Ministro da Justiça critica Segurança Pública do RJ e aponta ligação de autoridades com o crime organizado

 

O ministro da Justiça, Torquato Jardim, criticou a Segurança Pública do Rio de Janeiro e apontou ligação de autoridades do Rio e comandantes da PM com o crime organizado. As declarações de Torquato foram dadas em entrevista ao jornal O Globo, publicada na manhã quarta-feira (1º). Após declarações ao site UOL, no qual fez menções ao tema, o ministro sofreu duras críticas do governador do Rio, Luiz Fernando Pezão, de deputados estaduais e do comando da PM. Diante da reação, ele desafiou as autoridades a provarem que sua fala está errada, além rebater declarações do governador.

"Lamento a repercussão e extensão que teve [as declarações feitas ao site UOL]. Fiz uma crítica institucional pessoal. Mas se estou errado, que me provem", provocou. Para Torquato, a "própria história da instituição" aponta a ligação do comando da PM com o crime organizado. "Em algum momento, este ano, de uma única vez, foram presos 93 policiais de um batalhão em São Gonçalo. Alguns dias mais tarde, mais alguns. E qual foi a consequência disso? A polícia tem que revelar, tem que contar. (Tem) a questão de vazamento de informações", apontou na entrevista.

<< Leia entrevista completa no site do jornal O Globo

No entanto, de acordo com ele, a investigação da corporação não é de responsabilidade da autoridade federal, mas da Corregedoria da própria Polícia Militar local. Para Torquato, há toda uma linha de comando que precisa ser investigada."Nós temos informação: R$ 10 milhões por semana na Rocinha com gato de energia elétrica, tv a cabo, controle da distribuição de gás e o narcotráfico. Em um espaço geográfico pequeno. Você tem um batalhão, uma UPP lá. Como aquilo tudo acontece sem conhecimento das autoridades?", questionou o ministro, que associou o caso a uma possível autorização "informal" e fez menção ao filme brasileiro de ficção Tropa de Elite."Em algum lugar, voltamos à Tropa de Elite 1 e 2".

Sobre as críticas do governador do Rio, o ministro afirmou ter dito apenas sua opinião e disse ter conversado com as autoridades locais, em mais de uma reunião. Torquato contestou a negativa de pezão, de que não teria conversado sobre o assunto com o ministro: "Eu tenho melhor memória".

Questionado pela jornalista Renata Mariz sobre políticos do Rio que querem que ele apresente nomes sobre a conexão entre deputados, crime organizado e a polícia, Torquato disse que a questão não é apontar nomes. "No mapa eleitoral do Rio de Janeiro, você tem cerca de 840 zonas mais perigosas onde moram um milhão de cariocas. Pelos dados oficiais, você sabe quem são os mais bem votados. E isso está sendo estudado pelo TSE com a participação do Ministério da Justiça, do GSI, da Defesa, da Abin e da PF", disse ao site.

<< O Rio de Janeiro está em guerra?

<< Vídeo-reportagem expõe o abandono de uma sociedade na rota das balas perdidas

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!