Legendas iniciam movimento pró-impeachment

Solidariedade busca apoio do PSDB, PSB e PPS para dar corpo às mobilizações contra a presidente Dilma Rousseff. Representantes destes partidos devem se reunir na segunda para avaliar protestos

Algumas legendas de oposição ao governo Dilma Rousseff (PT) querem aproveitar os protestos contra o governo federal, no próximo final de semana, para iniciar uma mobilização pró-impeachment mais intensa no Congresso Nacional.

 

O movimento é liderado pelo Solidariedade, do deputado-federal Paulinho da Força (SP). Nesta quinta-feira (12), a legenda lançou de forma oficial uma “consulta popular” visando ao pedido de impeachment da presidente. Segundo Paulinho da Força, a legenda dará entrada ao pedido de afastamento tanto de Dilma quanto de seu vice, Michel Temer (PMDB), assim que conseguir obter 1 milhão de assinaturas em um abaixo-assinado virtual lançado durante esta semana.

Antes mesmo de lançar oficialmente essa “consulta popular”, o partido manteve contato com representantes de outras legendas como PPS, PSB, PV e PSDB. A princípio elas não integrarão a mobilização, mas, conforme o Congresso em Foco apurou, representantes destas siglas admitem que elas que podem conversar com o Solidariedade sobre um movimento pró-impeachment, dependendo do resultado das manifestações populares deste final de semana.

Para dar corpo aos protestos contra o governo, alguns movimentos sindicais ligados a Paulinho da Força já foram convocados. Entre os quais a Força Sindical, a Nova Central Sindical e a UGT. A Força Sindical, por exemplo, tem em torno de 1,7 mil sindicatos filiados, e a UGT, outros mil agremiações. A ideia dos caciques do Solidariedade é mostrar "a força das ruas" para conseguir atrair as outras legendas de oposição nesta mobilização pró-impeachment.

Reunião

Na próxima segunda-feira, representantes do Solidariedade, PPS, PSB, PSDB e até do PV devem se reunir para avaliar a mobilização das ruas. Dentro do PPS e do PSB, por exemplo, segundo Congresso em Foco apurou, o sentimento é de encorpar as mobilizações pró-impeachment. Mas somente se elas atraírem um grande número de pessoas em todo o Brasil.

O PSB é mais propenso a participar desta mobilização a partir das próximas semanas. Alguns integrantes da legenda, como o ex-senador Beto Albuquerque (PSB-RS), por exemplo, enxergam que o PT perdeu legitimidade partidária nos últimos meses, principalmente após os desdobramentos dos escândalos de corrupção descobertos com as investigações da Operação Lava Jato. "O PT chegou ao fundo do poço", disse Albuquerque a correligionários.

A princípio, a resistência de representantes de siglas como o PPS e o PSDB diz respeito à autenticidade as mobilizações contra o governo. O presidente do PPS, Roberto Freire, por exemplo, diz que a mobilização pró- impeachment não deve ser um movimento partidário. Mas se houver movimentos populares em favor da saída do governo Dilma, os partidos devem dar apoio à “voz das ruas”. Essas legendas também temem sofrer um desgaste negativo junto à sociedade ao levantar precocemente a bandeira do impeachment, antes de dosar o real nível de insatisfação popular com o governo federal.

Uma outra linha de frente visando intensificar a mobilização popular diz respeito à realização de uma série de seminários para “discutir a crise”. Os encontros, chamados “Diálogos sobre o Brasil”, ocorrerão em várias cidades, como Rio de Janeiro, no mês de março; Recife, em abril; Porto Alegre, também em abril; Cuiabá e Belém, em maio. A aposta dos partidos de oposição é que, em caso de fracasso das mobilizações das ruas, tais seminários ajudem a aglutinar pessoas favoráveis ao impeachment da presidenta.

Presidiário pede impeachment de Dilma

Cidadãos pecam ao desconhecer legislação sobre impeachment

Mais sobre Dilma Rousseff

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!