Lava Jato: associação vai à Justiça se delegados forem afastados

Em nota, a Associação Nacional dos Delegados da Polícia Federal condena possibilidade de afastamento de investigadores que elogiaram Aécio ou criticaram Dilma e diz que eles são vítimas de "patrulhamento ideológico"

A Associação Nacional dos Delegados da Polícia Federal (ADPF) saiu em defesa dos delegados que atuam na Operação Lava Jato e usaram as redes sociais para criticar a presidente Dilma ou manifestar apoio ao seu adversário na eleição presidencial, o senador Aécio Neves (PSDB).

Segundo a ADPF, há interesse em desqualificar os investigadores e desviar o foco das apurações da Lava Jato no pedido de afastamento dos delegados, defendido por petistas durante encontro realizado na semana passada em Fortaleza. A entidade afirma, ainda, que irá à Justiça caso sejam adotadas medidas para afastar os delegados da operação.

“A divulgação de mensagens fora de contexto está a serviço de empreitada interessada em desqualificar investigadores e desviar o foco das investigações da operação Lava Jato. É mais uma obra de forças que se imaginam intocáveis e resistem às reformas exigidas pela sociedade brasileira sobretudo no tocante ao fim da impunidade para corruptos e corruptores”, diz a nota.

Reportagem do jornal O Estado de S. Paulo mostrou que pelo menos quatro delegados da Lava Jato usaram o Facebook para elogiar Aécio ou criticar a presidente Dilma e o ex-presidente Lula. De acordo com a ADPF, os delegados foram alvo de “vazamento ilegal de parte do conteúdo postado com deturpações para fins de patrulhamento ideológico”. “O único vazamento seletivo evidente é aquele que vitimou com maledicências esses dedicados profissionais”, acrescenta a associação em sua nota.

Mais sobre a Operação Lava Jato

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!