Kennedy cogitou intervir no Brasil para depor João Goulart

Presidente brasileiro foi deposto cinco meses após conversa entre presidente norte-americano e embaixador dos Estados Unidos no Brasil. Diálogo ocorreu 46 dias antes do assassinato de Kennedy

Um mês e meio antes de ser assinado, o ex-presidente dos Estados Unidos John Kennedy cogitou a possibilidade de intervir militarmente no Brasil para depor o então presidente brasileiro João Goulart. A possibilidade de intervenção foi levantada em conversa gravada entre John Kennedy e o embaixador norte-americano no Brasil, Lincoln Gordon.

O teor do diálogo foi revelado pelo site Arquivos da Ditadura, do jornalista Elio Gaspari, e faz parte do relançamento de quatro obras do colunista sobre o regime militar pela Editora Intrínseca.  João Goulart foi deposto pelos militares cinco meses após a conversa, no dia 31 de março de 1964. A ditadura militar se estendeu por 21 anos.

Ouça a íntegra do áudio

Na gravação, o presidente norte-americano interrompe o embaixador no Brasil durante uma reunião na Casa Branca: “Você vê a situação indo para onde deveria, acha aconselhável que façamos uma intervenção militar?”. Lincoln Gordon responde: “Bem, essa é a outra categoria, que eu chamo de Contingência Perigosa Possivelmente Requerendo uma Ação Rápida. Esse é o principal problema”.

“A pergunta de Kennedy é reveladora de como os Estados Unidos cogitaram uma ação armada que socorreria um golpe no país para derrubar Jango. Washington se preparava para um cenário de guerra civil, mas, como se sabe, não foi preciso oferecer mais do que apoio diplomático aos militares que promoveram o golpe de Estado no Brasil em 31 de março e 1º de abril de 1964”, diz trecho do texto publicado no site de Elio Gaspari.

Veja a íntegra da reportagem, com o áudio editado, no site Arquivos da Ditadura

Outros textos sobre ditadura militar

Nosso jornalismo precisa da sua assinatura

 

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!