos chamados “meios de implementação”, a ajuda aos países mais pobres. Nesse debate será considerado o uso de recursos privados, e não só de orçamentos públicos.

Direita vence na Grécia e quer coalizão pró-euro

Antonis Samaras, líder do partido conservador Nova Democracia (ND), venceu ontem as eleições parlamentares e deve se tornar o novo primeiro-ministro da Grécia. O resultado alivia, por ora, as pressões para que o país mais endividado da União Européia deixe a zona do euro, informa o enviado especial Andrei Netto. Hoje, o ND abre negociações oficiais para formar um governo de coalizão com o Partido Socialista e legendas menores. Com 97,19% das umas apuradas, o partido de Samaras tinha 29,69% dos votos, elegendo 129 deputados. Em segundo, com 26,87%, estava a Coalizão de Esquerda Radical (Syriza). Com a vitória da direita, o ministro das Relações Exteriores da Alemanha, Guido Westerwelle, sinalizou que pode haver revisão de prazos para o cumprimento do segundo plano de socorro à Grécia. O resultado também aliviou a pressão sobre o G-20, que inicia hoje reunião de cúpula.

‘Eu vou falar do mensalão’, diz réu candidato

Único dos 38 réus do mensalão a disputar as eleições municipais de outubro, o deputado João Paulo Cunha (PT), pré-candidato à prefeitura de Osasco, diz não temer o uso político do escândalo.

Relato de Dilma detalha tortura sofrida em MG

Em depoimento ao Conselho de Direitos Humanos de Minas Gerais, divulgado ontem pelo jornal Estado de Minas, a presidente confirmou ter sofrido agressões quando esteve presa no Estado, em 1972.

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!