Líder do PMDB reage ao governo em plenário

Em discurso, Henrique Eduardo Alves defende a liberação de emendas e a indicação partidária para cargos no governo, e diz que tais práticas não deveriam ser chamadas de "toma-lá-dá-cá"

O líder do PMDB na Câmara, Henrique Eduardo Alves (RN), reagiu nesta quarta-feira (28) às críticas feitas durante o ápice da crise enfrentada pela presidenta Dilma Rousseff dentro da base do seu governo no Congresso. Em discurso, ele defendeu a liberação de emendas por parte do governo e a indicação de apadrinhados políticos para cargos nos diversos escalões  do governo federal. Foi a mais forte e pública reação até agora do PMDB às ações de Dilma nos últimos dias, desde o afastamento do senador Romero Jucá (PMDB-RR) da liderança do governo no Senado.

Tudo sobre a crise de Dilma com a base
Leia outros destaques de hoje no Congresso em Foco

O discurso do peemedebista fez menção várias vezes à expressão usada por Dilma na sua entrevista à edição desta semana da revista Veja. Ela disse não gostar "desse negócio de toma-lá-dá-cá". "Não gosto e não vou deixar que isso aconteça no meu governo", afirmou Dilma.

Embora nem na pergunta nem na resposta tenha havido uma referência direta a Henrique Alves ou mesmo ao PMDB, o líder do partido na Câmara respondeu a Dilma: da tribuna: "Essa carapuça eu não assumo, eu não aceito. Não é toma lá dá cá, é respeito de cá e de lá", disparou o peemedebista. Para ele, a cobrança na liberação de emendas é um direito dos deputados. Integrantes da base reclamam que aproximadamente R$ 1 bilhão está bloqueado  pelo Ministério do Planejamento. São emendas referentes a dezembro do ano passado. "Emenda é direito nosso. O Orçamento era para ser impositivo há muito tempo", disse.

No discurso, Henrique Eduardo Alves citou projetos aprovados na Câmara com apoio do PMDB, como a prorrogação da Desvinculação das Receitas da União (DRU), a política para o salário mínimo e a discussão do projeto que criou um novo sistema. Foi uma forma encontrada pelo peemedebista para dizer que faz parte do governo Dilma. Por isso, tem legitimidade para pedir e cobrar a liberação de emendas e nomeação para cargos.

"Sócios da gestão"

"A questão dos cargos eu não aguento mais responder, como se fosse um absurdo. Nós queremos ser sócios da gestão. Isso é legítimo entre os deputados que ganharam a eleição", afirmou. O peemedebista, aplaudido algumas vezes pelos colegas em plenário, disse que, se depender dele, vai buscar a reeleição de Dilma pelo "que este governo está fazendo". "Não foi o toma-lá-dá-cá que me colocou aqui. São 11 mandatos. Eu não preciso dessa autodefesa porque meu estado me conhece", discursou.

Novo “susto” da base ameaça fator previdenciário
Direitos humanos e minorias também reclamam de Dilma
A crise de Dilma com a base, em 12 capítulos
Tudo sobre a crise de Dilma com a base
Saiba mais sobre o Congresso em Foco (2 minutos em vídeo)

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!