Marco Aurélio: quadrilha era das mais complexas

Voto do vice-decano da corte empatou a análise de formação de quadrilha contra José Dirceu, José Genoino e Delúbio Soares. Ele também se posicionou pela culpa de Geiza Dias e outras sete pessoas

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Marco Aurélio Mello votou nesta segunda-feira pela condenação de José Dirceu, José Genoino e Delúbio Soares por formação de quadrilha. Com o voto dele, oitavo a se posicionar no item 2, a votação ficou empatada em quatro a quatro. Após dele, ainda apresentam suas posições o decano, Celso de Mello, e o presidente da corte, Carlos Ayres Britto.

Mensalão: entenda o que está em julgamento
Quem são os réus, as acusações e suas defesas
Tudo sobre o mensalão

Marco Aurélio também votou pela condenação de Marcos Valério, Ramon Hollerbach, Cristiano Paz, Rogério Tolentino, Simone Vasconcelos, Kátia Rabello, José Roberto Salgado e Geiza Dias. Já, nos casos de Vinícius Samarane e Ayanna Tenório, ele se posicionou pela absolvição. Com a posição, o placar está em quatro a quatro pela condenação da cúpula petista e dos integrantes do núcleo publicitário-financeiro.

Joaquim condena Dirceu e Genoino por quadrilha
Lewandowski absolve todos os réus por quadrilha

No início do seu voto, Marco Aurélio rememorou discurso feito quando assumiu a presidência do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) em 6 de abril de 2006. O ministro contou que pediu ao então presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), que recomendasse ao presidente Lula que não comparecesse à cerimônia. Mesmo assim, Lula foi. E Marco Aurélio fez um duro discurso contra a corrupção na política. "O Brasil se tornou o país do faz de conta. Faz de conta que não se produziu o maior dos escândalos nacionais. Faz de conta que não foram usadas as mais descaradas falcatruas para desviar milhões de reis", disparou na época.

Ao expor seu argumento, Marco Aurélio citou que, pelo Código Penal, a quadrilha andar armada é um agravante. Ele fez uma analogia: "No caso concreto, o grupo armado estava armado de dinheiro". Na visão dele, "houve, no caso, a formação de uma quadrilha das mais complexas" que atuou entre janeiro de 2003 e junho de 2005. "Mostraram-se os integrantes (da quadrilha) em número de 13. Sintomático o número", afirmou.

Saiba mais sobre o Congresso em Foco

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!