Líderes do PSB apostam na chapa Marina-Beto Albuquerque

Viúva de Campos marca reunião na segunda-feira para pedir empenho na campanha de Marina Silva. Decisão sobre a chapa sai quarta-feira (20) em Brasília

Da enviada especial ao Recife (PE)

Dois líderes do PSB ouvidos pelo Congresso em Foco afirmaram que há “90% de chances” de o deputado Beto Albuquerque (RS) ser escolhido como o novo vice na chapa do partido para a disputa presidencial após a morte de Eduardo Campos. A ex-ministra Marina Silva seria a candidata a presidente tendo ao lado alguém que tem trânsito livre com a direção da legenda e, ao mesmo tempo, um bom e franco relacionamento com a idealizadora da Rede Sustentabilidade.

Para esses dois líderes – um deles do diretório nacional e outro, do pernambucano –, há a possibilidade, mais remota, da indicação da senadora do PSB Lídice da Mata (BA) ou dos deputados pessebistas Júlio Delgado (MG) e Luiza Erundina (SP). Porém, eles acreditam que as credenciais de Albuquerque são muito mais fortes.

O deputado é candidato a senador pelo Rio Grande do Sul e era um dos principais coordenadores da campanha de Eduardo. Foi um dos responsáveis pela aproximação entre o ex-governador pernambucano e Marina Silva.

A decisão sobre a chapa deve acontecer só depois do velório e enterro de Eduardo. Uma reunião deverá ser realizada na quarta-feira (18), na sede do PSB, em Brasília, para bater o martelo sobre o assunto. Marina pode não participar por não integrar a direção nacional do partido. É dessa reunião que poderá sair o nome de Beto Albuquerque como vice da ex-ministra.

Reunião com a viúva

No sábado (16), a viúva de Eduardo Campos, Renata Campos, mandou os aliados dispararem mensagens de Whatsapp convocando todos os integrantes da coligação do PSB para uma reunião na segunda-feira (18), data do seu aniversário.

O encontro será às 10h, no clube Blue Angel, no bairro Derby, na Zona Norte de Recife. Renata Campos, a "dona Renata" (como o marido Eduardo gostava de chamá-la), vai pedir empenho na campanha de Marina Silva e também na de Paulo Câmara (PSB), que concorre ao governo de Pernambuco e está atrás de Armando Monteiro (PTB) nas pesquisas.

Adilson Gomes, um antigo dirigente do PSB estadual ligado ao ex-governador Miguel Arraes, afirmou que há militantes socialistas vindo do exterior para a despedida de Campos. Segundo ele, alguns até de Moçambique, na África.

Na TV

O programa eleitoral na TV começa na terça-feira (19), antes da reunião do PSB em Brasília. O marqueteiro do PSB, Diego Brandy, vai gastar o 1 minuto e 10 segundos da coligação apenas com homenagens a Eduardo Campos.

Ontem, foi publicado em um canal do Youtube um programa de TV que seria o primeiro do PSB. Nele, Campos é acompanhado de Marina num auditório e faz críticas e ironias às alianças da presidente Dilma Rousseff com tradicionais caciques da política, os senadores José Sarney (PMDB-AP), Renan Calheiros (PMDB-AL) e Fernando Collor (PTB-AL).

 

Mais sobre Eduardo Campos

Mais sobre eleições

Assine a Revista Congresso em Foco em versão digital ou impressa

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!