Ministro do STJ faz enquete sobre intervenção militar e vira alvo de críticas

 

O ministro Og Fernandes, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), reagiu a críticas feitas por seus seguidores no Twitter por promover, desde essa quinta-feira (28), uma enquete sobre intervenção militar. “Vc é o juiz: o Brasil deve sofrer intervenção militar?”, questionou o ministro. Até as 8h30 desta sexta-feira (29), 47% haviam respondido “sim” e outros 53%, “não”. Mais de 1,2 mil já haviam retuitado o questionamento até esse horário. Cerca de 900 pessoas já haviam respondido. Parte dos seguidores de Og contestou a decisão do ministro de submeter um assunto delicado a pesquisa.

Ele negou que apoie a intervenção militar, suscitada pelo general Antônio Hamilton Mourão há duas semanas como saída para a crise política no país. “Querem minha opinião? Meu dever é cumprir a lei. Sou seguidor da lei, da Constituição e da democracia no Brasil. Faço isso todo dia. Acalmem-se. De mim não verão qualquer manifestação fora da lei”, rebateu.

Og criticou o tom considerado por ele agressivo adotado por alguns dos seguidores que o questionaram sobre a realização da pesquisa: “Vamos construir o país sem a faca entre os dentes.Precisamos melhorar quando parte da sociedade agride uma singela enquete”. Veja, no fim deste texto, a resposta divulgada por ele, dividida em vários tuítes (veja o perfil do magistrado no Twitter).

O placar da enquete se acirrou desde a noite de ontem, quando um terço dos seguidores defendiam a volta dos militares ao poder, a exemplo da ditadura que perdurou de 1964 a 1985.

Veja algumas das reações favoráveis e contrárias à realização da pesquisa:

dona ddivinas tretas‏ @ladyrasta 8 hhá 8 horas

Ministro, eu o sigo há tempos e não tenho dúvidas que o Sr. defende princípios republicanos. Mas num momento desses, não sei, com toda sinceridade, se é produtivo que um integrante da cúpula do Judiciário faça essa pergunta.

Ronaldo Teixeira‏ @ronaldooricotx 12 hhá 12 horas

Quando um ministro faz um questionamento desse tipo, a gente percebe que realmente a vaca foi pro brejo. Que tristeza!

Rodrigo Martins‏ @rod_martinss 14 hhá 14 horas

Sério isso ministro? Isso nem deveria ser a pauta do Brasil, ainda mais vindo de um magistrado.

Thiago Rodrigues‏ @Thiagocomenta 6 hHá 6 horas

Em uma democracia todos os temas podem ser debatidos,a reação a enquete do ministro @ministro_Og mostra q muitos desejam um debate limitado

Roberto C. Dórea‏ @rdorea1 11 hhá 11 horas

Também sugiro que pesquise sobre o Foro de São Paulo e assista a palestra completa do @general_mourao. #IntervencaoMilitar

Mayara Hespanhol‏ @mayshespanhol 12 hhá 12 horas

É apenas uma enquete... O que eu fico apavorada é com a falta de educação de algumas pessoas. Por isso que o Brasil está assim.

JóPereira‏ @jolimapereira 11 hHá 11 horas

Sou contra a intervenção militar, mas acho exagero crucificar a pergunta. Og também é um cidadão. Ademais, ele não se refere a juiz togado.

Rafael de Menezes‏ @juizrafael 7 hHá 7 horas

Formidável um magistrado de 3a instância disponível à população em rede social. Todo meu apreço ao @ministro_Og!

Abaixo, a justificativa do ministro para a sua iniciativa:

“Verificar os sentimentos do país nas redes sociais é um exercício de empatia. Um juiz que atua no STJ, penso, não deve se encastelar. A internet permite o contato direto com seu povo. Esse espaço pretende ser um canal para a cidadania.Tem compromisso com os valores da sociedade e um viés jurídico. Não busco a notoriedade, mas vinculei-me, faz tempo, ao combate da falta de abertura do Judiciário para o seu público. Utilizo esse espaço para veicular notícias do Judiciário e incentivar o conhecimento deste Poder sem o desejo de influenciar crenças. Sugiro que não me sigam os que desejam nesse espaço que eu trave duelos ideológicos. Há uma contrapartida nisso: não vou dialogar com seguidores que se escondem em falsos nomes para atitudes anárquicas. Contribuir com o debate de ideias implica tolerância com a crença alheia, mas não melhora a sociedade dar trela a quem é intolerante. Contribuir com o debate de ideias implica tolerância com a crença alheia, mas não melhora a sociedade dar trela a quem é intolerante. Civilidade é tarefa de todos. Qual o país que se deseja? Eu quero saber e, às vezes, as respostas causam perplexidade. Qual o país que se deseja? Eu quero saber e, às vezes, as respostas causam perplexidade. Na atual enquete aflora um cenário conflituoso. A pergunta é neutra; algumas respostas, sectárias,a partir da interpretação da enquete. (Og Fernandes)”

<< Comandante do Exército desautoriza general a falar sobre intervenção militar

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!