Mantega diz que conselho da Petrobras agiu certo no caso Pasadena

Em programa de rádio, ministro da Fazenda diz ser favorável às CPIs e que Graça Foster e Edison Lobão vão prestar esclarecimentos sobre compra de refinaria. “Somos favoráveis à investigação"

Em entrevista programa “Bom dia, Ministro”, da EBC, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, afirmou nesta quarta-feira (2) que o governo não teme "qualquer investigação" na Petrobras e que o conselho de administração da estatal agiu corretamente na aquisição da refinaria de Pasadena, nos Estados Unidos.

 

"O que se discute na Petrobras é aquisição de Pasadena. Eu não estava no conselho de administração [naquela época]. Mas tenho certeza de que o conselho agiu corretamente na ocasião. O conselho é formado por pessoas da mais alta competência do setor público e privado. Analisou com toda discriminação e profundidade necessária", disse Mantega.

Mantega declarou ainda que o caso vai ser esclarecido no Congresso pela presidente da Petrobras, Graça Foster, e pelo ministro Edison Lobão (Minas e Energia). E, segundo ele, a Petrobras é fiscalizada permanentemente pelo Tribunal de Contas da União (TCU) e por auditoria interna.

CPIs

O Congresso Nacional está discutindo sobre a instalação CPIs para investigar o tema. “Somos favoráveis à investigação. Vamos ver que a empresa trabalha na regularidade. É uma das maiores empresas do mundo. É a empresa que mais faz investimento no mundo, tirando as chinesas”.

Ontem, em manobra articulada pelo Planalto, PT e PMDB montaram uma operação para tentar inviabilizar a CPI da Petrobras, pedida pela oposição no Senado. A senadora Glesi Hoffmann (PT-SP) questionou a legalidade da comissão. Posteriormente, o senador Humberto Costa (PT-PE) apresentou um outro pedido de CPI, englobando as investigações solicitadas pela oposição, como a compra da refinaria de Pasadena , e temas que atingem o PSDB, do senador Aécio Neves (MG), e o PSB, do governador Eduardo Campos (PE), adversários da presidenta Dilma Rousseff na campanha presidencial deste ano.

Leia mais sobre Petrobras

Nosso jornalismo precisa da sua assinatura

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!