Meirelles: Temer vai propor autonomia, mas sem independência do BC

Independência do Banco Central não deve ser discutida de “afogadilho" e merece uma análise “mais profunda e acordo de maior abrangência”, destacou o ministro. Atual presidente do BC, Tombini seguirá no governo, mas em cargo ainda não anunciado

O ministro da Fazenda e Previdência, Henrique Meirelles, afirmou nesta terça-feira (17) que o presidente interino Michel Temer vai enviar ao Congresso Nacional uma proposta de emenda à Constituição (PEC) que prevê uma “autonomia técnica”, mas não a independência do Banco Central. “Nos oito anos que passei no BC, a autonomia era meramente um acordo verbal e agora teremos uma garantia constitucional para uma autonomia técnica”, afirmou. A independência do Banco Central não deve ser discutida de “afogadilho" e merece uma análise “mais profunda e acordo de maior abrangência”, destacou o ministro na entrevista coletiva em que anunciou os principais nomes de sua equipe econômica.

Meirelles disse que a retomada da confiança na economia brasileira será gradual e deverá ser acelerada nas próximas semanas. Ele lembrou que caberá ao Senado afastar as incertezas sobre o futuro do governo, com o julgamento final da presidente Dilma Rousseff, o que deve ocorrer em, no máximo, 180 dias.

Embora tenha anunciado a indicação do economista-chefe e sócio do Itaú Unibanco, Ilan Goldfajn, para a presidência do Banco Central, o novo ministro disse que o atual titular do BC, Alexandre Tombini, seguirá no governo. "Gostaria de já dizer que contamos com Tombini continuar integrando a alta administração federal em outra função", afirmou, sem especificar qual cargo será ocupado por Tombini. "Não estamos ainda no momento de anunciar. Certamente, continuaremos com Tombini, mas não mais no BC", acrescentou.

Ainda durante o anúncio de Ilan Goldfajn, Alexandre Tombini divulgou nota elogiando o seu sucessor. “As qualidades de Ilan o credenciam a uma bem-sucedida gestão", destacou. Segundo o atual presidente, o indicado ao comando do Banco Central é um profissional reconhecido, com larga experiência no setor financeiro brasileiro e ampla visão da economia nacional e internacional.

O nome de Ilan e dos demais diretores do BC anunciados por Meirelles serão submetidos a sabatina e votação no Senado. Até lá, Tombini segue na presidência da instituição.

Mais sobre crise econômica

Mais sobre crise brasileira

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!