Marta e Russomanno se enfrentam em “briga” de bar

Na reta final da campanha, candidato do PRB acusa peemedebista de "comprar" ex-funcionários de estabelecimento do qual ele foi sócio em Brasília para prestar depoimento no horário eleitoral. Bar foi fechado com dívida de R$ 2 milhões apenas em aluguel. Ela nega cooptação

Na disputa por uma vaga ao segundo turno para a prefeitura de São Paulo, Celso Russomanno (PRB) e Marta Suplicy (PMDB) se envolveram em uma verdadeira “briga de bar”. O fechamento por dívidas de um estabelecimento comercial do qual Russomanno era sócio em Brasília motivou a mais nova troca de acusações entre os dois candidatos, que aparecem em queda nas últimas pesquisas de intenção de voto, na segunda e na terceira colocação, respectivamente.

Como mostrou o Congresso em Foco, o Bar do Alemão, localizado às margens do Lago Paranoá, foi fechado no dia 5 de agosto com uma dívida de R$ 2 milhões apenas em alugueis. Um dos sócios do deputado no negócio é Augusto Ribeiro de Mendonça Neto, um dos delatores da Operação Lava Jato.

Marta exibiu no horário eleitoral gratuito de rádio e TV depoimento de dois ex-funcionários do bar que alegam que Russomanno e os demais sócios não lhes pagaram o que deviam. A peemedebista também questionou o adversário sobre o assunto no debate da TV Record.

O candidato do PRB acusa a concorrente do PMDB de ter dado dinheiro a ex-empregados do bar para gravar “mentiras” contra ele na TV e no rádio. Segundo Russomanno, todos os débitos trabalhistas foram quitados, com exceção daqueles que são alvo de ação judicial. "Se eu tinha 70 funcionários e fui alvo de ação trabalhista, isso é comum. Quero ver qual é o empresário deste país que não tem uma ação trabalhista? Mas condenação não tenho nenhuma", disse. Ele afirmou que pretende acionar judicialmente a adversária por crime eleitoral.

O deputado divulgou áudio em que um ex-funcionário do bar diz ter sido procurado por um assessor de Marta para, segundo o candidato”, “criminosamente, tentar forjar uma denúncia” contra ele. A assessoria de Russomanno ainda gravou depoimentos com oito ex-empregados do Bar do Alemão que dizem ter recebido todos os direitos trabalhistas. “Está tudo certo”, afirma uma das ouvidas. Ele também exibiu comprovantes de pagamentos a ex-funcionários.

Marta negou ter cooptado qualquer funcionário. “Cooptar é pagar. Ninguém foi pago”, declarou a candidata, conforme relato do jornal do O Estado de S.Paulo. “Como ele disse que era mentira lá no último debate, nós enviamos pessoas a Brasília para ver se achávamos algum garçom que tem processo contra ele. Achamos três que têm processo contra ele. É só ver na Justiça. Ele manipula. Ele mente. Ele continua com propaganda enganosa", devolveu a peemedebista.

O juiz Jerry Teixeira foi o responsável por aceitar o pedido de despejo feito pela Construcen, proprietária do prédio onde funciona o bar. De acordo com os advogados da administradora de imóveis, “não havia outra medida a ser tomada”. “Tentamos negociar várias vezes, mas os donos do bar nunca pagaram”, disse o advogado da empresa, André da Mata.Funcionários do estabelecimento afirmaram, em agosto, que estavam sem receber os 10% das gorjetas pagas pelos clientes desde janeiro deste ano.

Mais sobre Celso Russomanno

Mais sobre Marta

Mais sobre eleições 2016

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!