Lava Jato: Bumlai pagou dívida com contrato da Petrobras

Segundo procuradores, pecuarista teve dívida perdoada pelo Banco Schahin após intermediar contrato bilionário para empresa do grupo na Petrobras. Suspeita é que negócio serviu para quitar dívidas da campanha de Lula em 2006

Preso nesta terça-feira (24) em Brasília, o pecuarista e empresário José Carlos Bumlai é acusado de ter utilizado contratos firmados na Petrobras para quitar dívidas com o Banco Schahin. Segundo o Ministério Público Federal, Bumlai participou de um esquema de corrupção, fraude e lavagem sistêmica ao simular um empréstimo inicialmente de R$ 12 milhões com o banco. A suspeita é de que o dinheiro foi usado para quitar dívidas da campanha à reeleição do ex-presidente Lula em 2006.

De acordo com os investigadores da Operação Lava Jato, o valor foi elevado pelos juros e, em seguida, perdoado pelo banco. Em troca, empresas do grupo conseguiram sem licitação contrato de navio-sonda Vitória 10.000, no valor de R$ 1,6 bilhão. Ainda de acordo com as investigações, o banco Schahin efetivou novo empréstimo em nome de uma empresa de Bumlai, criando um falso contrato, para justificar a falta de pagamento ao Banco Central.

Segundo o Ministério Público Federal, houve simulação de contrato de venda de embriões por parte do pecuarista para fazendas do grupo Schahin para quitar o débito. “Este recibo de quitação consistiu na vantagem indevida que foi oferecida aos funcionários corruptos da Petrobras em troca do contrato de operação do navio-sonda Vitória 10.000”, disse o procurador Diogo Castor de Mattos em entrevista coletiva. Os investigadores encontraram, ainda, dezenas de outros empréstimos em valores milionários feitos por pessoas físicas ligadas ao pecuarista no banco Schahin.

Nem o PT nem a defesa de Bumlai se pronunciaram sobre o assunto até o momento.

Amigo de Lula

Empresário do setor sucroalcooleiro e pecuarista de Mato Grosso do Sul, Bumlai tinha acesso livre ao gabinete de Lula durante os oito anos de seu governo. Um dos delatores da Lava Jato, o lobista Fernando Baiano disse aos investigadores que trabalhava para que a empresa OSX participasse de contratos da Sete Brasil com a Petrobras para a exploração do pré-sal. Apontado como operador do PMDB no petrolão, Baiano contou que pediu ajuda a Bumlai e que os negócios não prosperaram. Ainda assim, afirmou, o pecuarista cobrou uma comissão de R$ 3 milhões, alegando que o valor seria repassado a uma nora de Lula.

Em entrevista ao jornal O Estado de S.Paulo, publicada em 25 de outubro, Bumlai disse ter promovido um encontro entre o presidente da Sete Brasil e o petista, mas negou ter pedido qualquer comissão. Ele contou ter recebido um repasse de Baiano referente a um empréstimo.

PF prende Bumlai, amigo de Lula

Mais sobre Operação Lava Jato

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!