Lava Jato: mais nove acusados pretendem fazer delação premiada

Das 112 pessoas presas na Lava Jato desde março do ano passado, pelo menos 23 assinaram acordo de delação premiada

Pelo menos mais nove acusados de envolvimento no esquema de corrupção na Petrobras desarticulado pela Operação Lava Jato pretendem fazer acordo de delação premiada, conforme informações do jornal O Estado de S. Paulo desta segunda-feira (10).

Entre aqueles que pretendem prestar informações à Justiça em troca de uma eventual redução de pena estão executivos da OAS, Mendes Júnior e Galvão Engenharia. Atualmente, das 112 pessoas presas na Lava Jato desde março do ano passado, pelo menos 23 assinaram acordo de delação premiada.

Ainda segundo o Estadão, “a mudança de estratégia também tem sido influenciada pela decisão do ex-diretor de Serviços da Petrobrás Renato Duque de iniciar um acordo de delação premiada. A expectativa de envolvidos nas investigações e de advogados de empreiteiras é de que ele fará uma das mais duras delações da Lava Jato e tornará mais difícil qualquer tentativa de reverter as acusações contra as empreiteiras”, afirma o jornal.

As chamadas delações premiadas, no entanto, são vistas com ressalvas por advogados. O atual advogado dos senadores Edison Lobão (PMDB-MA), Ciro Nogueira (PP-PI) e Romero Jucá (PMDB-RR) e da ex-governadora (PMDB-MA) Roseana Sarney, Antônio Carlos de Almeida Castro, o Kakay, por exemplo, desistiu de defender uma das peças-chaves da operação, o doleiro Alberto Youssef, quando ele optou por fazer o acordo de delação premiada.

De acordo com o criminalista, as colaborações estão sendo acordadas sem “nenhuma voluntariedade” e com diversos “abusos”. “Temos o caso de um procurador da República que admitiu que a prisão era usada para forçar a delação. Só isso daí já leva a anulação”, disse Kakay em entrevista ao Congresso em Foco.

 

Mais sobre Operação Lava Jato

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!