Nos jornais: BB cobrará na Justiça verba desviada por mensaleiros

No julgamento do mensalão, STF determinou que houve desvio de R$ 73,8 milhões da cota do banco no fundo Visanet para Marcos Valério. O Estado de S. Paulo e Correio Braziliense mostram que prisões causam mal-estar entre Joaquim e juiz da VEC

O Globo

BB cobrará na Justiça verba desviada por mensaleiros

Depois das primeiras prisões de condenados do mensalão, começam as movimentações para tentar reaver o dinheiro público desviado no esquema. Enquanto a Advocacia Geral da União (AGU) estuda formas de cobrar R$ 536 mil desviados da Câmara, o Banco do Brasil dá os primeiros passos atrás dos recursos que abasteceram o chamado valerioduto.

Segundo o Supremo Tribunal Federal (STF), R$ 73,8 milhões da cota do BB no fundo Visanet foram repassados ao operador do mensalão, Marcos Valério, e utilizados para pagar propina a deputados aliados do governo Lula, entre 2003 e 2005.  Na última quinta-feira, três dias após O GLOBO perguntar se o BB iria cobrar a devolução dos recursos, os advogados do Banco do Brasil foram ao STF e pediram vista de toda a ação penal 470.

O acórdão da Corte diz que ficou comprovada a transferência de “vultosos” recursos da cota do BB no fundo Visanet para o núcleo publicitário do esquema. O fundo é utilizado por bancos que operam com a bandeira do cartão de crédito Visa. O STF entendeu que a parte que cabia ao BB foi desviada para Valério.  A cobrança do valor desviado pela direção do BB é tema delicado para o PT, partido que está no comando do Executivo federal e, ao mesmo tempo, contesta as conclusões do STF sobre o mensalão.

Dirceu e Delúbio têm regalias na prisão da Papuda

Na última quinta-feira, José Dirceu, ex-ministro da Casa Civil, e Delúbio Soares, ex-tesoureiro do PT, saíram da cela para se encontrar com parlamentares no prédio da administração do presídio, que fica fora da área onde estão os blocos e alas do Centro de Internamento e Reeducação (CIR). José Genoino, ex-presidente do PT, já tinha sido levado para o hospital.

Apenas Romeu Queiroz, ex-deputado federal por Minas Gerais, e Jacinto Lamas, ex-tesoureiro do PL (hoje PR), estavam na cela. Resignados, não demonstravam indignação com a pena de prisão nem com as condições de reclusão. Pelo contrário: os dois elogiaram o tratamento recebido na cadeia. Reclamaram apenas que a comida poderia ser “um pouco melhor’  — Aqui na cela somos três advogados e temos ciência do que estamos passando — disse um deles quando abordado por uma autoridade.

Condenados por esquema terão problemas para pagar multas

A julgar pelo patrimônio declarado à Justiça, alguns condenados no julgamento do mensalão devem ter dificuldade para pagar as multas, no total de R$ 27,27 milhões, aplicadas pelo Supremo Tribunal Federal (STF), como punição complementar às prisões. Eles disseram ter patrimônio em valor inferior ao da sanção aplicada e têm ainda bens bloqueados em outros processos.  Caso o condenado não quite a multa, o juiz de Execução Penal pode determinar a penhora de seus bens.

País terá 2 classes de aeroportos

O bom resultado do leilão dos aeroportos de Galeão e Confins ( MG) — comprados na sexta-feira por alguns dos melhores operadores do planeta, o Changi, de Cingapura, e Zurique/Munique, respectivamente — deixará evidente uma divisão no setor aeroportuário brasileiro. De um lado terminais privados, mais eficientes, e de outro os cerca de 60 aeroportos da Infraero, às voltas com problemas que se repetem e irritam os passageiros.

A primeira leva de aeroportos privatizados — Guarulhos e Viracopos, em São Paulo, e o terminal de Brasília, que foram para a iniciativa privada em 2012 — começa a entregar as melhorias aos passageiros nos próximos meses. No Galeão, como os principais problemas são de gestão, as mudanças devem ser sentidas imediatamente. Assim, em 2014, o brasileiro viverá na prática o abismo que deve separar a qualidade dos serviços dos aeroportos privados da dos terminais estatais.  — Ficarão mais evidentes os problemas da Infraero.

Fiscais se vendem até por pneu novo

Peças de picanha serviram como compensações ambientais na cidade de Goiânia. Multas também foram canceladas em troca de garrafas de uísque e pneus. A partir de R$ 75, alvarás e vistorias de obras ganharam agilidade em  sua tramitação na prefeitura de Porto Alegre. Esses são alguns exemplos recentes de casos de corrupção em prefeituras que estão sob investigação do Ministério Público, e revelam como a prática está enraizada na administração pública, e que facilidades são oferecidas em troca de quase nada.

Para Controladoria de SP, investigação está ‘só no começo’

Desde que assumiu a Controladoria Geral da prefeitura de São Paulo ( CGM), em janeiro, o controlador Mário Spinelli, de 42 anos, já participou da prisão de 11 servidores da prefeitura, dos quais cinco foram flagrados recebendo propinas em dinheiro vivo e quatro já foram demitidos. Os demais aguardam o desfecho dos processos administrativos para serem afastados definitivamente. Quando lhe perguntam o que ainda falta acontecer, Spinelli diz que o que aconteceu até agora “está só no começo dando indícios de que mais gente ainda irá para a prisão nos próximos dias”.

Com medo da fuga de aliados, Lula cobra ação política de Dilma

O ex-presidente Lula anda desgostoso com o que considera exemplos de falta de traquejo político de dois “postes” criados por ele: a presidente Dilma Rousseff e o prefeito de São Paulo, Fernando Haddad. Mesmo com a recente disposição de Dilma de agradar um pouco mais os políticos, Lula tem reclamado da preferência da presidente por quadros técnicos em seu Ministério.

A estratégia presidencial no ‘Face’

A estreia da presidente Dilma Rousseff no Facebook foi minuciosamente planejada pela equipe responsável pela interação da petista na internet, tendo o perfil do presidente americano, Barack Obama, como modelo a ser seguido. Obama, do alto de seu 1,5 milhão de seguidores, conta 2% dos usuários do Facebook, meta que o Planalto secretamente almeja para Dilma. Antes de a página da presidente ser lançada em uma das principais redes sociais da web, foi feito levantamento sobre o desempenho dos perfis dos potenciais concorrentes de Dilma em 2014 na rede — Marina Silva, Aécio Neves, Eduardo Campos e José Serra, bem como a página do aliado Luiz Inácio Lula da Silva.

Vídeos íntimos nas redes reabrem debate sobre machismo no Brasil

Casos recentes de exposição da intimidade de mulheres na internet, como o da adolescente de 17 anos que se suicidou após ter um vídeo íntimo divulgado na rede por um ex-namorado, têm suscitado no Brasil um debate sobre machismo. Para Monalisa Barros, psicóloga e membro do Conselho  Federal de Psicologia, o fenômeno, conhecido como pornografia de vingança, é uma reedição da violência de gênero, nova modalidade de violência contra mulher.  — o Brasil tem números absurdos de violência de gênero.

O Estado de S. Paulo

Insatisfeito com penas, Barbosa quer troca de juiz

Insatisfeito com decisões consideradas benevolentes com os presos, o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Joaquim Barbosa, quer tirar a execução das penas dos condenados por envolvimento no mensalão das mãos do juiz Ademar Silva de Vasconcelos, da Vara de Execuções Penais do Distrito Federal.

De acordo com integrantes do Supremo, Barbosa estaria pressionando o presidente do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios (TJDFT), Dácio Vieira, a retirar o processo das mãos do juiz titular da Vara de Execuções Penais, Ademar de Vasconcelos. Também de acordo com integrantes da suprema corte, o processo seria transferido para o juiz substituto Bruno André Silva Ribeiro.

Atual sistema político 'favorece a corrupção', avalia PT

Em nova tentativa de sair da defensiva após a prisão dos condenados do mensalão, o PT critica agora a exigência de um "presidencialismo de coalizão" pelo atual sistema político-eleitoral. Na avaliação do partido, esse modelo "favorece a corrupção e corrói o conteúdo programático da ação governamental".

Documento a ser apresentado no 5º Congresso do PT, de 12 a 14 de dezembro, em Brasília, diz que o sistema político de hoje, com financiamento privado de campanha, é uma "camisa de força" a impedir transformações mais profundas.

Ex-superconsultor adapta negócios à realidade da prisão

Já condenado a 7 anos e 11 meses de prisão por corrupção ativa e aguardando o julgamento de embargo infringente sobre formação de quadrilha em 2014 - que pode levar a pena a mais de 10 anos - o ex-ministro José Dirceu pretende manter uma estrutura modesta de apoio político e profissional no período de cumprimento da pena. Sua principal base operacional, uma casa de cerca de 500 m2 em São Paulo, na Avenida República do Líbano, a 300 metros do Parque do Ibirapuera, foi colocada à venda, com opção de ser locada.

Os Pizzolato e o fugitivo do sul

Patrizia, Fabrizio, Marnella, Giovanni e pelo menos outras duas mil pessoas na Itália têm algo em comum: o Pizzolato como sobrenome. Mas essa não é a única coisa que compartilham. Muitos deles não tinham a mais remota ideia de que um parente distante no Brasil havia sido condenado e estava em fuga.

Enquanto no Brasil o escândalo da fuga do ex-diretor do Banco do Brasil é destaque, na Itália o caso passou sem qualquer alarde durante a semana - mesmo quando o governo resolveu fazer declarações a respeito.

A família Pizzolato vem da região do Vêneto, de onde os primeiros registros de nobres do século 14 se espalharam pela Itália. Nos anos 80, outro Pizzolato - Orlando - virou ídolo nacional ao vencer duas maratonas seguidas em Nova York.

Elite belorizontina diante do escândalo

"Em Minas se admite de tudo, menos escândalo." A frase já foi atribuída tanto a Pedro Aleixo, da UDN (antigo partido conservador) quanto a Último de Carvalho, do PSD (principal rival da UDN, também extinto). O que só atesta a sua abrangente verdade. Em sua folclórica discrição, muitos mineiros estão abalados com o escândalo do mensalão, que tem em Belo Horizonte a maior concentração de envolvidos.

MPs de Dilma oneram contas públicas em R$ 96,3 bilhões

As propostas que a presidente Dilma Rousseff enviou este ano ao Congresso na forma de medidas provisórias (MPs) provocam um impacto nas contas públicas de R$ 96,3 bilhões nos próximos anos. É o que mostra levantamento feito pelo "Estado".

A contradição entre discurso e ação ficou explícita na própria terça-feira. No mesmo dia em que parlamentares se comprometeram a não ampliar gastos, eles aprovaram, por orientação do governo, a criação de uma estatal para programas de extensão rural e aumento do quadro de funcionários do Departamento Nacional de Infraestrura.

O cálculo contempla aumentos de despesa em relação ao previsto no ano e as propostas que envolvem renúncia de arrecadação. Ás estimativas foram feitas pelo governo e estão nas exposições de motivos, textos explicativos que devem acompanhar cada uma das MPs.

As propostas, feitas ao longo de todo o ano, contrastam com o discurso de austeridade que o governo adotou neste final de ano e que foi reforçado pela presidente nos últimos dias, num esforço para recuperar a credibilidade no mercado. No microblog Twitter, ela reafirmou a intenção de cumprir a meta de resultado das contas públicas - tarefa facilitada pela aprovação, esta semana, de uma regra que desobriga o governo federal de fazer uma economia extra para compensar a insuficiência de resultado de Estados e municípios.

Transportes: investimento cai

Em 2011, ano da “faxina" na pasta, os investimentos de janeiro a outubro somaram RS 10,7 bilhões. Em 2013, foram R$ 7,9 bilhões.

Embraer inova com cargueiro gigante

O gigante está trancado em uma sala grande como ele mesmo, um prédio inteiro para acomodar com folga o corpo de 35 metros. O modelo em escala real do novo jato da Embraer, o cargueiro militar KC-390, criado para cumprir várias missões, fica isolado na reservada unidade de Eugênio de Melo, a 20 quilômetros da sede da empresa em São José dos Campos. O jato em modelagem ainda está sem as asas - seriam necessários outros 35 metros.

Do mesmo local, há pouco menos de 40 anos, o Brasil influenciou guerras travadas no Oriente Médio e no norte da África, armou Exércitos latinos e equipou ex-colônias portuguesas, Em certa época, o complexo de Eugênio de Melo abrigou a extinta Engesa - de onde saíram os blindados batizados com nomes de serpentes brasileiras, Urutu e Cascavel.

O tempo é outro e a influência está regida pelo mercado. O KC-390 é uma iniciativa focada na ampla demanda internacional detectada pela Embraer - cerca de 700 aeronaves desse tipo serão negociadas em dez anos por US$ 50 bilhões. "Acreditamos que poderemos entrar na disputa por alguma coisa como 15% desse total, na faixa de 105 unidades", diz o presidente da Embraer Defesa e Segurança, Luiz Carlos Aguiar.

Política que separa famílias

Milhares de crianças e jovens nascidos nos EUA estão ficando “órfãos” em razão do drástico aumento das deportações registrado no governo de Barack Obama, informa Cláudio Trevisan.

EUA, UE e Irã se reúnem por acordo

O secretário de Estado americano, John Kerry, se reuniu ontem em Genebra com o ministro das Relações Exteriores do Irã, Mohamed Javad Zarif e com a chefe de diplomacia da União Europeia, Catherine Ashton, para discutir os pontos de divergências que ainda impedem a assinatura de um acordo preliminar sobre o programa nuclear iraniano. Antes, Kerry se encontrou com o chanceler russo, Sergei Lavrov.

Entre a noite de sexta-feira e a manhã de ontem, houve avanços nas negociações que fizeram com que os chanceleres do grupo 5+1 (EUA, China, Rússia, Grã-Bretanha, Alemanha e França) viajassem para Genebra para dar um impulso final à diplomacia com o objetivo de alcançar um acordo. Até a tarde de ontem, no horário de Brasília, o clima era de cautela.

Gestão privada acelera obras em aeroportos

Cerca de um ano depois de serem transferidos para a gestão privada, os aeroportos de Brasília, Guarulhos e Viracopos têm suas obras de ampliação adiantadas, novas lojas, mais estacionamentos e banheiros reformados. Os passageiros, no entanto, ainda circulam em terminais lotados e companhias aéreas e lojistas reclamam de aumento de preços pelas novas operadoras.

Neste momento, as concessionárias correm contra o tempo para entregar as principais obras de ampliação antes da Copa do Mundo. Em Guarulhos, cerca de 8.000 pessoas trabalham na construção do terceiro terminal de passageiros. Em Viracopos, as obras do novo terminal, que substituirá o atual, recebem cobertura para evitar interrupções com as chuvas de verão. Em Brasília, as obras são feitas no terminal em operação, que terá sua capacidade ampliada em 30% na primeira fase. A meta das administradoras é terminar as principais reformas e ampliações em maio de 2014.

Líder do PSDB exige explicação de Cardozo

O líder do PSDB na Câmara dos Deputados, Carlos Sampaio (SP), disse ontem que vai requerer uma audiência pública na Comissão de Fiscalização e Controle para esclarecer a participação do ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, e do presidente do Cade, Vinícius Carvalho, no envio à Polícia Federal de um documento contendo denúncias contra tucanos. Secretários do governo de São Paulo são acusados de ligação com esquema de cartel das licitações de metrô e trens em São Paulo.

'Marina precisa flexibilizar discurso'

Primeiro ministro da Agricultura na gestão Lula, o engenheiro agrônomo Roberto Rodrigues foi chamado pelo governador de Pernambuco, Eduardo Campos, provável candidato do PSB à Presidência no ano que vem, para reduzir a resistência do agronegócio ao embarque de Marina Silva em seu projeto. Ele conseguiu cumprir a missão, mas alerta que a ex-ministra do Meio Ambiente precisa "flexibilizar" seu discurso se quiser o apoio do setor em 2014.

Correio Braziliense

Prisões causam mal-estar entre Barbosa e juiz

O relacionamento conturbado entre o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Joaquim Barbosa, e o titular da Vara de Execuções Penais (VEP), responsável pelas prisões dos condenados no mensalão, Ademar Silva de Vasconcelos, colocou o juiz sob forte pressão. A ponto de ser avaliada a possibilidade de afastamento do magistrado do processo ou até a remoção para outra vara do Tribunal de Justiça do Distrito Federal (TJDF). Barbosa tem dito a pessoas próximas que o juiz está atrapalhando o andamento dos trabalhos de conclusão da Ação Penal 470 e chegou mesmo a criticar o tamanho da vaidade de Ademar. O juiz, por sua vez, tem reclamado de que o presidente do STF estaria usurpando a sua competência para definir o dia a dia dos presos no complexo da Papuda.

O Brasil em preto e branco

O Brasil, se dividido pela cor da pele, seria dois países distintos. Um, formado por uma população branca, que ocuparia a 65ª posição no ranking do Índice de Desenvolvimento Humano (IDH). Outro, de negros e pardos, estaria relegado ao fim dessa fila, no 102º lugar. Os dados evidenciam o tamanho e a persistência da desigualdade racial que ainda reina no país, a despeito de todos os avanços sociais da última década.

Calculados pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), com base no IDH da Organização das Nações Unidas (ONU), que põe o Brasil na 85ª posição numa lista de países ordenados de acordo com as condições de vida da população, os dois índices mostram que a longa distância que os separa exige ações concretas do governo e da sociedade para corrigir problemas históricos.

Papuda sem privilégios

A partir de amanhã, o Ministério Público efetivará a recomendação, que publicou na última quinta-feira, em que pede o cumprimento das normas de isonomia de tratamento dos visitantes do sistema prisional. O órgão exige que todos sejam tratados igualmente. O texto é uma resposta à semana incomum no Complexo Penitenciário da Papuda onde se encontram os presos do processo do mensalão. Desde que foram detidos, os condenados receberam visitas em dias aleatórios, descumprindo assim, as normas do regimento. A ação do MP torna-se ainda mais evidente depois que a administração do complexo prisional sugeriu que os réus tenham um dia de visita diferente dos demais detentos, às sextas-feiras.

Nas masmorras brasileiras

Da ordem de prisão imediata às condições do cumprimento da pena, não faltaram críticas e revolta. O encarceramento dos condenados mais famosos do processo do mensalão fez petistas bradarem contra as “ilegalidades” cometidas no ato. Esqueceram-se, entretanto, de que as cadeias brasileiras são verdadeiras “masmorras medievais”, como atestou o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo. Ciente do problema, o governo do PT, há 11 anos no poder, fez pouco para mudar o quadro. Dos R$ 3,9 bilhões para investir nos presídios desde 2003, só aplicou R$ 1,8 bilhão (46% do total).

Superlotação é origem dos problemas

A superlotação leva a problemas graves, como falta de acesso à saúde, à educação e ao trabalho. Um simples agendamento no Instituto de Medicina Legal (IML) para avaliação de interno com doença grave que pede prisão domiciliar — a mesma solicitação feita pelo deputado José Genoino (PT-SP) e aceita provisoriamente — demora, pelo menos, um mês no Distrito Federal. O atendimento dentro dos presídios brasileiros, de forma geral, é precário. Há 367 médicos atendendo no sistema prisional do país — um para cada 1.494 internos. Nas unidades, também faltam professores. Só 8,6% dos presos estudam. E 20% trabalham.

Mordomias pelos céus do Brasil

Enquanto passageiros comuns enfrentam filas para embarcar e levantar voo nos principais aeroportos brasileiros, comem lanchinhos básicos servidos pelas companhias aéreas e aguardam pacientemente para pegar as malas despachadas, alguns ministros têm à disposição um cardápio completo e sofisticado quando se deslocam em aviões da Força Aérea Brasileira (FAB). E ainda contam com serviços de apoio integral na hora do embarque e do desembarque. O dinheiro público banca essa conta, que não é barata. Apenas no contrato que o Gabinete de Segurança Institucional (GSI) mantém com uma empresa fornecedora que presta serviços para pelo menos outras 12 pastas, além do Departamento de Polícia Federal, o valor desembolsado ultrapassa R$ 1,4 milhão este ano. No total, a RA Catering recebeu R$ 1,7 milhão do governo em 2013.

As Brasilias idealizadas antes de Juscelino

Estudo encomendado pelo governo brasileiro a uma empresa norte-americana delimitava cinco áreas, entre Goiás e Minas, para construir a nova capitai. Isso dois anos antes de JK decidir pela transferência.

Folha de S. Paulo

Governo paulista infla salários de servidores públicos

Um sistema generoso de avaliação do desempenho dos funcionários públicos do Estado de São Paulo tem permitido que alguns servidores estaduais consigam mais do que dobrar seus salários. Dos 570 mil funcionários públicos do Estado, cerca de 100 mil recebem prêmios de remuneração variável. Eles aumentaram sua renda mensal em 26% em junho.

Servidores com cargos administrativos e técnicos na Secretaria da Fazenda são os que tiveram maiores ganhos. Em média, eles quase dobraram sua remuneração. Os salários dos funcionários públicos são inflados por notas elevadas que recebem de seus chefes por seus resultados no trabalho.

Oito em cada dez funcionários que receberam remuneração variável em junho atingiram 90% ou mais do valor máximo de prêmio estipulado para seus cargos. Ou seja, o desempenho da vasta maioria é considerado ótimo.

Governo atribui notas elevadas a esforço de servidor

Um maior esforço por parte dos funcionários públicos é a explicação dada pelo governo de São Paulo para o bom desempenho da maioria dos servidores nos programas de avaliação individual. "Nós notamos que hoje o servidor está mais preocupado com seu desempenho", disse Davi Zaia, secretário de Gestão Pública da administração estadual paulista.

Saúde paga prêmio especial que extrapola teto

Os funcionários públicos ligados à Secretaria da Saúde podem receber prêmios especiais cujos valores ultrapassam o teto estabelecido para cargos com direito ao programa normal de remuneração variável.

Entre os cerca de 6.100 oficiais administrativos da área que receberam prêmios em junho, por exemplo, 37% ganharam mais do que o teto de R$ 300 previsto para o cargo no Prêmio de Incentivo.

Ditadura planejou sequestrar Brizola, diz ex-agente da PF

Citado com destaque em listas que reúnem nomes de torturadores da ditadura militar (1964-85), o ex-policial federal João Lucena Leal, 75, disse à Folha ter participado de uma operação do Exército para sequestrar no exílio um dos principais líderes políticos do país, na época inimigo número um dos militares.

Ele contou ter se infiltrado na fazenda onde o ex-governador Leonel Brizola vivia no interior do Uruguai, em maio de 66, com o objetivo de criar um plano para sequestrá-lo. "Os militares não queriam matar Brizola. O plano era trazer ele para o Brasil e extrair informações sobre seus contatos com Cuba", afirma.

Na época, Brizola (1922-2004) era o principal nome da oposição ao regime militar e uma das apostas de Fidel Castro para a insurreição guerrilheira na América Latina. O cubano financiava o brasileiro para que ele derrubasse a ditadura brasileira.

Ex-agente diz que menção a Jango em depoimento oficial é mentira

O ex-policial João Lucena Leal relatou o plano dos militares para sequestrar Leonel Brizola no exílio em depoimento gravado à Comissão Nacional da Verdade, em maio deste ano. O encontro com dois pesquisadores do grupo ocorreu em seu escritório, em Porto Velho (RO).

Ao depor, ele mentiu ao dizer que o presidente João Goulart (1919-76), deposto pelos militares em 1964 e também exilado no Uruguai, era outro dos alvos do sequestro.

A Folha teve acesso a um resumo do depoimento feito pela Comissão da Verdade. Confrontado, Lucena admitiu que mentira, segundo disse propositalmente, por não acreditar na Comissão da Verdade. "Jango não incomodava os militares. Brizola sim era o homem perigoso", disse.

Manobra a favor de Genoino provocou tensão na Câmara

Em uma tensa reunião a portas fechadas na quinta, o presidente da Câmara dos Deputados, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), afirmou que a Casa não tem a intenção de abraçar a "luta política do PT" para salvar o mandato de José Genoino (PT-SP).

Embora tenha se aliado ao partido para tentar acelerar a decisão sobre a aposentadoria por invalidez do petista, Alves avaliou que repercutiria "muito mal" protelar a instalação do processo de cassação, o que acabou ocorrendo.

Com base no relato de deputados que participaram do encontro, a Folha reconstituiu o debate entre Alves e o vice-presidente da Câmara, André Vargas (PT-PR).

Jefferson diz que venceu câncer, mas saúde ainda inspira cuidados

Pouco mais de um ano após descobrir um câncer no pâncreas, o ex-deputado Roberto Jefferson (PTB-RJ) cita a saúde frágil em pedido para cumprir em casa a pena que recebeu por seu envolvimento com o mensalão.

Ele ainda sofre de diabetes e hipertensão arterial, segundo laudo assinado por seis médicos e enviado ao STF (Supremo Tribunal Federal).     O petebista reapareceu mais magro e com ar abatido em Comendador Levy Gasparian (RJ), onde espera há uma semana a ordem para se entregar à Polícia Federal.

Os réus têm alguma razão ao pedir um outro julgamento

Para o constitucionalista português José Joaquim Gomes Canotilho, os réus do mensalão, julgados exclusivamente pelo STF (Supremo Tribunal Federal), têm "alguma razão" em reclamar pela análise de um segundo tribunal.

Mesmo sem ter acompanhado o caso em detalhes, ele também acha "razoável" a queixa quanto ao papel do ministro Joaquim Barbosa, presente em todas as fases do processo, do recebimento da denúncia ao julgamento.

J. J. Canotilho, como é conhecido, é tido como um dos constitucionalistas estrangeiros mais influentes no Brasil. Na seção de jurisprudência do site do STF, seu nome aparece como referência em 593 documentos. Nas 8.405 páginas do acórdão do mensalão,ele é citado sete vezes.

Impasse e acusações ameaçam eleição do PT no Maranhão

Um impasse sobre o resultado do primeiro turno da eleição interna do PT do Maranhão põe em dúvida a realização da segunda etapa da votação, marcada para hoje.

Dirigentes regionais afirmam que o partido irá às urnas, mas a direção nacional não reconhece a realização do pleito e diz que dará a palavra final sobre seu desfecho apenas em dezembro.

Nomes parecidos levam ao menos 56 à prisão em SP

Maria Aparecida foi confundida com Aparecida. Moraes, com Morais. José da Silva, com outro de mesmo nome. Todos foram presos por crimes que não cometeram. Somente em São Paulo, segundo levantamento feito pela Folha, ao menos 56 pessoas foram vítimas desse tipo de equívoco desde 1994.

Foram horas, dias e até anos de reclusão por terem nomes e sobrenomes parecidos com os dos verdadeiros suspeitos, embora não tivessem feições, nomes dos pais nem documentos semelhantes. Somados os períodos atrás das grades, essas pessoas permaneceram presas injustamente por sete anos, oito meses, 18 dias e 14 horas.

Haddad e Alckmin cantaram Adoniran em Paris em junho

Enquanto os protestos que varreriam o país tinham início em São Paulo, o governador do Estado, Geraldo Alckmin, e o prefeito da cidade, Fernando Haddad, foram à França promover a capital paulista como sede da Expo 2020. Vídeo inédito, obtido pela Folha, mostra a dupla em ação, cantando Adoniran Barbosa em Paris.

As mulheres do fiscal

As duas mulheres que giram em torno do fiscal Luís Alexandre de Magalhães, um dos pivôs da máfia do ISS em São Paulo, querem capitalizar mais que 15 minutos de fama. Recém-ingressa no "elenco" da trama, a personal trainer Nagila Coelho, que namora Luís há quatro meses, aproveita a exposição na mídia para lançar coleções de biquíni.

Produz uma série de vídeos para a internet com treinos e dieta para quem busca um "corpo sarado" - já treinou mulheres-frutas como a Moranguinho (Ellen Cardoso, mulher do cantor Naldo). Assediada por revistas masculinas, ela jura que a nudez não é sua praia.

Nesse quesito, a "rival", a ex-namorada de Luís, Vanessa Alcântara, testemunha-chave no escândalo, tem versão semelhante. Ela diz que também está sendo sondada tanto por revistas como por reality shows, mas afirma que seu foco agora é a política.

Companhias aéreas preveem queda de receita por causa da Copa

O ano da Copa não será a salvação das companhias aéreas, que amargam prejuízos bilionários e devem registrar crescimento zero neste ano. Devido ao Mundial, as empresas estimam queda de receita e de demanda no tráfego aéreo doméstico em 2014.

"O viajante a negócios que compra passagem dois dias antes pagando tarifa cheia vai desaparecer nesse período", afirma o presidente da Abear (Associação Brasileira das Empresas Aéreas), Eduardo Sanovicz. O segmento de negócios e eventos empresariais representa mais de 65% da demanda no transporte aéreo.

Atacado por ação no caso Siemens, ministro afirma que seguiu a lei

O Ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, refutou em entrevista à Folha a acusação do PSDB de que agiu segundo critérios políticos, e não jurídicos, ao encaminhar uma denúncia contra políticos tucanos, do DEM e do PMDB para a Polícia Federal.

"Qual é o papel do ministro da Justiça? É mandar apurar, com sigilo. Se não faço isso, prevarico." Cardozo contou ter recebido o documento num fim de semana, em sua casa em São Paulo, de Simão Pedro (PT), deputado estadual licenciado e secretário de Serviços da Prefeitura de São Paulo.

Ele diz não se lembrar exatamente a data da entrega. Posteriormente, o ministro diz ter enviado a denúncia ao diretor-geral da Polícia Federal, Leandro Daiello.

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!