Mãe de deputado é presa por indício de envolvimento em superfaturamento de contratos

Ilana Motta, mãe de Hugo Motta, é chefe de gabinete da prefeita de Patos, Francisca Motta, a avó do parlamentar, afastada do cargo nesta manhã também pela Operação Veiculação. As investigações apuram irregularidades em licitações e contratos públicos, principalmente em razão de serviços de locação de veículos. Hugo Motta é conhecido por ser aliado de Eduardo Cunha

A Polícia Federal (PF) deflagrou na manhã desta sexta-feira (9) a Operação Veiculação. Entre os oito mandados de busca e apreensão, cinco de prisão e sete de afastamento das funções públicas, estão os de Ilana Motta, mãe do deputado Hugo Motta (PMDB-PB), e da avó do parlamentar, Francisca Motta, afastada do cargo de prefeita de Patos. Ilana é chefe de gabinete da própria mãe na Prefeitura do município e foi presa preventivamente pela PF.

O objetivo das investigações é apurar irregularidades em licitações e contratos públicos, principalmente ao direcionamento de licitações e superfaturamento de contratos em serviços de locação de veículos, realizados pelas prefeituras municipais de Patos, Emas e São José de Espinharas, todas no Sertão da Paraíba.

De acordo com a força-tarefa composta por Ministério Público Federal (MPF), Polícia Federal e Controladoria-Geral da União (CGU), as fraudes envolvem mais de R$ 11 milhões em recursos aplicados em ações dos Programas de Transporte Escolar (PNATE), Fundeb, Pró-Jovem Trabalhador e no pagamento de serviços de saúde de média e alta complexidade. Todos os mandados foram expedidos pelo Tribunal Regional Federal da 5ª Região.

O deputado Hugo Motta ficou bastante conhecido depois de ser indicado pelo então presidente da Câmara, o deputado afastado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), para presidir a CPI da Petrobras. Durante as investigações do colegiado, Cunha decidiu prestar esclarecimento espontaneamente e mentiu aos membros da comissão ao falar sobre as contas no exterior atribuídas a ele. O depoimento foi o que embasou o início do seu processo de cassação no Conselho de Ética da Casa.

Participam da Operação Veiculação 60 policiais federais, 11 auditores da CGU e procuradores da República. Os investigados deverão responder pelos crimes de fraude à licitação, desvio de recursos públicos, lavagem de dinheiro, entre outros.

Mais informações a seguir

Mais sobre gestão pública

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!