Manifestação de Cunha é posição pessoal, diz PMDB

Partido divulga nota informando que qualquer decisão partidária só será tomada após consulta de instâncias deliberativas do PMDB

O PMDB nacional divulgou nota nesta sexta-feira (17) afirmando que a manifestação do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), sobre rompimento com o governo, é a “expressão de uma posição pessoal”.  De acordo com a presidência do partido, decisões partidárias só serão tomadas após consulta à comissão executiva nacional, ao conselho político e ao diretório nacional da sigla.

Em coletiva de imprensa na manhã desta sexta-feira, Cunha anunciou que, a partir de hoje, a presidente Dilma Rousseff não o terá mais na base de sustentação no Congresso. A decisão foi tomada um dia após um dos delatores da Operação Lava Jato, Julio Camargo, falar que o presidente da Casa o pediu 5 milhões de dólares em propina.

Cunha disse ao Congresso em Foco que o depoimento de Camargo, ex-consultor da Toyo Setal, foi uma “mentira” dita aos investigadores da força-tarefa a mando de Janot. Na coletiva, o peemedebista voltou a acusar o delator, chamando-o de “pilantra”, além de desafiá-lo a provar a verdade de sua delação.

"Presidente da Câmara agora é oposição ao governo", diz o próprio Eduardo Cunha

Mais sobre Operação Lava Jato

Mais sobre crise na base

Mais sobre Eduardo Cunha

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!