Lava Jato: STF concede quebra de sigilo telefônico de Cabral e Pezão

Além dos peemedebistas, ex-secretário Regis Fichtner também se beneficiou de doações clandestinas feitas por fornecedores da Petrobras durante a eleição de 2010. PF quer descobrir eventuais contatos com outros investigados

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) autorizou nesta quarta-feira (3) a quebra de sigilo telefônico do governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão, de seu antecessor, Sérgio Cabral, e do ex-secretário estadual da Casa Civil Regis Fichtner. Os três foram mencionados em depoimentos do ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa, delator do esquema de corrupção desvendado pela Operação Lava Jato, da Polícia Federal. Segundo Costa, eles são beneficiários de desvios em contratos da petrolífera com empreiteiras.

O objetivo de derrubada do sigilo é verificar, por meio de registros telefônicos, se houve contato com outros investigados na Lava Jato. A solicitação ao STJ, feita pela Polícia Federal, vai analisar telefonemas feitos antes da campanha de Cabral ao Governo do Rio de Janeiro, em 2010, em busca de provas do envolvimento dos personagens. A decisão foi proferida pelo ministro Luís Felipe Salomão, relator dos inquéritos da Lava Jato em tramitação naquela corte.

Depondo em regime de delação premiada em busca de redução de pena, Paulo Roberto Costa disse ter negociado doação de R$ 30 milhões para a campanha de Cabral em 2010. Na época, Pezão compôs a chapa do PMDB como candidato a vice-governador. Segundo Costa, o montante foi repassado à campanha de maneira clandestina, por fornecedores da Petrobras, e não via doação legal junto à legislação eleitoral. Ainda de acordo com o ex-diretor, o valor foi definido em um encontro que reuniu os três acusados.

Pezão nega ter havido o encontro e, em defesa enviada ao STJ em março, diz que a denúncia não procede. O governador lembra ter enfrentado o governo e a própria Petrobras devido à redefinição do modelo de divisão dos royalties do petróleo, em 2010, com efeitos na arrecadação do Estado do Rio de Janeiro.

Acre

O governador do Acre, Tião Viana, também foi acusado por Costa pelos mesmos desmandos atribuídos a Pezão, Cabral e Regis durante a campanha de 2010. Nesse caso, com valor menor: R$ 300 mil supostamente doados clandestinamente. Também investigado pelo STJ, Viana nega a acusação e diz garantir a regularidade de suas contas de campanha junto à Justiça Eleitoral.

Mais sobre a Operação Lava Jato

Continuar lendo