Justiça nega à CPI, à Petrobras e à CGU acesso a depoimentos de ex-diretor

Magistrado argumentou que acordo de delação premiada ainda não foi homologado pela Justiça. Paulo Roberto Costa listou políticos participantes de suposto esquema de corrupção na Petrobras

O juiz Sérgio Moro, da 13ª vara federal de Curitiba (PR), negou nesta segunda-feira (22) à CPI mista da Petrobras, à própria estatal e à Controladoria-Geral da União (CGU) acesso aos depoimentos prestados por Paulo Roberto Costa, ex-diretor da empresa, mediante acordo de delação premiada.

“Reconheço o papel relevante da CGU e das CPIs na investigação criminal e no controle da administração pública. Também enalteço o auxílio que a Petrobras tem prestado para investigação e instrução dos processos, bem como o legítimo interesse das três em obter cópia dos supostos depoimentos prestados por Paulo Roberto Costa. Entretanto, o momento atual, quando o suposto acordo e os eventuais depoimentos colhidos sequer foram submetidos à homologação judicial, não permite o compartilhamento, sem prejuízo de que isso ocorra no futuro”, escreveu Moro.

Nos depoimentos, Costa indicou uma lista de políticos que participaram de suposto esquema de corrupção na Petrobras. Ele ficou em silêncio em audiência na CPI mista na semana passada.

Sérgio Moro determinou o encaminhamento à CPI de cópia dos depoimentos da ex-contadora do doleiro Alberto Youseff, Meire Poza. Amanhã (23), os parlamentares vão se reunir com ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) na tentativa de convencê-los a liberar a documentação referente à delação de Costa.

 

Mais sobre a Operação Lava Jato

Mais sobre Petrobras

Assine a Revista Congresso em Foco

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!