Denúncia é “pirotecnia”, diz Lula: “Provem uma corrupção minha que irei a pé para a cadeia”

Em sua primeira defesa após ser apontado pelo MPF como “comandante máximo” do petrolão, petista enfatiza tom político em pronunciamento e sinaliza disposição para disputar eleições em 2018: “Não tenho vocação para dar tiro na cabeça, como Getúlio, nem para deixar o país, como Jango”

 

 

Em seu primeiro pronunciamento sobre a denúncia apresentada pelo Ministério Público Federal, o ex-presidente Lula disse estar “indignado” com a acusação de que era o “comandante máximo” do esquema de corrupção na Petrobras. O petista criticou a manifestação dos procuradores da força-tarefa da Operação Lava Jato. “Não vou fazer show de pirotecnia como fizeram ontem. Vou me comportar não como ex-presidente da República. Não quero me comportar como um cara perseguido ou que tivesse reivindicando algum favor”, disse na abertura de sua.

“Esta é a declaração de um cidadão indignado com as coisas que aconteceram e estão acontecendo neste país”, acrescentou.

Ele se comparou a Juscelino Kubitschek, perseguido por adversários políticos e pela ditadura militar, e disse não ter perfil para tomar gestos extremos como os ex-presidentes Getúlio Vargas e João Goulart. “Não tenho vocação para dar tiro na cabeça, como o Getúlio, nem para deixar o país, como Jango (o ex-presidente João Goulart).” O petista sinalizou que pretende disputar as eleições.

“Vão ter que disputar comigo nas urnas”, acrescentou, remetendo ao grito de “fora, Temer” que tem ganhado as ruas desde o afastamento definitivo de Dilma Rousseff.

Emocionado, o ex-presidente chorou e afirmou: “Conquistei o direito de andar de cabeça erguida neste país”. E acrescentou: "Provem uma corrupção minha que irei a pé para a cadeia" - arrancando aplausos dos presentes. Lula ainda criticou o fato dos procuradores do Ministério Público não terem apresentado provas de seu envolvimento, apenas convicções. “Não posso dizer qual é a convicção que eu tenho deles, porque cidadão comum tem que ter as convicções comedidas”, ressaltou.

Durante o discurso, o petista lembrou de sua trajetória política, pediu respeito com sua esposa, Dona Marisa, e citou o caso do helicóptero apreendido pela Polícia Federal no Espírito Santo transportando 445 quilos de cocaína. “Apreenderam e tinham prova de um helicóptero com 400 quilos de cocaína, mas não tinham convicção e o liberaram”, afirmou. Comparando com seu caso, Lula disse que sem provas, mas apenas com convicções, o condenaram.

Em cerca de 1h30 de pronunciamento, Lula voltou a se dizer inocente e perseguido pela mídia e pelo judiciário. Afirmou que, enquanto assistia à apresentação dos procuradores, pensou em ir para a China. “Pensei em ir para a China para me esconder, mas descobri que tanto meus acusadores, quanto uma parte da imprensa brasileira estão mais enrascados e mais comprometidos do que eles pensaram que eu estava”, atacou. O ex-presidente ainda pediu respeito com sua família e sua esposa antes de ser interrompido por gritos de "Lula é meu amigo, mexeu com ele, mexeu comigo”.

Lula faz sua defesa após reunião do Diretório Nacional do PT em um hotel em São Paulo. Ele foi recebido com gritos de “Lula, guerreiro do povo brasileiro” e “Fascistas não passarão”.

Acompanhe a transmissão ao vivo:

 

Leia a íntegra da denúncia contra o ex-presidente Lula

Lula é o “grande general” do petrolão, diz MPF

“Denúncia do MPF é truque de ilusionismo”, dizem advogados de Lula

 

Mais sobre a Operação Lava Jato

Mais sobre crise brasileira

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!