“Não foi um desastre ambiental”, diz MMA

Renata Camargo

O diretor de Florestas do Ministério do Meio Ambiente (MMA), João de Deus Medeiros, considerou que o substitutivo aprovado nesta terça-feira (6) na comissão especial do Código Florestal não foi um “desastre ambiental”. A proposta tem sido duramente criticada por ambientalistas e acusada como um retrocesso na legislação ambiental.


Na avaliação de Medeiros, que acompanhou a votação, as mudanças feitas pelo relator da matéria, deputado Aldo Rebelo (PCdoB-SP), apresentadas ontem (5), “corrigiram os problemas centrais” da proposta. Entre as correções, o diretor destaca a retirada do dispositivo que permitia que os estados legislassem sobre os limites de áreas a serem preservadas nas margens de rios, córregos, nascentes e outros cursos d’água. O item abria brecha para reduzir o limite mínimo de 30 metros para 7,5 metros.
 
“Não acho que tenha sido um desastre ambiental. Na avaliação geral, acho que as contribuições trazidas nos últimos dias, e traduzidas na última versão do substitutivo do deputado Aldo, corrigiram problemas mais sérios”, disse. “Persistem ainda problemas que poderiam ter sido aprimorados, mas o clima na comissão não foi nada favorável a esse trabalho mais sério de aprimoramento”, constatou Medeiros.


O diretor de Florestas considerou importante novas melhoras no texto, que agora segue para plenário na Câmara. Entre os ajustes, Medeiros sugere parâmetros mais objetivos para o Programa de Regularização Ambiental (PRA) propostos no substitutivo. “Ainda existem algumas disposições que podem induzir, depois do período de cinco anos de moratória, a uma tendência de desmatamento que é indesejável. Isso deve se corrigir”, disse.


Medeiros também avalia como importante rever o conceito de pequena propriedade previsto no texto de Aldo. Segundo o diretor, o substitutivo traz um novo conceito legal, o que pode causar mais insegurança jurídica. “Nós temos a oportunidade de consolidar o conceito de pequena propriedade nessa lei, que será mais geral. Isso é importante para gerar mais segurança jurídica”, afirmou.


O diretor na pasta ambiental defendeu ainda a necessidade de rever o dispositivo que autoriza desmatamentos em vegetações que abrigam espécies ameaçadas de extinção. O texto prevê a possibilidade de autorizar o desmatamento em áreas com animais em extinção. “Isso é muito ruim. Além de ser contra a lógica, os nossos compromissos com a Convenção sobre Biodiversidade Biológica inclui um compromisso do governo de garantir a conservação das espécies”, alertou.

Comissão aprova polêmico Código Florestal
Sem consenso, Código Florestal vai à votação
Aldo retira possibilidade de reduzir APP para 7,5 metros
Relator mantém dispensa de reserva para 400 hectares
Aldo recua e retira poder de estados legislarem
Ruralistas sobem pressão por novo Código Florestal
Veja a íntegra do relatório de Aldo Rebelo

Discussão sobre código florestal é adiada
A pedagogia tabajara e a impunidade
Parecer de Aldo atende em parte, diz Contag
Parecer de Aldo desagrada ambientalistas e ruralistas
Será que o PT vai querer pagar a conta?
Marina: alterações no Código Florestal atendem a interesses espúrios
Aldo propõe moratória para multas por desmatamento
Código Florestal: relator dá mais poder aos estados
Aldo Rebelo dispensa pequenos de reserva legal
Até que ponto é preciso mudar o Código Florestal?
ONGs reforçam objeção a mudanças no Código Florestal
Código Florestal: no caminho do meio
“Não venha falar por nós, Kátia Abreu”
‘Lei ambiental é injusta’, diz representante dos pequenos agricultores

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!