Cabral recebia mesada de R$ 500 mil de empreiteira, diz MPF

De acordo com a Operação Calicute, só a Carioca Engenharia pagou R$ 32,5 milhões em propina para o ex-governador entre 2007 e 2014. Peemedebista cobrava 5% por obra tocada em sua gestão, afirmam procuradores

Valter Campanato Arquivo/Agência Brasil
Valter Campanato/ Arquivo/Agência Brasil
 

 

O ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral (PMDB), preso na manhã desta quinta-feira (17), recebia mesada de empreiteiras em troca do direcionamento de obras do governo do estado, segundo o Ministério Público Federal (MPF). De acordo com as apurações, só a Carioca Engenharia pagou R$ 32,5 milhões em propina ao peemedebista entre 2007 e 2014. Já a Andrade Gutierrez repassou R$ 7,7 milhões. Conforme os investigadores, a mesada da Carioca chegou a R$ 500 mil em seu segundo mandato. O valor era de R$ 200 mil nos quatro primeiros meses de gestão.

Em entrevista coletiva, procuradores afirmaram que o esquema começou a funcionar já no primeiro mês do mandato do então governador. Ao todo, Cabral e seu grupo político são acusados de ter desviado R$ 224 milhões dos cofres públicos. As principais obras utilizadas no esquema foram as da reforma do Maracanã, a do Arco Rodoviário e a do PAC das Favelas, que custaram R$ 1 bilhão cada. De acordo com as investigações, o ex-governador cobrava 5% do valor das obras como propina para ele, 1% ia para colaboradores.

Veja a íntegra da petição do MPF

Cabral é suspeito de ter recebido R$ 2,7 milhões da Andrade Gutierrez pelas obras de terraplanagem do Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj), entre 2007 e 2011. A operação também apura se o ex-governador lavou parte desse dinheiro.

"Foi identificado que integrantes da organização criminosa de Sérgio Cabral amealharam e lavaram fortuna imensa, inclusive mediante a aquisição de bens de luxo, assim como a prestação de serviços de consultoria fictícios", afirma o MPF.

Sérgio Cabral foi preso preventivamente nesta quinta-feira. Além do ex-governador, também foram presos Wagner Jordão Garcia, seu ex-assessor, e o ex-secretário de Governo Wilson Carlos. Também são alvos da Calicute o ex-secretário estadual de Obras Hudson Braga e o ex-assessor do governador Carlos Emanuel de Carvalho Miranda.

A Operação Calicute é resultado de investigação em curso na força-tarefa da Operação Lava Jato no estado do Rio de Janeiro em atuação coordenada com a equipe do Paraná. O nome da operação é uma referência às tormentas enfrentadas pelo navegador Pedro Álvares Cabral a caminho das Índias.

Mais sobre a Operação Lava Jato

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!