Lula festeja assinatura de contrato para estádio do Corinthians

Ex-presidente classifica como “histórico” acordo para construção de arena que custará R$ 820 milhões. Mais de R$ 400 milhões vão sair do BNDES. Petista é um dos homenageados na festa de 101 anos do clube, pelo qual torce

O ex-presidente Lula acompanhou hoje (3), em São Paulo, a assinatura do contrato entre o Corinthians e a Odebrecht para a construção do estádio Itaquerão, em Itaquera, na zona leste da capital paulista. O estádio, que será um dos palcos da Copa de 2014, está orçado em R$ 820 milhões. Lula será um dos homenageados na festa que o clube promove neste sábado, em comemoração aos seus 101 anos.

Corintiano fervoroso, o ex-presidente comparou a assinatura do contrato ao gol que tirou o clube do jejum de 23 anos sem título na década de 1970. “É um dia histórico, tão histórico quanto o gol do Basílio contra a Ponte Preta em 1977”, declarou. Ele afirmou que a obra independe da Copa e elogiou o presidente do clube, Andrés Sanches, com quem mantém relações estreitas. "O Itaquerão não surgiu por causa da Copa. Foi a Copa que entrou no Itaquerão", acrescentou. Lula disse que se empenhou para que a abertura do mundial ocorresse no Morumbi, estádio do São Paulo, como previsto inicialmente, mas que a iniciativa não deu certo por motivos que cabiam ao presidente são paulino explicar.

Estimado em R$ 820 milhões, o Itaquerão tem o segundo maior orçamento entre todas as arenas da Copa. Perde apenas para a reforma do Maracanã, orçada em R$ 931 milhões. Os recursos para a construção do estádio do Corinthians virão de incentivos fiscais da prefeitura (R$ 400 milhões) e de empréstimo do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) (R$ 420 milhões). O governo de São Paulo deve entrar com outros R$ 70 milhões.

Apesar do atraso nas obras, a praça esportiva é cotada para abrir o mundial de 2014. Nas últimas semanas, porém, tem crescido a pressão política para que Brasília seja a sede do jogo inaugural. Um manifesto assinado por 43 dos 81 senadores foi lançado ontem no Senado. Os senadores querem reunir 60 assinaturas e levar o pedido à CBF e à Fifa. Campeão mundial em 1994, o deputado Romário (PSB-RJ) também defende que a abertura seja realizada na capital federal.

Senadores pressionam por abertura da Copa em Brasília

O projeto do Itaquerão previa, inicialmente, espaço para 48 mil pessoas. Mas outros 20 mil lugares devem ser incorporados por meio de arquibancadas móveis para se adequar aos padrões exigidos pela Fifa para o local ser escolhido como sede do jogo inaugural. Além de Brasília e São Paulo, Belo Horizonte também postula o direito de abrir o mundial de futebol.

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!