Ministros pedem a líderes esforço para concluir ajuste fiscal e aprovar MPs

Governo pediu a aliados apoio para propostas como a recriação da CPMF e que prorrogação da DRU até 2019

Os líderes da base aliada na Câmara dos Deputados deixaram nesta terça-feira (2) a reunião com os ministros Nelson Barbosa (Fazenda), Jaques Wagner (Casa Civil) e Ricardo Berzoini (Secretaria de Governo), no Palácio do Planalto, com a orientação de tentar todos os esforços para concluir as matérias do ajuste fiscal iniciadas ano passado.

A recomendação dos ministros no encontro marcado para tratar estratégias e prioridades de votação para os primeiros meses de 2016 foi buscar o consenso com outros parlamentares, de modo a votar as medidas provisórias (MPs) que trancam a pauta da Casa.

“Se votar amanhã está de bom tamanho para o recesso do carnaval”, afirmou o líder do governo, José Guimarães (PT-CE). Entre as medidas, a mais importante para o governo é a que eleva o Imposto de Renda da Pessoa Física sobre o ganho de capital (MP 692/15), que altera a tributação sobre o lucro de bancos.

De acordo com Guimarães, o pedido dos ministros é para concluir a pauta e aguardar outras prioridades do governo que ainda estão em fase inicial de tramitação. É o caso das propostas de emenda à Constituição (PEC 140/15), que recria a Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF), e a PEC 4/15, que prorroga a Desvinculação de Receitas da União (DRU) até 2019.

Virar a página

“O esforço é para concluir, virar a página. Temos de votar rapidamente as MPs para iniciarmos esse novo debate”, disse o líder petista. José Guimarães acrescentou que, tão logo os novos líderes partidários sejam definidos (até fim do mês), a base aliada tentará retomar o diálogo com a oposição, “que nos ajudou bastante na DRU [aprovada pela Comissão de Constituição de Justiça – CCJ]. É essa relação que tem de ser preservada. Não é pedir apoio, mas discutir a agenda, o pacto do desenvolvimento, com projetos que interessam ao país”, destacou.

José Guimarães disse ainda que o governo estuda a possibilidade de reunir as propostas da DRU e CPMF, mas não detalhou como seria feito. A PEC da CPMF ainda está em fase inicial e aguarda a apresentação do parecer do relator, deputado Arthur Lira (PP-AL), que deve entregar o texto logo após o carnaval.

Em seguida, a proposta será analisada por uma comissão especial e, se aprovada, submetida à votação em dois turnos no plenário da Câmara e outros dois turnos no plenário do Senado. O Planalto quer que toda essa tramitação seja concluída até maio, a fim de que a contribuição, caso aprovada, atinja a previsão de arrecadação de R$ 10 bilhões.

Equilíbrio

O problema é que algumas legendas da Casa são contrárias à criação do imposto e de elevações de tributação, como a prevista na MP 692/15. “O Brasil fechará 2016 com retomada e para retomar tem de ter equilíbrio”, defendeu o líder.

José Guimarães atacou economistas que têm criticado o governo pelas propostas de criação de impostos. “Esses economistas são contrários à tributação de ganho de capital? O que justifica. em um ano de restrições fiscais e econômicas, os dois maiores bancos privados terem lucro de R$ 20 bilhões? Essa gente não pode contribuir para tirar o país da recessão? A CPMF é nova, mas é provisória. A CPMF é ruim para quem ganha muito. Vamos trabalhar para aumentar essa tributação onde são registrados maiores lucros.”

Conforme o líder do PT, a Fazenda está analisando outras medidas para garantir um ano mais tranquilo. Entre outras, Guimarães citou a reforma previdenciária e as mudanças na cobrança do Programa de Integração Social (PIS) e da Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins), mas disse que não existe nada concluído ainda. "Não tem um pacote. São medidas", concluiu.

Mais sobre ajuste fiscal

Mais sobre economia brasileira

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!