MDB diz que fala de Eduardo Bolsonaro sobre AI-5 é inaceitável

O presidente nacional do MDB, Baleia Rossi, escreveu nesta quinta-feira (31) uma nota de repúdio contra a declaração do líder do PSL na Câmara dos Deputados, Eduardo Bolsonaro (SP),  de que se a "esquerda radicalizar" será posto em prática o regime de restrições democráticas vivenciado na Ditadura Militar conhecido como Ato Institucional número 5.

O MDB tem entre seus filiados o ministro da Cidadania, Osmar Terra, e os líderes do governo no Senado, Fernando Bezerra Coelho (PE),  e no Congresso, senador Eduardo Gomes (TO).

O  terceiro filho do presidente Jair Bolsonaro fez o comentário durante entrevista para a apresentadora Leda Nagle.

"Vai chegar um momento em que a situação vai ser igual a do final dos anos 60 no Brasil, quando sequestravam aeronaves, quando executavam-se e sequestravam-se grandes autoridades, cônsules, embaixadores, execução de policiais, de militares. Se a esquerda radicalizar a esse ponto, a gente via precisar ter uma resposta. E a resposta, ela pode ser via um novo AI-5, via uma legislação aprovada através de um plebiscito, como aconteceu na Itália. Alguma resposta vai ter que ser dada", defendeu.

Leia a íntegra da nota do MDB:

"Como Movimento Democrático Brasileiro que nasceu e cresceu na defesa da Constituição, consideramos inaceitável qualquer menção a atos que possam colocar em risco, de novo, a liberdade do cidadão brasileiro. Lutamos contra a ditadura e seu pior mal, o AI-5, que nos marcou como o momento mais triste da nossa história recente. O Brasil espera que não percamos o equilíbrio e o foco no que mais precisamos: empregos e renda para as pessoas.

Baleia Rossi
Presidente Nacional do MDB".

> Eduardo Bolsonaro acena com a volta de ditadura se Brasil repetir o Chile

Catarse

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!