Líderes da base de Temer anunciam desagravo a Geddel: “Muita tempestade por assunto pequeno”

Aliados do governo trocaram o silêncio em relação às acusações contra o articulador político do presidente por manifestações públicas de apoio a ministro acusado por ex-colega. Ato é organizado pelo líder do governo na Câmara, réu em processos no STF

 

 

Se o discurso era de tolerância zero com as denúncias contra integrantes do governo Dilma Rousseff, agora o papel se inverteu. Líderes dos partidos que integram a base de apoio do presidente Michel Temer (PMDB) e que faziam oposição a Dilma silenciaram, até esta terça-feira (22), sobre as acusações contra o ministro da Secretaria de Governo, Geddel Vieira Lima (PMDB). Hoje, porém, o silêncio foi trocado pelo discurso de defesa ao ministro, acusado de pressionar um ex-colega a liberar a construção de um empreendimento onde tem um imóvel, em Salvador.

O líder do governo na Câmara, André Moura (PSC-SE), anunciou que pretende promover, com todas as lideranças da base governista, um ato de desagravo a Geddel. Segundo ele, todos os líderes aliados vão assinar um documento em apoio à permanência do articulador político do presidente Temer. A declaração foi dada após reunião com o próprio ministro no Planalto. “Ainda hoje retornaremos aqui com a presença de todos os nossos líderes dos partidos que compõem a nossa base aliada e vamos entregar um manifesto de apoio ao Geddel", disse.

A indicação de André Moura à liderança do governo na Câmara, em maio, também causou polêmica, mas foi confirmada por Temer. Barrado pela Ficha Limpa em 2014, André Moura é réu em três ações penais no Supremo Tribunal Federal por desvio de recursos públicos. Um inquérito apura participação dele em atentado contra um ex-aliado que virou seu inimigo político. Ele responde, nesse caso, por tentativa de homicídio.

Rodrigo Maia

O primeiro a sair em defesa da permanência de Geddel no cargo, nesta terça, foi o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), cujo partido, quando fazia oposição a Dilma, era um dos principais defensores da saída de integrantes do governo suspeitos de irregularidades. Em entrevista em São Paulo, Maia disse que “tráfico de influência”, acusação feita contra o ministro, “não é bom”, mas que confia na inocência dele.

“Esse é um episódio que aconteceu, tem duas posições, não é bom, mas pela entrevista que Geddel deu fiquei muito convencido que tem apoio do Temer e tem nosso apoio. Vamos virar essa página, o episódio aconteceu, vamos separar as coisas. Claro que tráfico de influência não é bom, sei que não aconteceu, o parecer indeferido não foi refeito. O governo precisa de tranquilidade e precisa continuar contando com Geddel”, acrescentou.

Assunto pequeno

André Moura também seguiu pelo mesmo raciocínio de Rodrigo Maia: se o pedido de Geddel não foi levado adiante, logo, não houve crime. “Se tivesse [interferência externa], obviamente, a posição do Iphan seria alterada. O ministro Geddel tratou de maneira informal com o ex-ministro Calero como dois colegas", afirmou o líder do governo. Para ele, a imprensa está dando destaque excessivo à denúncia feita pelo ex-ministro da Cultura Marcelo Calero contra Geddel. "Estão fazendo tempestade em um assunto tão pequeno enquanto temos assuntos muito maiores no Brasil. É um assunto para nós superado", acrescentou.

Depois do encontro com André Moura, Geddel evitou falar com a imprensa. "O assunto está encerrado. E como está na Comissão de Ética, não vou mais comentar com a imprensa. Peço que me respeitem", disse.

Relato de pressão

Após deixar o Ministério da Cultura, Calero acusou Geddel de lhe pressionar, em cinco ocasiões, a determinar a liberação da construção do luxuoso Edifício La Vue, de 106 metros de altura, na região da Barra, em Salvador. Na vizinhança de área tombada pelo patrimônio histórico, a obra foi embargada a pedido do Ministério Público Federal e do Iphan.

O ministro admite que comprou um apartamento no prédio e que fez o pedido a Calero, mas nega ter feito pressão. Segundo ele, seu objetivo era preservar os empregos gerados com a construção. Ontem o presidente Michel Temer decidiu manter Geddel no cargo, mesmo com a abertura de investigação contra ele na Comissão de Ética da Presidência, que vai apurar a conduta dele. O ministro terá dez dias para apresentar sua defesa assim que for notificado.

Mais sobre Michel Temer

Mais sobre Geddel Vieira Lima

Mais sobre corrupção


Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!