Na última entrevista antes da prisão, Dirceu aprova estratégia do PT: “Está tudo arrumadinho”

 

José Dirceu era a imagem da resignação ao conversar com a reportagem do Congresso em Foco poucos dias antes de sua prisão definitiva, decretada ontem (quinta, 17). Sabia que dali a alguns dias – diante do esgotamento de recursos, da confirmação de sentença e da ordem de execução de sua pena após condenação em segunda instância no Tribunal Regional Federal da 4ª Região (Porto Alegre) – voltaria ao cárcere para longos anos de prisão. Mas, estrategista máximo do PT dentro ou fora da cadeia, Dirceu volta para prisão com o mapa político das eleições 2018 na cabeça. Um retorno esperado do qual seu pensamento quis fugir todos os dias até hoje. Do lado de fora, Dirceu leu muitas notícias e fez diversas reuniões que o levaram à seguinte conclusão a respeito da corrida presidencial  de 2018: “A esquerda está certinha”.

O que Dirceu quis dizer não tem relação com a conduta de seu partido ou diz respeito às denúncias do mensalão ou da Operação Lava Jato. Entre o certo e errado, o ex-ministro da Casa Civil se refere à estratégia política em um cenário com o ex-presidente Lula condenado e preso na Lava Jato, mas líder das intenções de voto. “Do nosso lado, está tudo arrumadinho. [Guilherme] Boulos é candidato [do Psol]. Manuela [D'Ávila, do PCdoB] é candidata. Ciro [Gomes, do PDT] é candidato. Joaquim Barbosa, eu não sei o que vai acontecer, mas está no PSB, que em parte é do nosso campo”, vislumbrou o ex-cacique petista, que tem até as 17h desta sexta-feira (18) para se apresentar à Polícia Federal em Brasília.

<< Dirceu: “Como vou deixar o país se o Lula está preso?”

Dirceu não sabia, mas cogitava, que o ex-ministro desistiria de concorrer à sucessão do presidente Michel Temer, em um banho de água fria nos 10% de eleitores que, segundo o Instituto Datafolha, nele votariam. Ao diagnosticar a estratégia eleitoral do PT e seu entorno como correta, o petista dava mais uma pincelada sobre o que vinha repetindo a todos os que buscaram suas opiniões no período em que passou fora da cadeia.

Nessa lógica de arranjos eleitorais, até mesmo o ex-ministro e relator do mensalão, Joaquim Barbosa, crítico ferrenho do PT, tem sido visto como alguém mais perto da esquerda do que qualquer outro candidato do centro ou da direita. O ex-magistrado se filiou a um partido em crise, mas que historicamente caminhou ao lado do PT e dos ideais de esquerda e que tenta viabilizar sua candidatura. Joaquim se diz um “social democrata”, mas sem qualquer identidade com a social democracia do atual PSDB, e Dirceu sabe disso.

A conversa transcorreu na tarde de uma dessas quartas-feiras de intensa movimentação no Congresso, em uma casa no Lago Sul, bairro valorizado de Brasília. Ao som do cubano Buena Vista Social Club e cercado por uma estrutura que lhe permite acesso ao mundo, Dirceu reitera o discurso petista: não há plano B, não há alternativa de nome se Lula não for candidato. Mas vai além, e pontua o prazo em que essa estratégia pode mudar.

Nesse sentido, faz apostas altas. “O PT tem que ficar parado. Temos o candidato que ganha em primeiro e segundo turno com 40% dos votos. Pra que nós vamos nos mexer? Os outros é que estão todos desesperados, batendo cabeça, se afogando”, disse, com o característico sotaque mineiro carregado.

O processo

“Vivi clandestino quase 15 anos da minha vida”, recorda-se, ao lembrar do período em que foi preso, deportado e exilado em meio à ditadura militar (1964-1985). Em um dos períodos mais sombrios da recente história brasileira, em setembro de 1969, foi deportado para o México com mais 14 presos políticos, como contrapartida pela libertação do embaixador norte-americano Charles Burke Elbrick, sequestrado naquele ano pela guerrilha armada antirregime.

 

Reproduçao

Dirceu dá adeus à liberdade, mais uma vez, rumo ao cárcere

 

Depois disso morou em Cuba e em, 1971, chegou a voltar na clandestinidade para o Brasil. Para não ser reconhecido, passou por cirurgias plásticas e mudou radicalmente sua aparência. No ambiente em tese democrático de um bairro burguês, Dirceu agora conversava no campo da informalidade, sem a liturgia clássica do jornalismo de gravador e bloquinho de papel na mão. Em vários momentos, ele desvia o assunto e conversa amenidades. Estava na expectativa de rever amigos advogados naquele mesmo dia.

“Só tive advogado que gosta de mim”, diz, diante de um dos muitos advogados que o acompanham.

<< Câmara autoriza aposentadoria de quase R$ 10 mil a José Dirceu

<< “Maldição” persegue nove ministros da Casa Civil

Dirceu foi condenado como chefe da quadrilha no julgamento do mensalão, em 2012, pelo Supremo Tribunal Federal (STF). De lá para cá, segundo investigadores, jamais deixou de delinquir, o que o ex-ministro nega. Como ele mesmo disse em entrevista à colunista Mônica Bergamo (Folha de S.Paulo), veiculada em 20 de abril, apenas admite ter cometido um “erro” em uma relação nebulosa na negociação de um imóvel com o lobista e delator da Lava Jato Milton Pascowitch.

“Era um empréstimo não declarado. Que virou propina. Foi uma relação indevida. Admito. Mas não criminosa”, protestou o petista.

Sina

Era feriado de 15 de novembro de 2013 quando Dirceu teve a prisão decretada pela primeira vez. Na ocasião, ergueu o punho em saudação a militantes do PT ao se entregar na Polícia Federal de São Paulo, sob gritos de “Dirceu, guerreiro, do povo brasileiro!”. Ficou 354 dias preso, em Brasília, até conseguir a progressão de pena, em 2014, graças aos dias de trabalho e estudos dentro do Complexo Penitenciário da Papuda, em Brasília.

Voltou para a prisão menos de um ano depois, já em 2015, desta vez por causa da Lava Jato. Os pagamentos de empresários para a empresa de consultoria de Dirceu chamaram a atenção dos investigadores. Resultado: mais de 30 anos de condenação.

 

Lula Marques

À posteridade: feita no dia em que saiu a ordem judicial, esta é a última imagem pública de Dirceu antes da prisão

 

Quando perguntado sobre o que está lendo, o petista sorri e diz que vem lendo processos. Mas depois aponta obras de história, literatura e economia. Como as biografias de Vladimir Ilyich Ulyanov (1870-1924) – mais conhecido como Lenin, o revolucionário comunista que lhe inspira ideologicamente – e Josef Stalin (1878-1953), secretário-geral do Partido Comunista da União Soviética pós-Revolução Bolchevique (1917). Dirceu diz não se recordar do autor das biografias, mas cita o mais recente livro do jurista Fábio Konder Comparato, A Oligarquia Brasileira (Contracorrente), entre suas leituras atuais.

Até 2016, o próprio Dirceu mantinha um blog com avaliações políticas e memórias, mas ele já desativou a página virtual. “O que eu falo acaba tendo muita repercussão. Então eu prefiro falar pouco. Coisa do Brasil, gosta de transformar as pessoas em celebridade”, explica.

Dirceu não terá acesso à internet na cadeia, mas já sabe o que fazer. Garante que vai trabalhar e ler o máximo que puder, como maneira de diminuir a pena e passar os dias com algum alento. De vez em quando, poderá enviar por meio de advogados instruções e pensatas ao comando do PT e à militância “das esquerdas”. Calcula em algo como sete anos o total de pena que deve cumprir. Até lá, imagina, a visita dos filhos e demais parentes servirão para diminuir o peso do cárcere.

 

<< Condenado na Lava Jato, Dirceu conclama petistas a ocuparem Porto Alegre em defesa de Lula

<< Dirceu descarta envolvimento de Lula no mensalão, mas desabafa: “Todos no mesmo saco”

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!