Manchetes dos jornais: Senado usou 300 atos secretos para beneficiar amigos

O Estado de S. Paulo

Senado usou 300 atos secretos para beneficiar amigos


Levantamento feito por técnicos do Senado nos últimos 45 dias detectou cerca de 300 atos administrativos secretos, alguns deles adotados há mais de 10 anos, relatam os repórteres Rosa Costa e Leandro Colon. Na relação aparecem nomeações de um neto do presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), e da ex-mulher do deputado Eliseu Padilha (PMDB-RS), além de medidas impopulares como a extensão de assistência odontológica e psicológica vitalícia a cônjuges de ex-parlamentares. Boa parte das decisões teve o sigilo mantido pelo então diretor-geral do Senado, Agaciel Maia, para agradar aos vários presidentes da Casa desde Antonio Carlos Magalhães. Sarney disse desconhecer a existência dos atos secretos e afirmou defender sua divulgação, porque "a Constituição manda".


Neto de Sarney ganhou cargo


Ele tem 22 anos e ainda não completou a faculdade. Mas graças a um ato secreto do Senado por 18 meses ocupou um de seus cargos mais cobiçados, recebendo R$ 7,6 mil mensais. João Fernando Michels Gonçalves Sarney é neto do senador José Sarney.


Senado dá senha para ampliar vagas de vereador


Deu certo a pressão dos vereadores. Por unanimidade, a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado aprovou ontem proposta de emenda à Constituição que reduz pouco o porcentual de repasse de recursos para as Câmaras Municipais. A aprovação da proposta abre caminho para a promulgação da emenda constitucional que aumenta em 7.343 o número de vereadores em todo País. Uma das mais beneficiadas, a Câmara paulistana poderá gastar até 3,5% da receita líquida do município. Pela versão anterior, aprovada no dia 6 de maio na CCJ, ela poderia receber apenas 2% de repasses da receita líquida. "Nem sempre o que é viável é o ideal", admitiu o senador Valter Pereira (PMDB-MS), relator da emenda. A aprovação da redução de gastos das Câmaras abre caminho agora para que os presidentes do Senado, José Sarney (PMDB-AP), e da Câmara, Michel Temer (PMDB-SP), promulguem a emenda que aumenta o número de vereadores.


Blog da Petrobrás atrapalha relação com imprensa, diz Temer

O presidente da Câmara, Michel Temer (PMDB-SP), afirmou que a decisão da Petrobrás de publicar num blog as perguntas dos jornalistas que a procuram, antes mesmo da publicação das reportagens, atrapalha a relação da estatal com a imprensa. Temer não quis, no entanto, opinar sobre a legalidade dos métodos adotados pela empresa. Acha que, a princípio, tudo se insere no debate sobre a liberdade de imprensa. As declarações foram feitas logo depois de Temer participar da abertura da 4ª Conferência Legislativa sobre Liberdade de Imprensa, em Brasília. O diretor de conteúdo do Grupo Estado, Ricardo Gandour, que também participou do seminário, atribuiu a decisão da Petrobrás a um grande equívoco da estatal. "Não acho que foi má-fé, mas falta de discussão. Por isso, tenho certeza de que a Petrobrás vai rever isso", disse ele.


Prefeituras do PT têm mais repasse da Petrobrás

As prefeituras controladas pelo PT e pelo PMDB são as que mais receberão verbas da Petrobrás para programas e obras sociais nos últimos seis meses. Dos R$ 38,6 milhões reservados para as transferências, 67% beneficiarão cidades administradas pelas duas legendas, principais bases de sustentação política do governo Luiz Inácio Lula da Silva. São termos de repasse assinados entre dezembro, quando os atuais prefeitos já estavam eleitos, e maio por meio de convênios e contratos por dispensa ou inexigibilidade de licitação, conforme permite regulamentação própria da Petrobrás. A maior parte do dinheiro está incluída no programa Fundo da Infância e Adolescência (FIA).


Base aliada acha álibi para frear

Interessado em adiar ao máximo a abertura da CPI da Petrobrás, o governo usou ontem a disputa pela relatoria de outra comissão parlamentar de inquérito, a CPI das ONGs, para jogar no impasse. A base aliada obstruiu a reunião da CPI das ONGs logo que o presidente da comissão, senador Heráclito Fortes (DEM-PI), se negou a votar a questão de ordem que propunha tirar o líder tucano Arthur Virgílio (AM) do posto de relator. Como PSDB e DEM se recusam a devolver a relatoria à base governista, o líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), afirmou que seria "difícil" instalar a CPI da Petrobrás na manhã seguinte (hoje).


Serra tem menor taxa de rejeição entre presidenciáveis


Na primeira vez em que uma pesquisa da série CNI/Ibope avalia as eleições presidenciais de 2010, o tucano José Serra aparece com 20 pontos de vantagem sobre a petista Dilma Rousseff (38% a 18%). A comparação entre os dois revela ainda que a pré-candidata apoiada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva enfrenta maior rejeição e desconhecimento por parte do eleitorado. Ao serem questionados sobre a frase que descreveria de forma melhor sua opinião sobre Dilma, 34% dos entrevistados pelo Ibope optaram por "não votaria de jeito nenhum". No caso de Serra, 25% deram a mesma resposta. O levantamento mostrou ainda que apenas 36% dos eleitores conhecem a ministra da Casa Civil "bem" ou "mais ou menos". Em relação ao governador de São Paulo, a soma das duas respostas chega a 76%.


Sucessor de Souza será anunciado


O nome do novo procurador-geral da República será definido hoje pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva, após uma reunião com o ministro da Justiça, Tarso Genro, e o Advogado-Geral da União, José Antonio Dias Toffoli. De acordo com assessores do governo, o vice-procurador-geral da República, Roberto Gurgel, deverá ser o escolhido. Gurgel é o primeiro nome da lista encaminhada pela Associação Nacional dos Procuradores da República (ANPR) após eleição entre os procuradores, no final de maio. Com a escolha, Lula manterá a tradição de acatar a indicação feita pela categoria. Foi assim na nomeação do ex-procurador-geral Cláudio Fonteles, no primeiro ano de seu mandato, e do atual procurador Antonio Fernando de Souza.


'Mandato nem acabou e já estou com saudades', diz Lula


 Em cerimônia de anúncio da liberação de R$ 4,7 bilhões para obras de drenagem em vários municípios brasileiros, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva fez questão de ressaltar que o ato não tinha coloração partidária. Ele destacou que estavam presentes à solenidade, realizada  no Palácio do Buriti, presidentes de vários partidos políticos e prefeitos de várias cidades que foram escolhidas para as obras, de acordo com a gravidade dos problemas. "Estamos entrando em um momento nervoso da vida eleitoral", disse Lula, reclamando em seguida das dificuldades de execução das obras e da fiscalização que, muitas vezes, paralisa as obras. Lula lembrou que já governou por seis anos e meio e que todo mundo tem que trabalhar para colocar em execução tudo o que estiver previsto. "Está faltando um ano e meio (para o fim do mandato) e já estou com saudades", disse.


Investimento desaba e consumo segura PIB


O PIB do primeiro trimestre de 2009 caiu 0,8% na comparação com o último trimestre de 2008 e 1,8% ante o mesmo período do ano passado. O resultado configura "recessão técnica", mas é melhor do que projetava o mercado. O crescimento dos serviços contrabalançou a forte queda na indústria. No setor de transformação, a contração foi de 12,6% sobre o primeiro trimestre de 2008. A expansão do consumo das famílias e dos gastos do governo neutralizou parcialmente o intenso recuo dos investimentos, que chegou a 12,6% em relação ao último trimestre de 2008 - o maior desde 1996. O presidente Luiz Inácio da Silva se disse “triste" com o resultado. O ministro da Fazenda, Guido Mantega, defendeu juros mais baixos e novos estímulos setoriais.


Na USP, conflito deixa 6 feridos

Uma manifestação de alunos e funcionários da USP em greve acabou em confronto com a Polícia Militar. O distúrbio começou às 17 horas, quando 200 alunos cercaram quatro policiais, que pediram reforços. A Força Tática da PM entrou em ação e disparou balas de borracha e bombas de gás lacrimogêneo. Foram feridos um aluno, atingido por uma bala de borracha, e cinco policiais. Três pessoas foram detidas. A polícia alega ter apenas reagido às provocações dos estudantes.


O Globo

CCJ volta atrás e amplia repasses para vereadores

A Comissão de Constituição e Justiça do Senado aliviou os cortes nos repasses das prefeituras às câmaras municipais, previstos na proposta de emenda constitucional que a própria CCJ aprovara há um mês. Foi aprovada emenda aumentando de 2% para 3,5% o menor índice de repasse, previsto para municípios acima de 8 milhões de habitantes, o que beneficia hoje apenas São Paulo. Subiu de 3% para 4% o piso para os municípios entre 3 milhões e 8 milhões de habitantes, faixa do Rio. Os municípios entre 500 mil e 3 milhões de habitantes tiveram o percentual de repasse elevado de 4% para 4,5%. Para as demais faixas, foram mantidos os percentuais da emenda votada no início de maio: 5% para municípios com população de 300 mil a 500 mil habitantes; 6% para aqueles entre 100 mil e 300 mil habitantes; e 7% para as cidades com até 100 mil habitantes. Ao contrário da proposta aprovada ano passado na Câmara, que vinculou os repasses às receitas orçamentárias estabelecendo índices menores (teto de 4,5% e piso de 2%), os senadores voltaram ao critério populacional - com um teto de 7% e um piso de 3,5%. O teto atual é de 8% e o piso de 5%. O projeto agora segue para o plenário do Senado.

Recessão agora é oficial, mas PIB cai menos que esperado

De janeiro a março deste ano, oficialmente, o Brasil entrou em recessão, puxado pela indústria e pela queda drástica do investimento. De acordo com o IBGE, o PIB encolheu neste período 0,8% em relação ao fim do ano passado. Foi o segundo trimestre consecutivo de queda. Em relação ao primeiro trimestre de 2008, o recuo foi de 1,8%, o maior desde 1998. Mas os números surpreenderam: na véspera, o governo chegara a apostar em baixa de 2,4%. O consumo das famílias e os gastos de governo foram responsáveis pelo desempenho acima do esperado. Mesmo assim, não há motivo para comemorar. Se a recessão não ficou tão feia quanto parecia, ela mostra que a produção voltou aos patamares do segundo trimestre de 2007, anulando praticamente os ganhos da economia no segundo mandato do presidente Lula. No mercado, cresceram as apostas de que o Banco Central será mais conservador e cortará hoje apenas 0,75 ponto nos juros básicos, caindo para seu menor nível histórico.


Analistas apostam em corte mais tímido de juro

Apesar de o país estar em recessão técnica, os dados divulgados ontem pelo IBGE mostraram que o quadro não está tão feio quanto se esperava e serviram para corroborar ainda mais as expectativas de que o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC) vai hoje reduzir a intensidade dos cortes da Selic, atualmente em 10,25% ao ano. As estimativas, agora, convergem com mais força para queda de 0,75 ponto, menor do que o corte de um ponto feito no encontro anterior. Quem apostava na manutenção do mesmo ritmo mudou a avaliação ontem.

Governo não fiscaliza 38 mil convênios

Pelo menos 38 mil prestações de contas ficaram sem fiscalização do governo federal em 2008. Somados, esses processos totalizam repasses de R$ 13,3 bilhões a ONGs, estados e municípios, por meio de convênios - um aumento de 58% em relação a 2007. Sem fiscalização, é impossível saber se o dinheiro, resultante de transferências voluntárias da União, foi aplicado corretamente. Por causa disso, o Tribunal de Contas da União aprovou com 15 ressalvas as contas do governo federal do ano passado e emitiu alerta cobrando agilidade na fiscalização. "Quanto maior o atraso nas prestações de contas, mais recursos o país pode perder", disse o ministro Augusto Nardes, relator das contas de 2008. O TCU aponta falhas no controle da execução do Orçamento da União, como a falta de um sistema que permita acompanhar custos dos projetos. E cobra informações sobre indicadores de desempenho: dos 777 critérios para medir a eficiência dos programas governamentais, 70% não estavam disponíveis para o tribunal. 

Lula: governantes não mexem em invasões

O presidente Lula disse que o político de oposição incentiva ocupações irregulares, mas, quando chega ao governo, procura o culpado pelo problema. E não resolve o assunto, interessado nos títulos de eleitor dos invasores. No lançamento do PAC Drenagem, Lula criticou agentes fiscalizadores de obras e disse que a paralisação pode ter o efeito financeiro de um superfaturamento: "Fiscalização rígida e séria é diferente de fiscalização dura e irresponsável."


Ex-deputado indiciado por homicídio com dolo

O ex-deputado estadual do Paraná Fernando Ribas Carli Filho foi indiciado ontem por homicídio com dolo eventual (quando o condutor assume o risco de produzir o resultado por sua conduta perigosa), por causa da morte de dois jovens em acidente, no dia 7 de maio, em Curitiba. Carli Filho dirigia com a carteira cassada, a 190km e embriagado.
O Corpo de Bombeiros apontou em relatório "hálito etílico" do ex-parlamentar. Testemunhas afirmaram que o carro de Carli Filho "voou" sobre o dos jovens, que morreram na hora. Internado desde o dia do acidente no Hospital Albert Einstein, em São Paulo, Carli Filho recebeu alta anteontem e foi ouvido ontem pelo delegado Armando Braga.


Quando o ensino fica pela metade

Só 53,7% crianças brasileiras matriculadas no ensino fundamental conseguem concluir a 8ª série. No ensino médio, só 50,9% dos matriculados chegam ao fim do curso, mostra o relatório "Situação da Infância e da Adolescência Brasileira" do Unicef. Ao falar de favelas, a pesquisa aponta emergência no Complexo do Alemão, onde os estudantes ficaram dois meses sem aulas em 2007.


Folha de S. Paulo

Brasil está em recessão

O Produto Interno Bruto do país recuou 0,8% na comparação com o último trimestre do ano passado, que já havia contabilizado uma perda de 3,6%, segundo o IBGE. Pela regra mais universalmente adotada, dois trimestres consecutivos de queda do PIB (soma dos bens e riquezas produzidos por um país) significam que o Brasil entrou em recessão. A análise dos números do IBGE mostra que a produção de bens de capital, as obras de infraestrutura, as exportações e as importações registraram quedas dignas de depressão econômica. No entanto, mesmo sem o ímpeto de meses atrás, os salários, as compras do dia a dia e serviços básicos como saúde e educação retomaram o crescimento. A equipe econômica festejou a queda do PIB menor que a prevista pelo mercado. O presidente Lula, porém, considerou o resultado pior do que imaginava; ele esperava retração de até 0,5%. O governo já estuda medidas para estimular setores específicos da economia, como a produção de máquinas e equipamentos e de software e a indústria naval.


CNJ aprova medida que afasta os titulares de 5.000 cartórios


O CNJ (Conselho Nacional de Justiça) aprovou ontem por unanimidade uma resolução que determina a remoção dos titulares de cartórios civis do país que não passaram por concursos públicos para o preenchimento dos cargos. A estimativa do CNJ é que mais de 5.000 tabeliães e oficiais registradores -cerca de um quarto do total do país- percam os postos com a medida, que vale para os que assumiram sem concurso após a promulgação da Carta de 1988. A resolução também prevê a realização de seleções públicas para os cargos a partir de 90 dias. A expectativa do CNJ é a de que todos os novos concursos sejam concluídos até o final deste ano.


Aumenta a falta de controle com gasto público, afirma TCU


O saldo das transferências de recursos públicos a Ongs, Estados e municípios sem fiscalização atingiu R$ 15,8 bilhões em 2008, um aumento de 55% em relação a 2007, revela o relatório sobre as contas do governo de 2008 aprovado ontem pelo TCU (Tribunal de Contas da União), com ressalvas. Em 2007, foi de R$ 10,2 bilhões o saldo dos repasses por meio de transferências voluntárias sem que as prestações de contas tenham sido apresentadas pelo tomador do dinheiro ou analisadas pelo órgão público responsável pela contratação dos serviços. O valor dos convênios não fiscalizados em 2008 supera em mais de 30% os gastos previstos com o Bolsa Família em 2009, de R$ 11,9 bilhões.


Aprovação a Lula sobe para 68%, diz Ibope

A avaliação positiva do governo Lula subiu de 64% em março para 68% em junho, segundo pesquisa CNI/Ibope divulgada ontem. O resultado ainda é inferior a dezembro, quando 73% avaliavam o governo como bom ou ótimo. Outros 24% disseram que o governo é regular e, para 8%, ruim ou péssimo. Na pesquisa de março, 25% viram a administração como regular e 10%, como ruim ou péssima. A alta na avaliação já havia sido verificada pela pesquisa Datafolha divulgada em 31 de maio, que apontou índice de aprovação do governo de 69%, mesmo patamar recorde atingido antes da crise econômica.

Nova lista de desmatadores exclui Incra


O Ministério do Meio Ambiente divulgou ontem nova lista de desmatadores. Dessa vez, no entanto, optou por não incluir o Incra, órgão responsável pelos assentamentos do programa de reforma agrária, que figurou como principal desmatador na lista tornada pública em setembro do ano passado. O ministério explicou que só aparece na lista quem será acionado na Justiça pelo governo, o que não é o caso do Incra. "Muitos assentamentos desmatam muito. Eu sei que alguns jornalistas gostariam que o Incra estivesse sempre nas cabeças. Às vezes ele está na frente, às vezes está no meio, às vezes está atrás. É que nem o Vasco, às vezes está na primeira divisão, às vezes na segunda", afirmou o ministro Carlos Minc.


Lula repassa R$ 1,95 bi a Estados e cidades


O presidente Luiz Inácio Lula da Silva assinou ontem medida provisória repassando R$ 1,95 bilhão adicionais a Estados e municípios que tiveram perdas com a Lei Kandir. A MP será publicada na edição de hoje do "Diário Oficial da União". A Lei Kandir isenta as exportações do pagamento de ICMS (principal tributo estadual), mas, para evitar perdas de receita para Estados, prevê compensação financeira por parte do governo federal. O objetivo é estimular vendas externas. Com os recursos liberados ontem, os repasses adicionais, por meio de empréstimo ou recursos extras, somam quase R$ 7 bilhões, o que ajuda a minimizar efeitos da crise mundial.


Supremo deve julgar diploma para jornalistas

Está na pauta de votação de hoje do STF (Supremo Tribunal Federal) o julgamento de uma ação do Ministério Público Federal contra a obrigatoriedade do diploma para jornalistas, exigência que está suspensa por causa de uma decisão provisória do presidente do tribunal, ministro Gilmar Mendes. A tendência é que Mendes, relator da ação, mantenha a posição tomada em novembro de 2006 e vote por derrubar definitivamente tal limitação, por entender que exigir o diploma do jornalista é restringir a manifestação do pensamento e a liberdade de informação.


PM e grevistas entram em confronto na USP

PMs, estudantes e funcionários entraram em confronto que durou quase 80 minutos no campus da USP, na zona oeste de SP. Os policiais ocupam a universidade desde o dia 1° para evitar piquetes dos funcionários em greve, à qual alunos e professores aderiram na quinta. Os PMs usaram balas de borracha, entre outras armas; os estudantes jogaram pedras e tijolos. Houve cinco policiais e cinco alunos feridos; três pessoas foram detidas e soltas. O governador José Serra diz que o Estado só cumpriu ordem judicial, a pedido da reitoria.


Jornal do Brasil

Em recessão, mas não muito

O Brasil entrou em recessão - dois trimestres consecutivos de crescimento negativo. Dados do IBGE mostram que a economia encolheu 0,8% nos primeiros três meses do ano se comparados com o fim de 2008. A queda, porém, fOi mais branda do que o governo e analistas esperavam. O consumo das famílias surpreendeu e voltou a crescer, freando o ritmo da retração. Diante da boa notícia, economistas projetam uma redução menos acentuada da taxa Selic na reunião de hoje do Copom, e avaliam: está perto o fim do ciclo de queda dos juros.

Recolhidos 41 corpos de vítimas do acidente da Air France

Marinha e Aeronáutica já recolheram 41 corpos de vítimas do voo 447 da Air France, que caiu no Oceano Atlântico com 228 pessoas a bordo. As buscas continuam. Encarregado de descobrir na França as causas da queda do Airbus, Paul-Louis Arslanian investigou o incêndio e queda do Concorde no Aeroporto Charles de Gaulle, em 1999. Suas conclusões até hoje sofrem contestações. A Air France iniciou a substituição de todos os sensores de velocidade dos A330 e A340.

Educação no país melhora

Relatório divulgado pelo Unicef mostra que o Brasil tem 27 milhões de estudantes em sala de aula, o que corresponde a 97,6% das crianças entre 7 e 14 anos. Mas o documento adverte que a parcela ainda fora da escola (2,4%) representa o expressivo contingente de 680 mil crianças.


Correio Braziliense

Recessão vem fraca e juro cairá menos

Produto Interno Bruto do Brasil cai 0,8% entre janeiro e março, segundo o IBGE. O número veio melhor do que o esperado por bancos e economistas. A performance acima das expectativas se deu por conta das medidas lançadas pelo governo no início do ano para estimular o consumo das famílias. E, pelo fato de a situação não estar tão ruim como se pensava, o Banco Central vai reduzir o ritmo de queda dos juros básicos da economia. A nova taxa, a ser anunciada hoje à noite, sofrerá um corte entre 0,5 e 0,75 ponto percentual nos atuais 10,25% ao ano. Até então, esperava-se redução bem maior, de até um ponto, como forma de acelerar os negócios e tirar a economia do atoleiro. Em qualquer cenário, porém, o Brasil vai experimentar pela primeira vez em 30 anos uma taxa de juros de um dígito, mais próxima dos países desenvolvidos.


Ajuda aos mais ricos


A renúncia tributária prevista no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), para estimular os investimentos especialmente em infraestrutura e construção civil, teve um acréscimo de 100% do primeiro ano do programa (2007) para o ano passado, pulando de R$ 7,5 bilhões para R$ 14,6 bilhões. Considerando a regionalização da desoneração tributária, evidencia-se que os investimentos do PAC estão concentrados nas regiões Sul e Sudeste do país, que consomem 80% de toda a renúncia concedida, equivalente a cerca de R$ 11,6 bilhões. As conclusões estão no relatório das contas do governo Luiz Inácio Lula da Silva de 2008, aprovado ontem, com ressalvas, pelo plenário do Tribunal de Contas da União (TCU).


Lula contra fiscalizadores: “Não posso parar obra”


No mesmo dia em que o Tribunal de Contas da União (TCU) recomendou maior transparência nas contas da União e aprovou, com ressalvas, a contabilidade de 2008 do governo federal, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva relacionou a lentidão no andamento das obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) a decisões de órgãos fiscalizadores. “O dinheiro está disponível há não sei quanto tempo. (...) As obras não podem parar. Se quer fiscalizar, vamos abrir processo, mas eu não posso parar uma obra.” Lula argumentou que o custo de uma obra parada durante meses muitas vezes é igual ou superior ao superfaturamento constatado pelos órgãos de controle. A geração de empregos, em contrapartida, é apontada pelo presidente como uma das principais medidas no combate à crise econômica internacional.


Revolta de deputados caroneiros


A Câmara anda inquieta com a decisão do seu presidente, Michel Temer (PMDB-SP), de barrar o direito de deputados pegarem carona nas medidas provisórias para aprovar no plenário matérias que nada têm a ver com o assunto da MP. Parlamentares de diferentes partidos partiram para o ataque, abertamente e nos bastidores. Alegam que a proibição fortalece apenas o próprio Temer, que irá decidir sobre rejeição das emendas antes mesmo de o relator apresentar o relatório. Mas, a preocupação maior dos caroneiros é perder uma das poucas oportunidades de deputados ao menos levarem para a pauta de discussão matérias que não sejam de iniciativa do Executivo. Além disso, o poder de barganha dos parlamentares com o governo na defesa de suas bases será reduzido.


Justiça vira palanque para Minc


Após os conflitos com a bancada ruralista no Congresso e colegas da Esplanada — e a bronca que levou do presidente Lula ao tratar em público divergências internas, o ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc, não perde uma oportunidade para provar que, como disse, continua “firmíssimo” no governo. Ontem, aproveitou uma solenidade no Conselho Nacional de Justiça (CNJ). Ao lado do presidente do CNJ e do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes, o ministro roubou a cena. Depois da assinatura de um acordo para traçar ações conjuntas de gestão ambiental no Judiciário, Minc não perdeu tempo e fez um longo discurso sobre quase tudo. Da circulação “impune” de ácaros em Brasília — batizada por ele de “campeã de aparelhos de ar condicionado” — à importância da energia solar e do reaproveitamento de água, papel e do óleo de cozinha, nada escapou. “A quantidade de coisas que dá para fazer com papel, luz, vento e regulagem de motores não é pouca coisa”, disse. “Podemos ajudar catadores de papel que, em vez de assaltar pessoas, vão ter uma fonte de renda”, completou.

A reconstrução do Planalto

Máquinas e operários constroem estacionamento subterrâneo para 500 carros no terreno anexo ao Palácio do Planalto. Por causa da reforma, presidente e 330 assessores vão despachar no CCBB até o ano que vem.
 
Peritos começam a identificar as vítimas do AF-447

Especialistas brasileiros iniciaram ontem a pré-identificação de 16 corpos de passageiros em Fernando de Noronha. Equipes receberão ajuda de franceses no Recife. Militares anunciaram o resgate de mais 17 vítimas, e número de pessoas encontradas chega a 41. Air France acelera troca de sensores de velocidade.

Continuar lendo