Maranhão pediu dinheiro para concorrer à liderança do PP, diz Youssef

Informações foram colhidas em depoimento do doleiro feito em junho de 2015, segundo reportagem veiculada pelo Jornal Nacional. Preço de cada voto na bancada chegava a R$ 500 mil, diz delator

Um dos delatores da Operação Lava Jato, o doleiro Alberto Youssef relatou que o presidente interino da Câmara, Waldir Maranhão (PP), pediu ajuda financeira para se eleger líder do Partido Progressista, legenda com a maior quantidade de políticos envolvidos no esquema de corrupção da Petrobras. No depoimento, feito em junho de 2015, Youssef diz a investigadores ter visto Maranhão por diversas vezes no apartamento funcional do ex-deputado João Pizzolatti, em encontros para entrega e distribuição de propina do petrolão destinada ao PP. As informações foram veiculadas no Jornal Nacional (TV Globo) desta segunda-feira (11).

O delator disse ter visto o próprio Maranhão receber dinheiro de propina em espécie, e que o deputado foi ao seu escritório em São Paulo para solicitar auxílio financeiro para a disputa na liderança do PP. Tal campanha, ainda segundo o relato, custava entre R$ 4 milhões e R$ 5 milhões – montante que era usado na compra do voto dos parlamentares da legenda, negociado a preços que variavam entre 50 mil e R$ 500 mil. Diante do pedido, Youssef disse ter repassado apenas R$ 10 mil a Maranhão.

As acusações e suspeitas de que foi beneficiado com dinheiro ilícito do petrolão fizeram com que o deputado maranhense fosse obrigado a prestar depoimento à Polícia Federal. A oitiva foi realizada em junho de 2015, época em que Maranhão era um discreto vice-presidente da Câmara, a cerca de um mês do rompimento com o governo Dilma Rousseff por parte do então presidente da Casa, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), réu em duas ações penais no Supremo Tribunal Federal sob a mira da Lava Jato.

Hoje um dos protagonistas na sucessão de Cunha, que renunciou ao comando da Câmara na última quinta-feira (7), Maranhão disse no depoimento que não lembrava quem indicou Alberto Youssef – mas, segundo a reportagem, chamava-o de “primo”. Maranhão disse ainda que a conversa com Youssef não passou de cinco minutos, e que dele jamais recebeu dinheiro, mesmo a título de doação eleitoral.

Segundo a defesa do ex-deputado Pizzolatti, Maranhão foi diversas vezes ao apartamento funcional por ele ocupado à época, uma vez que ambos tinham estreita relação no âmbito do PP. Por outro lado, ainda segundo a defesa, Youssef não esteve no imóvel e não houve distribuição de dinheiro.

Leia e veja a reportagem em vídeo

 

Mais sobre Operação Lava Jato

Mais sobre Legislsativo em crise

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!