Lava Jato leva presidente da federação do comércio do Rio para a cadeia

 

A Polícia Federal prendeu, na manhã desta sexta-feira (23), o presidente da Federação do Comércio do Estado do Rio de Janeiro (Fecomércio-RJ), Orlando Diniz. Há mandados de prisão contra outras três pessoas. As ações fazem parte da Operação Calicute, decorrente da Lava Jato.

Diniz é investigado por corrupção, lavagem de dinheiro e organização criminosa. Ele é acusado de desviar R$ 7,5 milhões do Sesc/Senac-RJ, órgão que presidiu até ser afastado pela Justiça no fim do ano passado.

Para os investigadores, há indícios de que Diniz usou o esquema de lavagem montado pela organização criminosa de Sérgio Cabral para lavar dinheiro ao recorrer aos serviços do doleiro Álvaro Novis, o mesmo utilizado pelo grupo do ex-governador, para movimentar dinheiro de origem ilícita.

As investigações apontam que o presidente da Fecomércio contratou, a pedido de Cabral, funcionários fantasmas e o auxiliava a aumentar a propina que era regularmente distribuída aos seus operadores mais próximos.

A federação era cliente do escritório de advocacia de Adriana Ancelmo, mulher de Sérgio Cabral. Diniz é suspeito de se valer do cargo de presidente para utilizar verba pública federal obtida a partir de convênio de repasse de verbas com o Sesc/Senac para pagar cerca de R$ 20 milhões em dois anos ao escritório de Adriana Ancelmo.

Orlando Diniz foi afastado da presidência do Sesc/Senac do Rio em dezembro pelo Superior Tribunal de Justiça por suspeita de irregularidades. Ele também é investigado por atrapalhar o interventor do órgão.

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!