Lewandowski absolve duas por lavagem de dinheiro

Revisor acompanhou Joaquim Barbosa pela inocência da ex-vice-presidenta do Banco Rural Ayanna Tenório. Para ele, Geiza Dias, ex-funcionária da SMP&B, cumpria ordens e não tinha função de gestão

O revisor do processo do mensalão no Supremo Tribunal Federal (STF), Ricardo Lewandowski, votou nesta quarta-feira (12) pela absolvição das rés Ayanna Tenório e Geiza Dias da acusação de lavagem de dinheiro. Ele iniciou a leitura do voto sobre o item 4 da denúncia, que contém dez réus do chamado "núcleo financeiro-publicitário" acusados de branqueamento de capitais.

 

Mensalão: entenda o que está em julgamento
Quem são os réus, as acusações e suas defesas
Tudo sobre o mensalão

Como Ayanna Tenório, ex-vice-presidenta do Banco Rural, já tinha sido absolvida pelos ministros da acusação de gestão fraudulenta pelos empréstimos feitos às agências SMP&B e DNA Propaganda e ao PT, Lewandowski fez uma breve menção a ela. Disse que já há um "certo consenso" de que ela não tinha especialização na área financeira e tinha pouco tempo de empresa quando os créditos foram renovados. "Ela deve ser inocentada desta acusação", disse.

No caso envolvendo Ayanna, ele concordou com o relator. No entanto, abriu uma divergência logo depois ao votar no caso de Geiza Dias, ex-secretária da SMP&B. Por causa disso, ele e Barbosa chegaram a discutir em plenário, rompendo a trégua que já durava algumas semanas. O revisor afirmou que é preciso analisar a situação e a atuação de cada pessoa no mensalão. "Trata-se de uma situação especialíssima, distante das demais situações. Essa senhora não teve nenhuma participação", afirmou.

Geisa era uma “funcionária mequetrefe”, diz defesa
Mensalão: defesa contesta acusação contra ex-vice do Rural

Para o revisor, Geiza se limitava a cumprir as ordens de Simone Vasconcellos, ex-diretora da SMP&B. "Ela jamais foi alçada à condição de gestora. No fundo, ela era uma simples secretária", disse. Lewandowski acrescentou ainda que, ao contrário da sua chefe imediata, a secretária não manteve contato com os outros co-réus. "Quem pratica o crime de braqueamento de capitais faz isso às escondidas, não manda e-mail, não manda beijos", disse, após citar e-mails trocados por Geiza com funcionários do Banco Rural.

Essa foi a primeira discordância de Lewandowski com o relator neste item, mas não é a primeira no julgamento inteiro. Enquanto o revisor votou pela absolvição do deputado João Paulo Cunha de peculato, corrupção passiva e lavagem de dinheiro, Barbosa entendeu que ele era culpado.Depois, no item 5, votou para absolver Ayanna Tenório e o ex-diretor e atual vice-presidente do Rural, Vinícius Samarane. Ele continua seu voto hoje, agora tratando dos diretores do banco.

Saiba mais sobre o Congresso em Foco

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!