Nos jornais: a saída para livrar os réus da cadeia

Defesas dos condenados, de acordo com o Correio Braziliense, preparam-se para pedir prisão domiciliar por conta da falta de vagas no sistema prisional. Jornais destacam que presidente do STF pode ampliar a lista de presos

Correio Braziliense

A saída para livrar os réus da cadeia

No dia seguinte à decisão do Supremo Tribunal Federal de executar a pena de 16 condenados no processo do mensalão, o presidente do STF, Joaquim Barbosa, avisou a interlocutores que os réus terão de ser presos e trazidos para Brasília. Mas a defesa dos condenados já se prepara para tentar garantir a prisão domiciliar deles. Os advogados se valerão da falta de vagas e das condições físicas de colônias agrícolas e industriais — onde detentos do semiaberto cumprem pena no Brasil — e de casas de albergado, destinadas a apenados no regime aberto.A insuficiência e as condições das 64 casas de albergado e 74 colônias agrícolas — que abrigam quase 100 mil presos no país em apenas 56 mil vagas — serão argumentos usados pelas defesas. Os advogados também alegarão que o STF já têm decisões nesse sentido, em que foi determinado a domiciliar no caso de presídios impróprios para cumprimento de semiaberto. José Antonio Álvares, defensor do deputado federal Pedro Henry (PP-MT), que se livrou da prisão, por ora, por causa dos embargos infringentes, alerta que cobrará critérios para a detenção. “Não existindo colônias, ele terá que cumprir em albergues, por exemplo”, frisou.

Cálculo das penas iniciais

A lista de condenados no processo do mensalão que terão de cumprir pena imediatamente pode subir de 16 para até 22, caso Joaquim Barbosa decida derrubar os embargos infringentes protocolados indevidamente por réus que não tiveram o mínimo de quatro votos pela absolvição. Essa é a condição para o sentenciado recorrer. Mas muitos réus que não atendiam esse critério ajuizaram o recurso mesmo assim, caso dos deputados Valdemar Costa Neto (PR-SP) e Pedro Henry (PP-MT).

Há vagas em Brasília, diz juiz

O juiz titular da Vara de Execuções Penais (VEP) do Distrito Federal, Ademar Silva de Vasconcelos, assegurou ontem que, em Brasília, não será por falta de vagas que algum condenado em regime semiaberto deixará de cumprir a pena como foi estabelecida na sentença. Ele não quis tratar especificamente do processo do mensalão, justificando que a competência originária de fazer a execução é do Supremo Tribunal Federal (STF). Porém, garantiu que há vagas tanto no Centro de Progressão Penitenciária (CPP) quanto no Centro de Internamento e Reeducação (CIR), os dois estabelecimentos onde são cumpridas as penas do semiaberto no DF.

PIB envia um alerta ao Planalto

A economia brasileira voltou a patinar. Dados divulgados ontem pelo Banco Central, por meio do IBC-Br, mostram que a atividade encolheu 0,01% em setembro e 0,12% no terceiro trimestre. Com isso, ganhou força a possibilidade de o Produto Interno Bruto (PIB) entre julho e setembro ter sido negativo — fala-se em queda de até 0,5% —, apesar de o governo insistir que há um pessimismo exagerado entre os agentes econômicos.

O dado oficial será divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) no início de dezembro e dará munição aos críticos da presidente Dilma Rousseff, apontada pela responsável pela onda de desconfiança que afastou os investimentos produtivos e pelo impacto da inflação no poder de compra das famílias.

A fragilizada democracia venezuelana

Com o discurso de combate à corrupção, Nicolás Maduro quer poderes para governar por decretos. Oposição denuncia manobras ilegais do presidente no Congresso e na Justiça.

O Globo

Barbosa pode ampliar lista de presos

Um dia após os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) decidirem pela execução imediata das penas de réus do mensalão, o presidente do tribunal, ministro Joaquim Barbosa, relator do processo, não concluiu até ontem à noite a relação oficial de condenados contra os quais serão expedidos mandados de prisão.

Assim que as ordens de prisão forem assinadas, o que pode ocorrer a qualquer momento, os presos serão levados para Brasília. Só então o juiz da Vara de Execuções Penais da capital federal decidirá onde cada um vai cumprir a pena em definitivo. Conforme levantamento feito pelo GLOBO, onze réus seriam presos — inclusive o ex-ministro da Casa Civil José Dirceu — e cinco cumpririam pena alternativa. Nove não teriam suas penas executadas agora.

Mas a lista de presos de Barbosa pode ser ainda maior. Isso porque a assessoria do ministro está trabalhando na análise dos embargos infringentes. Os réus que apresentaram esse tipo de recurso mesmo sem ter direito a ele podem ser presos também. A análise não estava concluída até ontem à noite e deve continuar hoje, feriado nacional. Os mandados de prisão podem ser expedidos a qualquer momento, mas as penas só devem começar a ser cumpridas a partir de segunda-feira. A não ser que algum réu se entregue ainda durante o feriado, ou no fim de semana.

Presos irão para celas individuais em três unidades

José Dirceu, ex-ministro-chefe da Casa Civil da Presidência, deve passar as noites num presídio em Brasília, o Centro de Progressão Penitenciária ( CPP), que permite aos detentos entrar apenas com duas camisas brancas, duas bermudas brancas, duas calças, um par de tênis “tipo futsal’ um par de sapatênis, uma blusa de frio sem forro, dois lençóis de cor clara, um cobertor “tipo paraíba” e uma toalha de banho.

O CPP será o destino dos réus que darão início ao cumprimento da pena em regime semiaberto: Dirceu; o ex-tesoureiro do PT Delúbio Soares; o ex-presidente do PT José Genoino; o ex-deputado Roberto Jeiferson (PTB); o ex-deputado Romeu Queiroz (PTB); e o o ex-tesoureiro do antigo PL, hoje PR, Jacinto Lamas.Todos os réus do mensalão, que começarão a cumprir as penas em Brasília, devem ser levados para celas individuais, onde ficarão separados dos outros detentos.

PGR dá parecer a favor da perda de mandato de deputado condenado

Num momento em que a Mesa da Câmara analisa como proceder no caso dos deputados que são réus condenados no julgamento do mensalão, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, enviou ao Supremo Tribunal Federal parecer favorável à perda automática do mandato de deputado federal condenado criminalmente.

O parecer defende a mesma tese apresentada pelo líder do PSDB na Câmara, Carlos Sampaio, que recorreu ao STF depois que o deputado-presidiário Natan Donadon (sem partido-RO) foi absolvido pela Câmara. No dia 28 de agosto, a Câmara manteve o mandato de Donadon. Como resposta, o presidente da Câmara, deputado Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), decidiu afastar o deputado e convocar o suplente Amir Lando (PMDB-RO).

Jefferson, ‘sem arrependimento nem regozijo', aguarda prisão

Com aparência tranquila, um novo bigode e vestindo camisa da marca de motos Harley-Davidson, uma de suas paixões, o ex-deputado do PTB Roberto Jefferson, delator do esquema do mensalão, disse ontem ao GLOBO que, oito anos depois de denunciar o esquema de compra de votos de deputados da base aliada do governo Lula, não tem arrependimentos e que é um réu condenado “como todos os outros”.

Pedro Corrêa aguarda mandado de prisão em fazenda em Pernambuco e vai se apresentar

Condenado a sete anos e dois meses de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, o ex-presidente nacional do PP Pedro Corrêa aguardava ontem, na sua fazenda, no município de Brejo da Madre de Deus, a 204 quilômetros de Recife, mandado do STF para cumprir a pena em regime semiaberto.

Valdemar pretende renunciar ao mandato na Câmara

Condenado no julgamento do mensalão, o deputado Valdemar Costa Neto (PR-SP) pretende renunciar ao mandato assim que o Supremo Tribunal Federal (STF) determinar o cumprimento de sua pena de prisão. Ele disse a integrantes de seu partido que não vai submeter seus colegas de bancada a esse “constrangimento”.

Advogado diz que Valério vai se entregar

O advogado de Marcos Valério, condenado a mais de 40 anos em regime fechado e pagamento de multa de R$ 3 milhões, afirmou ontem que seu cliente vai se entregar espontaneamente, mas desconversou sobre o destino do operador do mensalão.— O que eu posso dizer é que, havendo a ordem de prisão, vai haver apresentação espontânea — disse Leonardo.

Após praia e sol, Dirceu se entregará com discrição

Depois de um dia de sol e mar em Itacaré, sul da Bahia, o ex-ministro José Dirceu, condenado a 10 anos e 10 meses de prisão no julgamento do mensalão, desembarcou de um jatinho na madrugada de ontem em Jundiaí (SP). De lá, foi para sua casa num condomínio de luxo em Vinhedo, interior paulista, onde acompanhou a sessão de ontem do Supremo Tribunal Federal (STF).

No Congresso, petistas tristes e oposição satisfeita

Um certo alívio pelo “fim da tortura”, tristeza e um pouco de revolta com os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), por adotarem “dois pesos e duas medidas” no julgamento do mensalão do PT e do PSDB mineiro. Assim reagiram petistas ao comentar a decisão da Corte de prender companheiros de fundação do partido.

Já a oposição comemorou o desfecho como um momento histórico, que terá reflexos na recuperação da credibilidade na Justiça e no fim da impunidade, além de servir como parâmetro para julgamentos de autoridades e políticos.

'Quem sou eu para fazer qualquer julgamento’, diz Lula

Na reta final do julgamento do mensalão pelo Supremo Tribunal Federal (STF) e na iminência da prisão dos chamados mensaleiros, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e a presidente Dilma Rousseff se reuniram por quase quatro horas, ontem, no Palácio da Alvorada. Ao sair, Lula disse que não faria julgamento ou insinuação sobre a decisão do STF, que determinou a prisão de condenados, incluindo líderes petistas, como o ex-ministro José Dirceu, o deputado José Genoino e o ex-tesoureiro do PT Delúbio Soares.

Maduro ganhará superpoderes

O presidente da Venezuela saiu vitorioso na primeira votação, na Assembleia Nacional, da lei que lhe dá poder para governar por decreto. Ele alega que só assim poderá combater a inflação e a corrupção.

PIB encolheu no trimestre, diz BC

Com desempenho ruim dos investimentos e baixa confiança do empresariado, a economia brasileira encolheu 0,12% no terceiro trimestre pelas contas do Banco Central (BC). Segundo o Índice de Atividade Econômica da autarquia (IBC-Br), divulgado ontem, nem mesmo o crescimento contínuo das vendas do comércio foi suficiente para fazer o país crescer de julho a setembro. A previsão de analistas era de estabilidade, ou seja, crescimento zero nesse período.

Se o chamado “PIB do BC” for confirmado pelo IBGE (responsável pela medição do PIB oficial do país), será o primeiro resultado negativo desde o terceiro trimestre de 2011, quando a taxa ficou em -0,1%. Os economistas apostam numa clássica melhora de fim do ano, mas o otimismo não avança para 2014. Os motivos são vários : alta dos juros, indústria instável, acomodação do emprego e da renda, perda de confiança de consumidores e empresários e inadimplência alta.

Estatais dominam leilão de energia

Deságios baixos e a predominância de estatais nos lotes arrematados foram a marca do terceiro leilão de linhas de transmissão deste ano, realizado nesta quinta-feira pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). No pregão da Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa), as estatais do setor elétrico arremataram seis dos dez lotes licitados. Ao todo, 13 lotes, compostos de linhas e subestações, foram ofertados, mas três não tiveram lances. Apesar disso, o diretor da Aneel Edvaldo Santana comemorou o resultado e também os deságios obtidos, que na média, foram de 7,15% - muito inferiores à média histórica dos leilões de transmissão no país, de 26,02%.

Guarda de dados é alvo de críticas

A exigência de guarda local de dados de usuários brasileiros, um dos pontos do Marco Civil da Internet, é alvo de críticas de especialistas. Para eles, a medida é inócua porque não impede a espionagem. Além disso, 0 texto já exige que empresas de tecnologia instaladas no país forneçam dados se forem acionadas na Justiça.

Governo confirma que desmatamento cresceu 28%

Dados oficiais divulgados ontem pelo Ministério do Meio Ambiente confirmaram que o ritmo de desmatamento na Amazônia Legal voltou a crescer após quatro anos de queda, como antecipou O GLOBO na terça-feira. O volume de áreas desmatadas subiu 28%, de agosto de 2012 a julho deste ano, acima da expectativa do governo, que era de um crescimento de 20%.

Segundo o sistema Prodes, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), foram desmatados 5.843 quilômetros quadrados no último ano, mais do que os 4.571 quilômetros quadrados em 2012. A ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, frisou, porém, se tratar do segundo menor nível de desmatamento desde 1988, acima apenas do registrado no ano passado. A ministra atribuiu o aumento do desmatamento a crimes ambientais, principalmente no Pará e em Mato Grosso.

Ação contra Collor está pronta para ser julgada

Um dia após a ministra Cármen Lúcia, do Supremo Tribunal Federal (STF), despachar o processo contra o ex-presidente Fernando Collor que estava parado em seu gabinete por quatro anos, o ministro revisor Dias Toffoli analisou o relatório e liberou o caso para votação. Caberá ao presidente do STF, ministro Joaquim Barbosa, decidir quando o caso será levado ao plenário.

Cármen decidiu retomar a tramitação do processo dois dias após O GLOBO revelar que os crimes atribuídos a Collor estão à beira da prescrição. — O processo está liberado. Da minha parte já pode ir à votação — disse Toffoli. O Ministério Público Federal apresentou a denúncia contra o ex-presidente e hoje senador Collor (PTB-AL) em 2000. São acusações relativas a 1991 e 1992, período em que o senador era o presidente da República.

O Estado de S. Paulo

STF deve rejeitar recursos e aumentar número de presos

O presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Joaquim Barbosa, deverá determinar a execução imediata das penas de até 22 condenados no mensalão e expedir 19 ordens de prisão para os regimes fechado, semiaberto e aberto. Barbosa, relator do processo na Corte, deve rejeitar os pedidos dos condenados que não tinham direito a um novo julgamento, mas que apresentaram, mesmo assim, recursos para tentar adiar o cumprimento das penas.

Ontem, o Supremo frustrou as expectativas sobre a possibilidade de as prisões serem cumpridas antes do feriado prolongado. Elas deverão ocorrer somente na próxima semana. Num primeiro momento, todos os presos deverão ser levados para Brasília. Depois de uma análise da Justiça, serão informados se poderão ou não cumprir as penas nas cidades onde vivem.

Dessa forma, os principais personagens do processo, como o ex-ministro da Casa Civil José Dirceu, o ex-presidente do PT José Genoino e o ex-tesoureiro do partido Delúbio Soares, deverão passar o feriado fora da cadeia. Antes de expedir os mandados de prisão, Joaquim Barbosa dedicou o dia de ontem à análise dos casos em que há dúvidas sobre o direito ou não do réu a um novo julgamento - por meio dos chamados embargos infringentes.

Para Lula e Dilma, prisão evitará ataques na eleição

Em três horas e meia de conversa, no Palácio da Alvorada, a presidente Dilma Rous-seff e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva avaliaram ontem que a execução antecipada das penas dos réus petistas do mensalão é mais favorável para o governo do que a prisão em 2014, um ano eleitoral. Dilma quer que essa etapa do julgamento termine logo para que adversários não explorem ainda mais o assunto durante a campanha.

Secretário de Kassab é citado em esquema

Uma testemunha do Ministério Público Estadual (MPE) afirma que o núcleo da Secretaria Municipal de Finanças da gestão de Gilberto Kassab (PSD) frequentava o escritório mantido pela quadrilha de fiscais apelidado de "ninho da corrupção". O depoimento revela a ligação do líder do grupo, Ronilson Bezerra Rodrigues, com o ex-secretário Walter Aluísio Morais Rodrigues, e seu adjunto, Silvio Dias. Também afirma que o empresário Marco Aurélio Garcia, irmão do atual secretário estadual de Desenvolvimento Econômico, Rodrigo Garcia (DEM), ex-aliado de Kassab, devia R$ 1 milhão a Rodrigues.

DF pode oferecer cela individual na Papuda

Se confirmada a ideia do presidente do Supremo Tribunal Federal, Joaquim Barbosa, de concentrar as primeiras prisões dos condenados no julgamento do mensalão em Brasília, os réus condenados a regime fechado serão recolhidos a celas individuais no Complexo da Papuda.

O Complexo da Papuda já abriga o deputado federal condenado Natan Donadon (sem partido-RO) - que cumpre pena pela condenação a mais de 13 anos por desvio de recursos públicos da Assembleia Legislativa de Rondônia, onde ocupava o cargo de diretor financeiro.

Advogados dizem que seus clientes irão se entregar

Os condenados do mensalão que vão começar a cumprir suas penas por ordem do Supremo Tribunal Federal vão se entregar às autoridades. Seguindo orientação de seus defensores, eles descartam a hipótese de fuga.

Alguns criminalistas até já se anteciparam e foram à Polícia Federal. Outros aguardam a expedição do mandado de prisão pelo STF para apresentarem seus clientes formalmente. Os advogados adotaram essa estratégia de não desafiar o decreto da Corte porque não acreditam que o caminho da fuga teria eficácia - ao contrário, agravaria mais a situação dos acusados.

Decisão consolida avanços democráticos

As decisões do Supremo Tribunal Federal que tornaram definitiva a sentença de prisão para condenados do mensalão, adotadas na quarta-feira, valem menos pelo número de penas ou sua duração, e mais pela natureza política e ineditismo do gesto.

E a conclusão a que chegaram cientistas políticos ouvidos pelo Estado, para os quais a sessão da Corte foi um passo a mais à frente da democracia brasileira - que encorpa, devagar e sempre, há mais de 20 anos.

À 'Economist', Campos defende 'nova política' para País crescer

Uma semana depois de se encontrar com executivos na Inglaterra e na Alemanha, o governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB), foi entrevistado pela revista britânica The Economist sobre sua visão acerca da economia brasileira. Ele defendeu uma "política macroeconômica com visão clara de mercado", capaz de gerar um "ambiente estável de negócios", e defendeu um sistema tributário "mais inteligente".

Marineiros insistem em candidatura em SP

O deputado federal Walter Feldman (SP), um dos principais apoiadores da ex-ministra Marina Silva, disse ontem que os membros da Rede Sustentabilidade que se filiaram ao PSB não vão abrir mão de uma candidatura própria do partido em São Paulo. O parlamentar prevê um possível racha se os dirigentes da sigla presidida pelo governador de Pernambuco, Eduardo Campos, insistirem em apoiar a reeleição do tucano Geraldo Alckmin em 2014.

Mais 2 vereadores teriam recebido dinheiro de fiscais

Depois de Aurélio Miguel (PR), mais dois vereadores foram apontados em depoimento de testemunha ao MP como tendo recebido dinheiro da quadrilha de fiscais: Paulo Fiorilo (PT)e Nelo Rodolfo (PMDB).

Indicador do BC aponta retração da economia

Considerado uma prévia do PIB, o Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IRC-Rr) aponta que, no terceiro trimestre do ano (julho a setembro), a economia brasileira teve retração de 0,12% na comparação com idêntico período de 2012, já descontados os efeitos sazonais. O BC-Br indicou estabilidade (-0,01%) em setembro ante agosto. Analistas projetavam alta em torno de 0,2%.

Desmate da Amazônia cresceu 28% em 1 ano

Depois de quatro anos consecutivos de queda, o desmatamento na Amazônia Legal voltou a subir. Entre agosto de 2012 e julho deste ano, foram identificados 5.843 quilômetros quadrados de mata derrubada, 28% a mais do que havia sido registrado no período anterior.

"Essa não é a única má notícia", afirmou a ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, ao comentar os dados, captados pelo Projeto de Monitoramento da Floresta Amazônica por Satélites do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Prodes-Inpe). O sistema identificou um aumento na extensão das áreas derrubadas sobretudo no Estado do Pará. Ali há registros de desmatamentos acima de mil hectares, um fenômeno que estava em queda.

Avança lei que amplia poderes de Maduro

A Assembleia Nacional da Venezuela aprovou ontem, em primeira votação, a concessão da Lei Habilitante solicitada pelo presidente, Nicolás Maduro, em outubro. Com mais de duas horas de atraso e depois de discussões acaloradas entre deputados chavistas e oposicionistas, o governo conseguiu 99 dos 165 votos, o mínimo para obter a maioria de três quintos necessária para a aprovação.

Folha de S. Paulo

Com 309 km de filas, SP tem maior trânsito da história

Pela segunda vez em menos de quatro meses, a cidade bateu seu recorde histórico de congestionamento.

Ontem, na véspera do feriado da Proclamação da República, a CET registrou 309 km de filas na capital às 18h --quase a mesma distância entre São Paulo e Volta Redonda, no Rio de Janeiro. O recorde anterior havia sido em 26 de julho, com 300 km de filas às 19h30.

Segundo a CET (Companhia de Engenharia de Tráfego), que faz a medição desde a década de 1980, às 18h de ontem 35,6% dos 868 km de vias monitoradas estavam travadas. Trata-se do dobro da média desse horário.

Desmatamento na Amazônia volta a crescer após 4 anos

Depois de quatro anos em queda, o desmatamento na Amazônia voltou a subir. Números preliminares do monitoramento da floresta divulgados ontem pelo Ministério do Meio Ambiente apontam alta de 28% no corte raso de árvores entre agosto de 2012 e julho de 2013 em relação aos 12 meses anteriores.

Apesar do crescimento, o resultado do Prodes (Projeto de Monitoramento da Floresta Amazônica por Satélites) indica que a área desmatada (5.843 km2) é a segunda menor em mais de vinte anos, atrás apenas da divulgada em 2012 (4.571 km2).

Dirceu vai se apresentar, diz advogado

O ex-ministro José Dirceu deve se apresentar à polícia discretamente após o Supremo Tribunal Federal expedir seu mandado de prisão, segundo o advogado do petista, José Luís de Oliveira Lima.

Dirceu está "sereno" e pretende permanecer em sua casa em Vinhedo (SP) ao longo do final de semana na companhia das duas filhas, segundo amigos que conversaram com ele por telefone.

Condenados 'já foram punidos', diz juiz

Responsável por coordenar a execução das penas dos condenados no processo do mensalão, o juiz titular da Vara de Execuções Penais do TJDFT (Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios), Ademar Silva de Vasconcelos, acredita que o cumprimento das punições é inócuo. Para o magistrado, o processo do mensalão é emblemático, mas as prisões não são positivas para o país.

Réus afirmam que irão à polícia espontaneamente

Os condenados no julgamento do mensalão disseram ontem que estão tranquilos. O ex-deputado Roberto Jefferson disse que "não tem arrependimentos": "Tudo certo. Não me regozijo, sou um réu condenado como todos os outros, vamos aguardar que se cumpra o destino".

"Estou satisfeito com a decisão? Mentiria se dissesse que sim; conforta-me, porém, a crença de que a política brasileira, daqui para a frente, pode ser melhor", disse.

O advogado de Marcos Valério de Souza, Marcelo Leonardo, disse que seu cliente vai se apresentar tão logo saia o mandado de prisão: "Ele próprio disse que quer se apresentar imediatamente".

Planalto ensaia discurso para blindar Dilma durante eleição

O grupo político do ex-presidente Lula e da presidente Dilma Rousseff já ensaia o discurso para se defender de eventuais ataques na campanha eleitoral por causa da prisão de petistas envolvidos no escândalo do mensalão.

A estratégia será dizer que, enquanto os petistas foram presos, condenados por ministros do STF indicados por Lula e Dilma, tucanos envolvidos em escândalos semelhantes, como o mensalão mineiro, nem foram julgados.

Dilma vai a reunião do PSD para fechar aliança

A presidente Dilma Rousseff fará uma deferência rara ao PSD (Partido Social Democrático), sigla criada pelo ex-prefeito de São Paulo Gilberto Kassab. A petista irá ao encerramento de uma reunião do partido aliado, na próxima quarta-feira, em Brasília.

Nesse encontro, a direção do PSD deve formalizar o apoio ao projeto de reeleição de Dilma, em 2014. A princípio, a ideia era que Kassab levasse a decisão até a presidente. Mas o momento político acabou exigindo que o caminho fosse invertido.

Para família, 'dívida' com João Goulart está paga

Em cerimônia para receber os restos mortais do presidente João Goulart com honras de chefe de Estado, ontem, em Brasília, a família de Jango, como era conhecido, afirmou que a dívida do Estado brasileiro está paga, mas a exumação de seu corpo ainda não é suficiente para finalizar o processo de investigação sobre sua morte.

A viúva e ex-primeira-dama, Maria Thereza Fontella Goulart, e seu filho, João Vicente Goulart, classificaram o evento como um "ato de coragem", mas que só será concluído quando todos os lados da história forem ouvidos. "É muito importante esse momento, é um resgate da memória do meu marido", disse Maria Thereza. "Faz a gente esquecer até um pouquinho do passado."

Outros temas abordados pelos jornais e publicados pelo Congresso em Foco:

Prisão dos réus no mensalão nas mãos do Joaquim

Dilma veta integralmente projeto que criaria novos municípios

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!