Araújo promete resistir a grupo de Cunha no Conselho de Ética

Presidente foi alvo de representações que pedem seu afastamento da presidência do colegiado. Ações não passam de "manobras para frear o trâmite da cassação" de Eduardo Cunha, diz

O presidente do Conselho de Ética na Câmara, José Carlos Araújo (PR-BA), afirmou na tarde desta terça-feira (31) que não pretende deixar o cargo. De acordo com o deputado, apesar das tentativas de afastá-lo do comando do colegiado, ele pretende se manter firme. Os pedidos de afastamento foram protocolados na Corregedoria da Casa pelo presidente afastado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) e por outros quatro deputados baianos nesta manhã.

Nas representações, o deputado que está sendo investigado pelo Conselho acusa Araújo de ter feito repasses irregulares no valor de R$ 75 mil a vereadores de Juazeiro, de utilizar um “laranja” para comprar um terreno na Bahia e de atentar contra a imagem de um prefeito do interior baiano durante comentário em sua rádio.

"Querem me afastar de qualquer forma. Não vou me render", enfatiza Araújo.

Ao todo, cinco representações contra o presidente do Conselho de Ética foram apresentadas hoje (terça, 31) à Corregedoria da Casa.

Araújo acusa Cunha de tentar nova manobra para frear o trâmite de sua cassação. Ele pondera, ainda, que o presidente afastado decidiu protocolar as ações no momento em que o colegiado está prestes a discutir o parecer sobre ele: “Nós acreditamos que ele [Cunha] continua manejando seus tentáculos dentro dessa Casa”, critica.

A representação contra José Carlos Araújo será encaminhada à Mesa Diretora da Câmara. Caso seja aceita pelo comando da Casa, o presidente do Conselho de Ética será afastado temporariamente do cargo até que o próprio colegiado julgue o seu processo. Ele terá cinco dias úteis, a contar de amanhã, para se manifestar a respeito da representação de Cunha.

Mais sobre Conselho de Ética

Mais sobre Legislativo em crise

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!