Nelson Mandela morre na África do Sul aos 95 anos

Ex-presidente sul-africano passou 27 anos preso para depois ser eleito primeiro mandatário negro do país. Em 1993, recebeu o Prêmio Nobel da Paz pela sua luta contra o apartheid

O ex-presidente da África do Sul Nelson Mandela morreu nesta quinta-feira (5), aos 95 anos. A informação foi passada pelo atual mandatário sul-africano, Jacob Zuma, em comunicado pela televisão no início da noite. Mandela sofria de problemas respiratórios e estava recebendo cuidados médicos em casa. "Esta nação perdeu um grande filho", disse Zuma, segundo a agência de notícias argentina, Telam.

Segundo informações da agência pública de notícias sul-africana, Madiba, como Mandela era conhecido, morreu na companhia de parentes, no início da noite de hoje. Zuma disse que o ex-líder da África do Sul, afetuosamente chamado de Pai da Nação, agora está descansando em paz. Ele foi responsável pelo fim do regime de segregação racial na África do Sul, o apartheid. A bandeira do país estará a meio mastro a partir de amanhã (6). O funeral será com honras de chefe de Estado, informou a Agência Lusa.

Responsável pelo fim do regime de segregação racial na África do Sul, o apartheid, Mandela conquistou o respeito de adversários e críticos devido aos esforços em busca da paz. Ele foi o primeiro presidente negro da África do Sul, de 1994 a 1999, e recebeu o Prêmio Nobel da Paz, em 1993. O líder ficou conhecido como Madiba (reconciliador) devido ao clã a que pertencia e recebeu o título de O Pai da Pátria.

De uma família sul-africana nobre, do povo Thembu, Mandela ficou 27 anos preso em decorrência de sua luta em favor da igualdade racial, da liberdade e da democracia. Na prisão, ele escreveu sua autobiografia. Preparado pela família para ocupar um cargo de chefia tribal, Mandela não aceitou o posto e partiu em direção a Joanesburgo para cursar direito e fazer política.

Importância

Em nota de pesar, a presidenta Dilma Rousseff descreveu Mandela como “personalidade maior do século 20”. “Mandela conduziu com paixão e inteligência um dos mais importantes processos de emancipação do ser humano da  história contemporânea – o fim do apartheid na África do Sul”, disse Dilma. A presidenta acrescentou que os brasileiros receberam consternados a notícia da morte do líder sul-africano.

Também em nota oficial, o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Joaquim Barbosa, manifestou pesar pela morte de Mandela. “A morte de Nelson Mandela torna o mundo mais pobre de referências de coragem, dignidade e obstinação na defesa das causas justas. Sua vida altiva traduziu o sentido maior da existência humana. Seu nome permanecerá como sinônimo de esperança para todas as vítimas de injustiça em qualquer parte do mundo", disse o presidente do STF.

Para o cientista político Paulo Baía, da Universidade Federal do Rio de Janeiro, em avaliação à Agência Brasil, Mandela era um exemplo não só de resistência, mas de amor. “Nelson Mandela, nas épocas duras, difíceis e sombrias do apartheid, com a brutal discriminação e a violência contra os negros e os pobres na África do Sul, se tornou um símbolo e um intelectual da resistência. Ele, preso, liderou a movimentação política das várias etnias da África do Sul contra o regime do apartheid e conseguiu, de dentro da cadeia, ser um chefe de estado e estabelecer conexões com todo o mundo”, disse.

Outros textos sobre o apartheid

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!