Lula monta estratégia para Dilma superar crise política

Ex-presidente aconselhou sua sucessora a envolver governadores e prefeitos nas discussões do ajuste fiscal, a dialogar mais de perto com a sociedade e a buscar trégua com Eduardo Cunha e o Congresso

O ex-presidente Lula traçou uma estratégia para a sua sucessora superar a crise política que marca o início de seu segundo governo. Os dois conversaram por cerca de três horas na última quinta-feira (12), em um hotel em São Paulo. Os conselhos vão desde uma trégua com o Congresso, a começar por um acordo de paz com o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), desafeto da presidenta, até o fim do isolamento da petista, com viagens pelo país e também para o exterior.

De acordo com o jornal O Estado de S.Paulo, o ex-presidente sugeriu a Dilma que convide governadores e prefeitos para explicar as iniciativas do governo federal na área econômica e, assim, conquistar apoio para a votação de medidas impopulares no Congresso. Essa é uma das saídas, na avaliação dele, para reverter a animosidade entre PT e PMDB, ampliada após a disputa pela presidência da Câmara, que terminou com a vitória de Eduardo Cunha (RJ) e votação pífia do candidato do Planalto, o petista Arlindo Chinaglia (SP).

Segundo o Estadão, Lula informou à presidenta que vai se reunir depois do Carnaval com o presidente do Senado, Renan Calheiros (AL), o líder do PMDB na Casa, Eunício Oliveira (CE), e a bancada de senadores do PT. Após acertar a articulação no Senado, o ex-presidente também pretende se encontrar com Eduardo Cunha.

Desde que assumiu a presidência da Casa, o deputado fluminense adotou medidas que contrariaram o governo, como a aprovação em segundo turno do orçamento impositivo, o convite coletivo para os 39 ministros e a entrega da comissão especial da reforma política para a oposição. O ex-presidente aconselhou sua sucessora a manter relação de paz com o Congresso para evitar novas derrotas ao governo e que o discurso pró-impeachment ganhe força no Legislativo.

O jornal paulista relata que Lula sugeriu a Dilma que busque o apoio de governadores e prefeitos para angariar apoio às iniciativas de ajuste fiscal. Assim, na avaliação dele, ela ganharia adesões no Congresso em votações delicadas, como a das medidas provisórias (664/14 e 665/14) que dificultam o acesso a benefícios trabalhistas e previdenciários. Essas MPs são alvo de críticas até de petistas.

O ex-presidente ainda recomendou a Dilma que saia do gabinete presidencial, fale mais diretamente à população e viaje pelo país para visitar obras e explicar, de maneira didática, a necessidade das medidas impopulares. Explique também o que o governo tem feito para combater a corrupção. Ele ainda a orientou a fazer viagens internacionais, em busca de apoio de lideranças internacionais.

Mais sobre Dilma

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!