Reale diz que impeachment nasceu das ruas e que o PT deixa “malandragem” como legado

Em discurso de acusação no Senado, advogado e coautor da denúncia contra a presidente afirma que presidente está de costas para o país e que gestões Lula e Dilma foram marcadas por "sinecura", e não por mérito

Um dos autores da denúncia contra a presidente Dilma Rousseff, o jurista Miguel Reale Junior defendeu nesta terça-feira (30) que o processo de impeachment surgiu da vontade popular nas manifestações de rua. Para ele, ao dizer que o impeachment é um "golpe", fruto de algum tipo de "trama", Dilma parece "estar de costas para a nação", "sem perceber que o processo nasceu das ruas, da Avenida Paulista, de Copacabana, de Boa Viagem, do Parcão de Porto Alegre". Durante sua argumentação, o advogado reafirmou que o  o processo teve início junto aos movimentos sociais, por meio da internet.

O fato de o advogado ter mencionado regiões conhecidas por abrigarem grandes centros financeiros e áreas ocupadas majoritariamente pela classe média alta não passou em branco. A senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) pediu a palavra ao final da fala de Miguel Reale e chamou atenção para o fato. "Miguel Reale falando: este processo nasceu na Av. Paulista, N. S. Copacabana, Av. Atlântica. Nisso tem razão, nasceu da elite brasileira", disse a senadora.

O jurista também sustentou que a presidente se esquivou das perguntas na sessão de ontem (29) ao dar sempre as mesmas respostas. "Não precisava a presidente ficar tanto tempo, era possível só gravar algumas respostas e tocar o play, porque as respostas eram sempre as mesmas, as respostas eram sempre iguais", afirmou o advogado.

Miguel Reale  reafirmou que Dilma cometeu crimes de responsabilidade. Para ele, o próprio projeto de mudança da meta fiscal enviado pela presidente ao Congresso é uma prova de que houve descumprimento da meta vigente na edição de decreto de suplementação orçamentária. "Há crime de responsabilidade, há autoria e há dolo. Há, sim. Há crime de responsabilidade, há cadáver e há mau cheiro desse cadáver", concluiu o advogado.

Já no começo do discurso, Reale atacou o PT, partido de Dilma, afirmando que o país vive um momento de mudança de mentalidade, não apenas de governo. " É uma administração pública não baseada no mérito, mas na sinecura, na difusão de que o que importa é ser malandro. O lulopetismo deixa como legado a esperteza, a malandragem. O país não quer mais isso", afirmou.

O jurista insistiu que o processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff não prejudica o regime democrático brasileiro."O país não quer mais isso. O país que organiza uma Olimpíada e que vive um processo de impeachment sem risco à democracia é um país que confia em suas instituições, em sua gente. Um país que confia que existem pessoas da coragem como Janaína Paschoal", disse, exaltando o trabalho da colega durante o processo. Reale finalizou, dizendo que os senadores "não estão fazendo nenhuma injustiça" ao votar pelo impeachment. "Estão fazendo justiça proporcional aos atos graves que foram cometidos”.

Com informações da Agência Brasil

Mais sobre impeachment

Mais sobre o Brasil nas ruas

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!