Namorada de empresário investigado pela PF nega versão de Pimentel

Defesa do governador de Minas reconheceu que Bené, como o empresário é conhecido, arcou com as despesas de viagem do então ministro de Desenvolvimento e sua esposa à Bahia

Juliana Sabino Diniz de Souza, namorada do empresário Benedito Oliveira, o Bené, negou que tenha pago despesas do governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel (PT), e da mulher dele, Carolina Oliveira, no resort Kiaora, em Maraú (BA). A declaração de Juliana contradiz parte da defesa de Pimentel. As informações são do jornal O Globo.

Quando o caso veio a público, há duas semanas, o advogado do governador, Antônio Carlos de Almeida Castro, disse que Juliana combinou com Carolina de arcar com as despesas. Elas são amigas e não tem vínculos diretos com a administração pública.

Segundo o advogado, Juliana teria coberto parte das despesas da amiga e do governador com créditos de milhas. Mas o pai de Juliana, Augusto César Souza, contestou. “Não foi ela quem pagou as despesas. Ela não tinha crédito nenhum. Quem tinha crédito era o Benedito. Foi ele quem pagou. Isso está até no inquérito. Juliana e Carolina não tiveram conversa nenhuma sobre este assunto”, disse ele.

Em entrevista concedida ao jornal, o pai de Juliana disse que a filha é vendedora em uma loja de shopping de Brasília e, mesmo se quisesse, não teria renda suficiente para pagar a estadia de uma amiga em resort de luxo.

De acordo com relatório da Operação Acrônimo, da Polícia Federal, a conta foi paga por Pedro Augusto Medeiros, a pedido de Benedito. Pimentel e Carolina se hospedaram no Kiaora de 15 a 17 de novembro de 2013, quando o governador era ministro do Desenvolvimento. As diárias saíram por R$ 12,1 mil.

A Polícia Federal ainda afirma que o empresário pagou as passagens aéreas de Carolina e Pimentel até o litoral baiano. O Código de Ética do serviço público não permite que servidores recebam presentes acima de R$ 100.

Apesar de, há quinze dias, o advogado de Pimentel ter dado a versão da combinação entre as duas amigas, ele mudou de explicação. Ao comentar as declarações do pai de Juliana, Almeida Castro reconheceu que as despesas foram pagas por Benedito com créditos que ele tinha.

Ainda assim, o advogado tentou isentar Pimentel de responsabilidade no episódio. Ele afirmou que Benedito teria tratado do assunto com Carolina, de quem também é amigo, e não diretamente com o então ministro. “Todo o acerto sobre usar o crédito foi com Bené e Carolina. A Carolina disse que queria ir (ao resort). O Bené disse que tinha o crédito. Carolina é amiga dele”, afirmou o advogado.

O caso está sendo investigado em inquérito aberto pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ). As investigações começaram em outubro do ano passado, quando a PF apreendeu R$ 116 mil num avião de Bené no aeroporto de Brasília. O empresário, que tinha atuado como fornecedor na campanha de Pimentel, não soube explicar a origem do dinheiro.

Confira íntegra da reportagem de O Globo

Mais informações sobre Operação Acrônimo

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!