Nas revistas: André Vargas e um esquema montado para esquentar dinheiro

Segundo IstoÉ, inquérito no STF indica que o deputado André Vargas montou uma "lavanderia" para justificar recursos de origem duvidosa que irrigaram suas campanhas eleitorais. Confira este e outros destaques das semanais

IstoÉ

Um esquema montado para esquentar dinheiro
Obtido com exclusividade por ISTOÉ, inquérito no STF pode levar André Vargas à cadeia por falsidade ideológica. Para o MP e a PF, deputado petista montou uma "lavanderia" para justificar recursos de origem duvidosa que irrigaram suas campanhas eleitorais

O deputado André Vargas (PT-PR) é um político em estado terminal. Num último esforço para tentar preservar o mandato, o petista renunciou ao posto de vice-presidente da Câmara e tirou uma licença de 60 dias. Não foi o suficiente para impedir que seus pares instaurassem um processo contra ele no Conselho de Ética da Câmara por quebra de decoro parlamentar, nem que o seu partido, o PT, o ameaçasse de expulsão. Sua situação se deteriorou depois que ele foi acusado de manter uma relação promíscua com o doleiro preso na Operação Lava Jato, Alberto Youssef. Vargas é o deputado que ergueu os punhos cerrados, repetindo o gesto dos mensaleiros presos, para debochar do presidente do STF, Joaquim Barbosa, em sessão de abertura do ano legislativo no Congresso. Agora, por ironia da política, quem pode selar o destino político de Vargas é justamente o Supremo, instituição à qual o petista ousou desafiar e fazer troça. Na última semana, ISTOÉ teve acesso com exclusividade às mais de 500 páginas do inquérito 3596, instaurado pelo STF a pedido do Ministério Público Federal, que pode levar Vargas para a cadeia pelo crime de falsidade ideológica para fins eleitorais. A pena prevista, caso o petista seja condenado, varia entre um e cinco anos de reclusão. No robusto processo, o Ministério Público Federal afirma que há fortes indícios de que o parlamentar montou uma lavanderia de dinheiro para justificar doações eleitorais. Nem a Justiça Eleitoral consegue dizer se os recursos apresentados nas prestações de campanha algum dia chegaram mesmo a circular na conta bancária.

Constam do processo depoimentos de mais de 80 testemunhas que afirmam nunca terem doado dinheiro para a campanha de Vargas. Mas esses são apenas parte dos 200 “laranjas” utilizados pelo petista para justificar a origem dos recursos suspeitos em suas campanhas eleitorais. A prática ilícita teria começado nas eleições de Vargas para deputado federal em 2006 e se reproduzido na campanha de 2010. Na documentação que embasa o inquérito em curso no STF há relatos dos auditores do Tribunal Eleitoral do Paraná sobre a dificuldade de fazer uma apuração detalhada das contas apresentadas devido à complexidade do esquema. Os procuradores, porém, acreditam que as notas de gastos apresentadas pelo deputado licenciado são frias. Uma lista completa com os dados bancários do parlamentar e dos doadores fictícios, com observações sobre o desencontro dos dados e valores, fundamenta a suspeita dos procuradores.

O esquema de lavagem de dinheiro de Vargas não se limitaria às operações de fraude nas prestações de contas de campanha. Teria ramificações. Em outra ponta da investigação, a Polícia Federal segue o rastro de empresas em nome dos familiares de Vargas. Nos grampos telefônicos divulgados até agora, o deputado aparece em conversas com o doleiro Alberto Yousseff cobrando pagamento de comissões a determinados consultores, um deles chamado “Milton”. Trata-se de seu irmão Milton Vargas Ilário e a PF suspeita que outros familiares do petista também tenham sido usados como laranjas. Nessa vertente do amplo esquema montado por Youssef, a lavagem de dinheiro se daria a partir do uso de empresas de fachada abertas por seus familiares. Entre as empresas investigadas pela Polícia Federal, que teriam sido usadas na lavanderia Vargas, encontra-se a LSI Solução em Serviços Empresariais. Foi constituída em agosto de 2011 pelo irmão Leon Denis Vargas Ilário e a mulher, Simone Imamura Vargas Ilário, com capital social de apenas R$ 15 mil. Em 18 de setembro de 2013, os sócios trocam de lugar. Simone sai e entra Milton.

É justamente a véspera da intensa troca de mensagens em que parlamentar e doleiro comemoram as gestões da parceria entre os laboratórios Labogen, LFM e EMS para abocanhar contrato de até R$ 150 milhões com o Ministério da Saúde. Em apenas um ano, a LSI mudou três vezes de ramo, ampliando seu leque de atuação de pesquisa e consultoria a atividades de cobrança, publicidade, organização de eventos, gestão empresarial e até tecnologia da informação. Curiosamente, a empresa foi aberta no número 58 da alameda Sarutaia, no bairro do Jardim Paulista (SP), onde já funcionava há anos outra empresa, a agropecuária Adram S/A, que acaba de ser selecionada para uma linha especial de crédito do BNDES. Existe a desconfiança na PF de que Vargas e seus parentes também estejam por trás da Adram S/A. Com a entrada de Milton, irmão do petista, a sede da LSI foi transferida para um apartamento residencial da Vila Mariana, bairro da capital paulista. A PF não identificou qualquer indício de atividade comercial no endereço. Da mesma forma não foi encontrada atividade empresarial no endereço da L Vargas & CIA Ltda., localizada em São José dos Pinhais. A empresa está em nome de outro irmão do deputado chamado Loester Vargas Ilário e sua mulher, Luzia Salete Ribeiro Ilário, e tem como objeto social a prestação de “serviços auxiliares do mercado de capitais”.

Época

Genro de Paulo Roberto Costa controlava a principal conta secreta do ex-diretor da Petrobras preso

Há duas semanas, executivos e lobistas ligados a Paulo Roberto Costa, o ex-diretor da Petrobras preso pela Polícia Federal, reuniram-se secretamente no Rio de Janeiro. Estavam apavorados com a ação dos investigadores, que haviam apreendido preciosos documentos na casa e no escritório de Paulo Roberto, antes que ele tivesse a chance de destruí-los. Na Operação Lava Jato, Paulo Roberto foi preso porque tentou, com a ajuda de familiares, eliminar provas, não pelas evidências de corrupção que pesam contra ele. A reunião foi tensa, segundo quem presenciou o encontro. Troca­vam-se acusações: uns chamavam os outros de amadores, em virtude dos minuciosos relatórios redigidos por integrantes do grupo – e porque Paulo Roberto os guardara. Todos ali sabiam que haviam sido coletadas provas fortes do que a PF suspeita ser um esquema de corrupção – e, também, das contas secretas em paraísos fiscais que, segundo a PF, foram usadas pelo grupo para esconder o dinheiro da propina, conforme revelou ÉPOCA em sua edição da semana passada.

A maior preocupação daqueles que participavam da reunião era salvar-se. Segundo a investigação da PF – e gente próxima a Paulo Roberto ouvida por ÉPOCA –, eram quatro os principais operadores: o doleiro Alberto Youssef, preso pela PF na mesma operação; o lobista Fernando Soares, conhecido como Fernando Baiano; e os dois genros de Paulo Roberto, Humberto Mesquita e – ÉPOCA agora revela – Marcio Lewkowicz. A divisão de tarefas entre eles, segundo a PF, era clara. Fernando Baiano procurava as empreiteiras que tinham, ou poderiam ter, contratos na bilionária Diretoria de Abastecimento, comandada por Paulo Roberto até 2012. Era o “diretor operacional” do grupo. Buscava oportunidades de negócios com as empreiteiras. Humberto Mesquita, como mostrou ÉPOCA, coordenava três das contas secretas no exterior. Elas recebiam propina das multinacionais que vendiam combustível à Petrobras. Youssef recebia o dinheiro que, suspeita a PF, as empreiteiras pagavam para fazer negócios com a Petrobras no Brasil.

PF suspeita que Paulo Roberto Costa recebeu propina por contrato com a Delta

Era a última segunda-feira do ano, 27 de dezembro de 2010. No limiar da mudança de governo, o diretor de Abastecimento da Petrobras, Paulo Roberto Costa, continua­va a usar sua caneta. A presidente Dilma Rousseff tomaria posse dentro de cinco dias e não gostava dele. Naquela segunda-feira, Paulo Roberto assinou dois contratos, no valor de R$ 843 milhões, com a Delta Construções, para obras no Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj). O tempo mostraria que foi um péssimo negócio. Com a inauguração atrasada em cinco anos, o Comperj – obra orçada em US$ 13,5 bilhões – ficará pronto somente em 2016. Sob a alegação de que a Delta contribuía para o atraso, pois tinha “baixo desempenho na execução das obras”, a Petrobras rescindiu os dois contratos em maio de 2012 – um mês depois de Paulo Roberto ter sido demitido do cargo de diretor por vontade da presidente Dilma Rousseff. De forma vaga, a Petrobras afirma ter pagado à Delta “menos de 10% dos valores contratados”, ou menos de R$ 84 milhões.

No PT, todos querem a volta de Lula. Alguns em 2018. Outros agora
Eduardo Campos se muda para São Paulo de olho num eleitor que gosta de votar em paulistas
A estratégia de campanha de Aécio Neves
A esquerda que se diz autêntica busca opções fora do PT

Veja

Ex-diretor da Petrobras fez fortuna vendendo facilidades na estatal
Documentos revelam que Paulo Roberto Costa intermediou interesses de grandes empreiteiras dividindo o lucro com políticos

O macacão corta-fogo laranja com o nome impresso sobre o bolso, o logo com o nome da Petrobras em verde sobre fundo branco, o olhar confiante e o gesto firme apontando com precisão o objetivo. Tudo na foto ao lado transmite a ideia de um líder da empresa que orgulha os brasileiros, provavelmente um diretor técnico de alto calibre, um PhD em mineralogia ou um engenheiro premiado por inovações tecnológicas originais que ajudaram o petróleo a brotar mais facilmente das profundezas, contribuindo, assim, para aumentar dramaticamente o valor da companhia. As aparências enganam. A imagem ao lado já foi anexada ao melancólico histórico de corrupção no mundo oficial do Brasil. Ela viaja o mundo pelas agências noticiosas com o homem identificado na legenda como Paulo Roberto Costa, ex-diretor da Petrobras preso pela Polícia Federal, personagem central do escândalo de pagamento de propinas a políticos.

Na semana passada, vazaram as primeiras informações obtidas pelos policiais no exame ainda superficial da agenda, algumas planilhas e outros documentos apreendidos com Paulo Roberto Costa. O conteúdo é explosivo. Mas os investigadores que cuidam do caso dizem que se trata apenas de um pequeno trecho do propinoduto que o preso operava na Petrobras, tendo de um lado corruptores, do outro, corruptos e ele no meio fazendo a integração entre as duas partes do empreendimento criminoso.

De 2003 a 2012, o engenheiro Paulo Roberto Costa dirigiu a área de Abastecimento da Petrobras, que comanda um orçamento bilionário e lida com as maiores empresas do Brasil e do mundo. Pelo volume de dinheiro movimentado e os múltiplos interesses envolvidos, é o lugar perfeito para aninhar uma quadrilha de corruptos. A Polícia Federal descobriu que Paulo Roberto, um doleiro, políticos e prestadores de serviços estão interligados em um consórcio criminoso montado para fraudar contratos na Petrobras, enriquecer seus membros e financiar políticos e partidos.

Paulo Roberto Costa é o que em Brasília se chama de “indicado político”. É assim que ele aparece na ata de uma reunião com seus advogados pouco depois de sair da Petrobras. Está lá, em um dos recortes estampados na página 70 — escrito a mão por quem secretariou a reunião —, a preocupação extra dos causídicos com o fato de o doutor Roberto ter ocupado cargo de “indicação política” na Petrobras. Por essa razão seria muito arriscado ir adiante com o plano de abrir uma “offshore”, eufemismo para empresa-fantasma em algum paraíso fiscal. Em outro trecho, registra-se a recomendação de que, ele abrindo uma empresa, a “holding” deveria ser colocada em nome da mulher e das filhas. São típicos cuidados de quem está se metendo em um negócio obscuro, com finalidade não muito clara e, definitivamente, com o objetivo de ser mantido longe dos olhos das autoridades. Enfim, uma atividade típica de alguém que chegou a uma estatal ou órgão público não pela competência técnica, mas por “indicação política”.

Foi o Partido Progressista, o PP, uma das agremiações que apoiam o governo, que instalou Paulo Roberto Costa na estratégica diretoria da Petrobras. No que é um dos grandes contos de fadas do Brasil oficial, o papel do indicado político é explicado pela necessidade de os políticos terem quem resolva problemas paroquiais deles e dos eleitores. No caso do indicado político do PP na Petrobras, a explicação era que ele poderia eventualmente facilitar a outorga de uma autorização de funcionamento para um posto de gasolina. Só isso? No mundo da fantasia, sim. No universo da mentira tacitamente aceita como parte do jogo político, sim. Mas o homem do macacão laranja, do olhar confiante e gesto firme talvez nunca tenha sabido o que é preciso para abrir um posto de gasolina. Os documentos que a Polícia Federal encontrou em seu escritório começam a revelar as verdadeiras atividades de um sujeito que desembarca em uma estatal ou ministério como “indicação política”. Paulo Roberto Costa foi colocado na Petrobras para intermediar negócios entre empreiteiras e outras empresas com a estatal brasileira de petróleo e, assim, abastecer o propinoduto ligando corruptores a corruptos.

VEJA teve acesso ao material apreendido pela Polícia Federal. Ele revela os verdadeiros motivos por trás da disputa acirrada dos partidos para indicar um afilhado, um amigo ou um correligionário para um cargo público. As anotações na agenda do engenheiro apontam uma contabilidade financeira envolvendo políticos. Numa delas, Paulo Roberto registra o repasse, em 2010, de 28,5 milhões de reais ao PP, o partido responsável por sua indicação ao cargo.

Documentos mostram como corruptores e corruptos se locupletavam na estatal
Deputado ameaça envolver outros petistas no escândalo
Por que o motorista do ex-rei da soja matou o ex-senador boliviano
Como a guerrilha na internet agirá nas eleições
Contraste: a efciência da Ecopetrol versus a corrosão da Petrobras
O STF vai proibir doações de empresas para campanhas políticas
Tucanos a caminho do STF
Os torturadores de 64 merecem ser perdoados?

Carta Capital

Os escândalos de Alberto Youssef, o personagem central das investigações da CPI da petrobras

Dilma cai e ninguém sobe

A pesquisa Datafolha, além de anunciar a queda de intenções de voto em Dilma, muito festejada pela oposição que já se julgava morta, trouxe outra novidade. Na sequência desse instituto, a presidenta, candidata à reeleição, caiu de 44% em fevereiro para 38% em abril. Perdeu 6 pontos nas intenções de voto.

Quem herdou? Ninguém. Esse grupo de eleitores trocou o voto por nada. Não fez opção por outros nomes, apenas juntou-se ao grupo dos indecisos (6%) e dos que responderam que votariam “branco/nulo/nenhum” (19%). Mesmo assim, com esse rombo no casco, a nave de Dilma ainda chegaria em primeiro lugar na corrida presidencial e ganharia no primeiro turno.

Por que os adversários Aécio Neves (16%) e Eduardo Campos (10%) não herdaram os votos perdidos pela presidenta candidata à reeleição? A pesquisa sucedeu às várias semanas de exposição de Dilma aos escândalos, boatos e especulações. Um vendaval criado pela unanimidade da imprensa conservadora, virada inteiramente para a direita, ferindo o governo com muitas mentiras e poucas verdades.

Embora os danos ainda não tenham chegado ao fim, a oposição já alcançou, talvez apenas temporariamente, o objetivo. Tudo foi transformado em escândalos, pisados e repisados pelas emissoras de televisão e de rádio, além de jornais e revistas. Isso chega também no mundo virtual, onde, passo a passo, é reproduzido pelos mesmos jornalistas, o controle de opinião dos “barões da mídia” brasileira.

Copa - A correria para entregar as obras a dois meses do Mundial
Entrevista - José Manoel Bertolote fala de tabu e suicídio

Nosso jornalismo precisa da sua assinatura

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!